O Rito Adonhiramita: História e idiossincrasias

Por Irm.˙. André Otávio Assis Muniz

I. Problemática do tema

Pesquisar sobre o Rito Adonhiramita é defrontar-se com uma montanha de opiniões, teorias e idéias cristalizadas que, em geral, correspondem-se muito pouco com a realidade histórica dos fatos.
Escrever sobre ele requer a disposição necessária para enfrentar a oposição dos que, de uma forma ou de outra, sentem-se mais confortáveis com a mistificação e com a lenda, em prejuízo dos fatos e da história documentada.

Desde a década de 1970 se criou uma impressão de que o Rito seria místico em demasia, que traria idéias muito diferentes de outros ritos ou até, absurdamente, que seria, por essas tantas diferenças, um rito “irregular”.

As fontes oficiais, ou seja, os rituais e os documentos expedidos pelas instituições do Rito, não são rigorosas com os métodos de pesquisa histórica, o que leva a um emaranhado de informações não verificáveis e oriundas de fontes sem isenção ou sem valor para a pesquisa dos fatos originais.

Uma rápida pesquisa pela internet revela uma verdadeira montanha de relatos e resumos, um mais inexato e fantasioso que o outro.

Pretendemos com esse artigo fornecer pistas de pesquisa e elementos básicos para que o pesquisador maçônico possa guiar-se e desenvolver desdobramentos fiáveis sobre o Rito Adonhiramita,
longe das invenções e das teorias sem base que abundam sobre ele.

II. Origens do Rito Adonhiramita

II.1. O contexto histórico: A França Maçônica do século XVIII

O Rito Adonhiramita é filho da Maçonaria francesa. Para compreender suas origens é necessário compreender como se desenvolve a Maçonaria Francesa no século XVIII.

Na França a Franco-Maçonaria obediencial, ou seja, regulamentada por um sistema institucionalizado, foi implantada por volta de 1725, através de imigrantes ingleses exilados por razões políticas ou religiosas. Em Paris é notável o número deles e sua origem, em geral, é Londres. Junto com suas bagagens trazem os costumes e procedimentos maçônicos utilizados na capital inglesa daquela época, da primeira Grande Loja de 1717. Esses primeiros costumes sofrerão significativas mudanças em pouco tempo.

Na Inglaterra, a partir de 1725, com o desenvolvimento do Grau de Mestre, começam a se desenvolver os Graus de Aperfeiçoamento. Muitas Lojas os praticam e não havia nenhum regulamento em relação a eles. Os mais antigos fazem referência à lenda do terceiro grau e ao espírito cavalheiresco.

Obviamente que, com o trânsito de maçons entre Londres e Paris, esses desenvolvimentos, em pouco tempo, estarão em uso no território francês.

Em 1730, a Grande Loja de Londres introduz inovações em seus procedimentos litúrgicos como reação ao tristemente célebre “Masonry Dissected” de Samuel Pritchard, que seria traduzido e
reeditado na França em 1745 como “L’Ordre des Francs-Maçons trahi”.

Com o sucesso de vendas da obra de Pritchard, e com a lenda de que os franco-maçons se ajudam financeiramente, de que nenhum maçom é deixado na penúria, de que sendo maçom a vida se torna mais fácil, há verdadeira corrida de uma horda de profanos que, tendo se apoderado dos segredos ritualísticos das Lojas através da citada obra, apresentam-se às Lojas como maçons…

As modificações introduzidas pela Grande Loja de Londres, visando identificar os falsos maçons produzidos pela obra de Pritchard são, basicamente, a inversão do pé da marcha, a inversão das Colunas dos Aprendizes e Companheiros, a mudança das palavras e a introdução de uma palavra de passe no Grau de Aprendiz.

Em 1728 estava organizada a primeira instituição maçônica na França, a “Grande Loja da França”. Em 1735, a Grande Loja da França solicita da Grande Loja de Londres a autorização necessária para tornar-se uma Grande Loja provincial, o que foi negado. Em 1743, a autorização foi dada e uma instituição foi constituída com o nome de “Grande Loja Inglesa da França”. Essa mesma instituição, em 1773, mudaria seu nome para “Grande Oriente da França”.

Os rituais transplantados de Londres a Paris são, obviamente, os já modificados 13 anos antes, ou seja, com as Colunas invertidas, a mudança das palavras, o pé direito iniciando a marcha e a Palavra dePasse no Grau de Aprendiz.

As Lojas francesas praticavam tanto os 3 Graus Fundamentais (Aprendiz, Companheiro e Mestre), quanto os Graus de Aperfeiçoamento. Com o passar do tempo, quase em cada província francesa haverá um sistema diferente. A criação de sistemas ritualísticos como a “Reau-Croix”, conhecida como “Ordem dos Sacerdotes Eleitos do Universo” (Elus Cohen) na década de 1740, a Estrita Observância Templária (de origem alemã) e o sistema conhecido como “Rito de Perfeição de Heredom” (1758), originado com o discurso de Ramsay em 1738, que misturavam pretensões políticas, valores cavalheirescos e temas alquímicos, herméticos e esotéricos, produziram o caldo cultural necessário para uma verdadeira explosão de Graus Maçônicos.

II.2. Adonhiram

A Constituição da Grande Loja de Londres, dita “de Anderson”, cita Adonhiram como o chefe dos trabalhadores na Montanhas do Líbano, em numero de 30.000, que se revezavam com os sidônios (p.10).

Na obra de Samuel Pritchard, na parte relativa ao Grau de Mestre, aparece o nome de Hiram e não Adonhiram.

Há alguma hipóteses plausíveis para a utilização do nome “Adonhiram” em substituição a Hiram. Alguns rituais franceses do século XVIII, como o reproduzido no “Le Régulateur du Maçon – 1785/1801”, falam de Hiram como aquele a quem Salomão deu a autoridade sobre todos os obreiros a saber: 30.000 homens destinados a cortar os cedros do Líbano, 70.000 aprendizes, 80.000 Companheiros e 3300 mestres.

Fica fácil perceber aqui a causa da confusão. Se Anderson fala que os 30.000 trabalhadores das Montanhas do Líbano estavam sob as ordens de Adonhiram, e os rituais falam que esses mesmos 30.000 homens, destinados a cortar os cedros do Líbano, estavam sob as ordens de Hiram, então, Hiram e Adonhiram devem ser o mesmo personagem. Só que a Constituição de Anderson, na sequência, fala que Hiram, Rei de Tiro, enviou seu homônimo “o Maçom mais completo sobre a Terra”, Hiram ou Huram. (“But above all, He sent his namesake Hiram, or Huram, the most accomplish’d Mason upon Earth”.)

Em 1744 foi publicado o “Catechisme de Franc Maçons ou Le Secret Des Franc Maçons” (Catecismo dos Franco-Maçons ou O segredo dos Franco-Maçons), escrito por Louis Travenol que, utilizando o pseudônimo de Leonard Gabanon, denominava “Adonhiram” ao arquiteto chefe das obras do Templo de Salomão, o qual comumente é denominado, nos dias de hoje, apenas de Hiram.

Cabe frisar que em outros rituais franceses do período aparece também o nome Adonhiram e, inclusive, continua aparecendo em rituais do Rito Moderno de 1788 (Recueil des Trois Premiers Grades de La Maçonnerie – Apprenti, Compagnon, Maitre au Rite Français – 1788). Ou seja, não é uma particularidade da obra de Louis Travenol e nem uma “irregularidade” do Rito. Trata-se de algo bastante generalizado na Maçonaria Francesa do século XVIII.

A mim, como pesquisador maçônico, parece que houve alguma confusão entre os personagens bíblicos Adoniram, que era chefe dos trabalhados forçados para a construção do Templo (2Sm.20,24; 1Rs.5,14) e que acabou sendo morto a pedradas pela revoltada população (1 Rs. 12,18), e Hiram Abif, filho de uma viúva da tribo de Naftali e de um cidadão de Tiro, que era hábil no trabalho com bronze (1Rs. 7, 13-22) e com muitos outros materiais (2Cr. 2, 13-14). Essa confusão pode ter sido aumentada e reafirmada pela prática de alguns Altos Graus onde a figura de Adonhiram reaparece.

A explicação de que se trataria da utilização do pronome de tratamento hebraico “Adoni” (senhor) antes do nome próprio “Hiram”, não parece muito plausível, tendo em vista que em nenhum outro local da Bíblia se vê esse tipo de utilização. Adonías, por exemplo, quarto filho do Rei Davi, citado nos livros de Reis e Samuel, não era o “Senhor Onías”.

II.3. A normatização dos Graus na Maçonaria Francesa e a “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”

Ao longo de quase 50 anos, como podemos ver, os Graus e sistemas se multiplicavam ao ponto de um mesmo Grau ter dezenas de versões diferentes e variações importantes nas palavras de reconhecimento.

Em 1773, devido ao caos instalado pela enormidade de graus praticados sem qualquer regulação, o Grande Oriente da França, tentando introduzir alguma uniformidade nesse emaranhado, cria uma comissão dos Altos Graus que permanecerá com uma atividade bastante modesta até 1782, quando será criada a Câmara dos Graus.

Em 1780, como reação à publicação do “Catechism de Franc Maçons”, mais uma obra medíocre das tantas que abundavam (e ainda abundam), que desagradou profundamente a um grande estudioso maçonólogo da época, Louis Guillemain de Saint Victor, este preparou um estudo contendo pesquisas relativas aos mistérios da Antigüidade, e lançou dois anos depois a “Recueil Precieux de La Maçonnerie Adonhiramite” (Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita). A parte publicada em 1782 abrangia 4 graus, ou seja, Aprendiz, Companheiro, Mestre e Mestre Perfeito. Em 1785 ele lança uma segunda parte onde outros graus eram tratados. Eram eles:

  1. Primeiro Eleito ou Eleito dos Nove;
  2. Segundo Eleito ou Eleito de Perignam;
  3. Terceiro Eleito ou Eleito dos Quinze;
  4. Aprendiz Escocês ou Pequeno Arquiteto;
  5. Companheiro Escocês ou Grande Arquiteto;
  6. Mestre Escocês;
  7. Cavaleiro da Espada ou Cavaleiro do Oriente ou da Águia;
  8. Cavaleiro Rosa-Cruz.

Ao final dessa edição, constava também a tradução do alemão de um grau denominado “Noaquita ou Cavaleiro Prussiano”, o qual era atribuído a um autor maçônico denominado Bérage. Este “13º” foi interpretado por alguns autores como o último grau da Maçonaria Adonhiramita. No entanto, se bem analisado o contexto, fica claro que não existe qualquer ligação entre os graus anteriores e esse 13º grau. Além do mais o próprio autor, Louis Guillemain de Saint Victor, afirmou que o grau de Cavaleiro Rosa-Cruz é o ápice e o término de seu sistema.

O período em que Louis Guillemain de Saint Victor escreve é extremamente significativo para a Maçonaria Francesa. Em 1° de Fevereiro de 1782, mesmo ano em que foi lançada a primeira parte
da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita” ocorre a 121ª assembléia do Grande Oriente da França, onde os irmãos constituem a Câmara dos Graus que se reúne para debates em 19 de fevereiro de 1782. Em 5 de março, o Irmão Orador Roëttier de Montaleau, propõe o estudo de todos os graus existentes praticados na França para que se faça uma síntese dos mais importantes e se crie um sistema ordenado, que contemple toda a filosofia maçônica.

Em 21 de fevereiro de 1783, a Câmara dos Graus apresentará o resultado de uma pesquisa sobre 38 Altos Graus sem nenhum resultado prático.

Em 2 de fevereiro de 1784 é publicada uma circular anunciando que sete Lojas Capitulares Rosa-Cruz se associaram para formar o Grande Capítulo Geral da França. Esse Capítulo Geral da França, vai analisar nada menos de 81 Graus diferentes, onde se contavam 75 Altos Graus só entre os chamados “escoceses” e mais de 135 sistemas ou ritos. O Capítulo Geral tentará os resumir em 5 Ordens, que se tornarão, por assim dizer, o fundamento da “ortodoxia maçônica” na França, que sintetizarão os elementos fundamentais dos ensinamentos e a forma mais tradicional da família de graus que ele representa.

Já na época de formação do Grande Capítulo Geral, depois de se definir que todos os Graus estudados seriam resumidos em 4 Ordens, se estabeleceu uma 5ª Ordem, chamada de “Ilustre e Perfeito Mestre” que seria o Grau Acadêmico e administrativo destinado a conservar e estudar todos os graus e sistemas e que também serviria para administrar o Grande Capítulo Geral.

Em 19 de março de 1784, é publicado o ritual da 1ª Ordem – Eleito Secreto.

Em 18 de dezembro de 1784 é publicado o ritual da 2ª Ordem, Escocês.

Em 19 de Maio de 1785 é publicado o ritual da 3ª Ordem, Cavaleiro do Oriente.

No segundo semestre de 1785 se publica o ritual da 4ª Ordem, Soberano Príncipe Rosa-Cruz.

O Grande Oriente da França e o Grande Capítulo Geral da França entrariam em conflito diversas vezes, pelo fato de haver uma certa confusão em relação à autoridade sobre os Graus e as Lojas.

II.4. A estrutura da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”

A estrutura apresentada pela “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita” se serviu da base lançada pelo Capítulo Geral da França a partir de 1784 (tendo em vista que a segunda parte da Coletânea sai exatamente no ano em que o Capítulo Geral da França publica o último de seus rituais, o da 4a Ordem).

Louis Guillemain de Saint Victor apenas desenvolveu um pouco mais a estrutura apresentada pelo Grande Capítulo Geral da França, focalizando-se em temas que julgava importantes e  desdobrando a 1a e a 2a Ordem em 3 Graus cada uma. Vejamos a estrutura de ambos:

Comp.Pr. da Maç. Adonhiramita               –                    Capítulo Geral da França
Parte 1 (1782)
1- Aprendiz                                                                     1 – Aprendiz
2- Companheiro                                                              2- Companheiro
3- Mestre
4- Mestre Perfeito                                                            3- Mestre

Parte 2 (1785)
5- 1º Eleito ou Eleito dos Nove
6- 2º Eleito ou Eleito de Perignam                                  Eleito (1a Ordem)
7- 3º Eleito ou Eleito dos Quinze
8- Apr. Escocês ou Pequeno Arquiteto
9- Comp. Escocês ou Grande Arquiteto                          Escocês (2a Ordem)
10- Mestr. Escocês
11- Cav. da E. ou Cav. do Or. ou da Ág.                          Cav. da Esp./do Or.(3aOrdem)
12- Cavaleiro Rosa-Cruz                                                 Sob. Pr. Rosa-Cruz (4a Ordem)

II.5. A repercussão da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”

A obra de Louis Guillemain de Saint Victor teve repercussão extremamente positiva a ponto de em 1785 (ou seja, apenas 3 anos após o lançamento da primeira parte e no mesmo ano do lançamento da segunda), já estar sendo publicada, em francês mesmo na Filadélfia, EUA. Esta obra se tornou uma referência canônica do Rito Adonhiramita, e com ela o próprio rito alcançou ampla divulgação e expansão na Europa, chegando a se tornar o principal rito do Grande Oriente Lusitano e sendo exportado para suas colônias na África, Ásia e Novo Mundo, inclusive o Brasil.

Na França, tornou-se, junto com a estrutura proposta pelo Grande Capítulo Geral, o padrão de “Ortodoxia Maçônica”.

Aliás, é sob o titulo de “Ortodoxia Maçônica” (“Orthodoxie Maçonnique suive de La Maçonnerie Oculte”, editada em 1837), que Jean Baptiste Marie Ragon (1781-1862) irá cometer dois erros grosseiros que se propagarão com grande sucesso.

O primeiro erro de Ragon é a atribuição da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita” ao Barão de Tschoudy (Théodore Henry de Tschoudy). Esse erro será repetido “ad nauseam” em Portugal e no Brasil.

Tschoudy não teve absolutamente nada a ver com o Rito Adonhiramita. Sua obra, “A Estrela Flamejante” lançava as bases de uma Ordem denominada de ‘Ordem da Estrela Flamejante’, de características alquímicas.

Em 1766, Tschoudy instituiu, mais no papel do que efetivamente, sua Ordem, baseado na lenda de que tradições alquímicas teriam sido passadas pelos ascetas da antiga Tebaída às Ordens de Cavalaria cristã e dessas para a Franco- Maçonaria.

Tschoudy faleceu em 1769, ou seja, 13 anos antes do lançamento da primeira parte da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”.

Ragon confundiu as coisas e atribuiu ao Barão a autoria da “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”.

O segundo erro de Ragon foi a afirmação de que o Rito Adonhiramita constava de 13 Graus, pois, para Ragon, o Grau de Noaquita, seria o 13º Grau.

III. O Rito Adonhiramita no Brasil

III.1. Primórdios

A obra fundacional do Rito Adonhiramita, ou seja, a “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita” veio para o Brasil através de uma edição de 1810. Essa edição foi traduzida e publicada pela
“Typographia Austral”, no Rio de Janeiro, no ano de 1836 como “Coleção Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”.

A primeira Loja REGISTRADA no Grande Oriente do Brasil como praticante do Rito Adonhiramita foi a “Sabedoria e Beneficiência”, um ano depois do lançamento da tradução à qual aludimos acima (1837).

Há a hipótese de que a Loja “Reunião” (1801) e a Loja “Distintiva” (1812), ambas localizadas na atual Niterói, trabalhariam no Rito Adonhiramita, mas não é possível afirmar isso com certeza.

O Grande Oriente do Brasil, à época, era uma Obediência Mista, ou seja, trabalhava os Graus Simbólicos e os Graus Superiores, sem divisão.

A Carta concedida para a fundação do Grande Oriente Brasílico previa a autorização para se trabalhar em todos os Graus utilizados na França e em Portugal, com a exceção dos pertencentes ao Rito Escocês Antigo e Aceito que, desde 1801, exigia a concessão de uma patente separada, patente essa que deveria ser emitida pelo Supremo Conselho de Charleston ou por Supremo Conselho por ele reconhecido. Justamente por isso, posteriormente (1854), o Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil se tornaria também o Soberano Comendador do REAA, pois este era o único Rito trabalhado no Brasil (introduzido em 1829) que exigia uma autorização separada. Já em 1832 foi fundado o Supremo Conselho do REAA no Brasil que trabalharia como uma Potência Maçônica Independente.

Tendo isso em mente, fica clara a baboseira de se falar em “patente de regularidade” para o Rito Adonhiramita e Moderno, como se eles fossem o REAA…

Em 1839, o GOB criaria um “Grande Colégio dos Ritos”, que era um tipo de departamento para o governo dos Ritos Adonhiramita, Moderno e Escocês (de maneira irregular), já que o REAA deveria funcionar, e de fato já funcionava, separado.

Em 1854, com a incorporação regular do Rito Escocês Antigo e Aceito ao GOB, o “Grande Colégio dos Ritos” sofreu uma transformação. Tendo em vista que, oficialmente, o REAA se incorporaria ao GOB e exigia um governo separado, não poderia ser simplesmente juntado ao “Grande Colégio de Ritos” ou fundido como era antes. Sendo assim, em 1855 foi criado o “Sublime Grande Capítulo dos Ritos Azuis” (i.e. Moderno e Adonhiramita), que comporia colateralmente ao Supremo Conselho do REAA, as Oficinas Chefes dos Ritos.

Para governar as Lojas e Câmaras do REAA, o Grão-Mestre teria que se tornar, também, o Soberano Comendador do Supremo Conselho.

O “Sublime Grande Capítulo dos Ritos Azuis” teve existência curta. Em 1863, menos de dez anos após sua criação, ocorreu a dissidência liderada por Joaquim Saldanha Marinho, onde foi criado o “Grande Oriente do Vale dos Beneditinos.

No Grande Oriente “dos Beneditinos” o Rito Adonhiramita foi muito bem sucedido. O número de Lojas trabalhando no rito suplantou aquelas do GOB.

Foi o Grande Oriente “dos Beneditinos” que criaria o primeiro corpo capitular do Rito Adonhiramita no Brasil, em 3 de Outubro de 1872 seria criado o “Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas”.

No GOB foram fundadas as Lojas “Aliança” (1869) e a “Redenção” (1872), que perfaziam 3 Lojas (com a “Firmeza e União”) do GOB contra 5 em funcionamento no Grande Oriente dos Beneditinos.

Com essas 3 Lojas, o GOB criou pelo decreto nº 21 de 2 de abril de 1873 o “Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas”, homônimo ao seu concorrente no outro Grande Oriente. Cabe salientar que o erro de Ragon, o de que o Rito Adonhiramita tinha 13 Graus, sendo o último o de “Cavaleiro Noaquita”, vingou no Brasil.

III.2. Desenvolvimento

Até 1951, esse corpo seria, na prática, o departamento do GOB para o governo do Rito Adonhiramita. Nesse ano, em 23 de maio, pelo decreto n. 1641, o Grão Mestre do GOB, Joaquim Rodrigues Neves promulgava a nova Constituição, onde estava claro que, a partir de então, o GOB só regeria os 3 Graus Simbólicos, mantendo relações “da mais estreita amizade e tratados de reconhecimento”.

Aqui começa uma longa série de equívocos dentro da Maçonaria brasileira, equívocos esses que se mantêm até os dias de hoje.

A separação entre Potência Simbólica e Filosófica, até por uma questão de simples lógica, não pode admitir qualquer tratado de “reconhecimento”. A Potência Simbólica só “reconhece” os Graus 1, 2 e 3, sendo, portanto, ilegítima sua interferência ou “reconhecimento” em Graus que estão fora de sua competência jurisdicional. Da mesma maneira, as Potências Filosóficas, enquanto instituição, não têm que ser consultadas ou dar quaisquer pareceres sobre rituais ou questões relativas aos Graus 1, 2 e 3.

Tratado de Amizade e Cooperação é muito diferente de Tratado de RECONHECIMENTO. É um show bizarro e deprimente ouvir que tal ou qual Potência Filosófica é “irregular” por não manter Tratado de Amizade e Cooperação com a Potência Simbólica X ou Y.

Aos Irmãos que afirmam esse tipo de ASNEIRA, pedimos que perguntem na secretaria da Grande Loja Unida da Inglaterra, quais são as Potências Filosóficas ou os Graus Colaterais que são por ela reconhecidos. A resposta será “nenhum” e “nenhuma”. A Grande Loja Unida da Inglaterra não interfere, não autoriza ou mantém quaisquer relações oficiais com instituições que tratem de assuntos fora dos Graus 1, 2 e 3 incluso o Real Arco (que é apêndice do Grau de Mestre). A Grande Loja Unida da Inglaterra não tem qualquer interesse ou ingerência sobre se seus membros irão ou não irão cursar quaisquer Graus colaterais ou superiores ao Grau 3 e onde farão isso. Já no Brasil, a “misturada” é a regra…

É óbvio e ululante que um Grão-Mestre consciencioso, ao ver a necessidade de qualquer alteração, consultará aqueles Irmãos da Potência Simbólica (que eventualmente podem pertencer a uma
Potência Filosófica do Rito, mas não obrigatoriamente) que forem mais eruditos e doutos nas questões históricas, filosóficas e ritualísticas, mas nunca como uma consulta institucional que se confunda com dependência.

Já presenciamos o absurdo de um Grão-Mestre Estadual exigir Graus Filosóficos para a composição de Grande Secretaria de Orientação Ritualística. Ou seja, a confissão de dependência em relação a outra instituição para tratar de assuntos internos.

Da mesma forma, é uma declaração de tremenda ignorância maçônica tentar legitimar uma Potência Filosófica com “reconhecimento” por parte de Potência Simbólica.

A Potência Filosófica, no máximo, pode exigir como pré-requisito para a admissão em suas fileiras que o candidato seja Mestre Maçom de uma Potência Simbólica reconhecida por um determinado grupo de Potências. Mas isso não pode se confundir com a Potência Simbólica “indicar” a qual Potência Filosófica o seu membro se filiará e, muito menos, com a Potência Filosófica mendigar um “reconhecimento” institucional de uma Potência Simbólica (que, como dissemos, só tem legitimidade para reconhecer GRAUS SIMBÓLICOS).

Voltemos ao nosso tema…

Em 1953, o “Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas” passaria a se chamar “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”.

Em 15 de Abril de 1968, era assinado entre o então Grão-Mestre do GOB, Álvaro Palmeira e o Presidente do “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”, Josué Mendes, um Tratado de Aliança e Amizade.

E nesse período, de 1953 a 1968, o Rito Adonhiramita ficou “irregular”? Respondam os defensores dos “reconhecimentos” por Potência Simbólica…

III.3. O Grande Cisma de 1973

Em 1973, ocorre a grande “reviravolta” no Rito Adonhiramita. Neste ano, treze Grandes Orientes Estaduais se desligam do Poder Central do GOB. Isso, para o GOB, significa a perda da maior parte de suas Lojas praticantes do Rito Adonhiramita e uma cisão interna dentro do “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”, que só poderia admitir Irmãos ligados ao GOB.

Para recuperar o Rito Adonhiramita dentro do GOB e dentro do “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”, é necessário atrair Irmãos de outros ritos para ele. Como fazer isso?

Essa foi a questão colocada pelos Irmãos Adonhiramitas remanescentes. Em 1973, sob o comando do Irmão Aylton Menezes, o “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil” muda seu nome para “Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita” (ECMA). Restava ainda a completa reformulação do Rito para que se tornasse mais atrativo para uma população maçônica majoritariamente do REAA, ou seja, habituada a um sistema de 33 Graus e que não se sentiria atraída por um rito com apenas 13 (12 na verdade).

III.4. As influências intelectuais no processo de reformulação

Na década de 1970, a literatura maçônica no Brasil estava fortemente influenciada pelas obras de autores como Joaquim Gervásio de Figueiredo, Charles Webster Leadbeater e Jorge Adoum. Tais obras eram fartamente publicadas pela Editora Pensamento. A chamada “Escola Histórica” ou “Documental” tinha pouca ou nenhuma influência na maior parte dos maçons brasileiros (tem hoje?).

Tanto Joaquim Gervásio de Figueiredo quanto Jorge Adoum e C.W. Leadbeater eram ligados à Sociedade Teosófica (organização fundada nos EUA, em 1875, por Helena Petrovna Blavatsky e Henry Steele Olcott) e entusiastas da Co-Maçonaria (Maçonaria Mista, para homens e mulheres).

A Co-Maçonaria nasce na França com a Iniciação de Marie Deraismes em 1882 na Loja “Les Libres Penseurs”. Esta Loja pertencia à Grande Loja Simbólica Escocesa e foi desligada logo que correu a notícia da Iniciação de Marie Deraismes. A segunda Loja a adotar a Iniciação feminina foi a “La Jérusalem Ecossaise”, onde Georges Martin foi Venerável Mestre. Ambas as Lojas adotavam o Rito Escocês Antigo e Aceito. Esse, obviamente, foi o rito adotado inicialmente para o desenvolvimento da Co-Maçonaria.

A primeira Grande Loja fundada fora da França foi a de Zurich, em 1895. Ela constituía a seção nº 3 da “Grande Loge Symbolique Ecossaise Mixte de France”, e era considerada como uma das cinco Lojas (a quinta foi fundada em 1902) do “Le Droit Humain” ainda unicamente francês. Em 1900, a Ordem Co-Maçônica tornou-se internacional e, para tanto, foi fundado um Supremo Conselho Misto dito “universal”, bem como o “Le Droit Humain” Internacional.

Em 1902, a Loja nº 6 “Human Duty” foi criada em Londres, sob a impulsão de Annie Besant, importante figura dentro da Sociedade Teosófica e autora de diversos livros ocultistas traduzidos para o português e consumidos por maçons brasileiros, de Francesca Arundale e de George Arundale.

A fundação, seguida da iniciação de quatro novos membros, teve lugar em 26 de setembro no REAA, rito de base de “Le Droit Humain”. Mas a partir da reunião seguinte, um ritual Inglês (muito
provavelmente o de Emulação) foi implementado com a autorização das autoridades do “Le Droit Humain”.

Os fundadores da nova Loja londrina tinham consciência da necessidade de ter uma prática maçônica mais próxima possível da inglesa, para que sua oficina pudesse se desenvolver em uma Inglaterra totalmente indiferente, senão francamente hostil, à noção de Co-Maçonaria. Era preciso adotar sem demora um ritual em harmonia com aqueles praticados nas lojas masculinas inglesas. Se a questão fosse simplesmente constituir uma loja co-maçônica de franceses que, por razões profissionais ou outras, vieram a se instalar na Inglaterra, poder-se-ia conceber de continuar a utilizar o REAA, mas não era o caso: tratava-se de implantar e desenvolver a Co-Maçonaria na Inglaterra.

Entre 1915 e 1925 Annie Besant, ajudada por C.W. Leadbeater (1847-1934), outro notório teosofista e autor de livros fantasiosos baseados em “clarividência” ou em métodos que incluíam a conversa com uma gata, elaborou rituais específicos para a Federação Britânica. Tais rituais misturavam alguns elementos: O ritual de Emulação inglês, alguns usos do Rito de York (Norte Americano), o REAA como era praticado na França, alguns elementos do Rito de Mênfis-Misraim, procedimentos muito infLuenciados por usos eclesiásticos (Leadbeater fora padre da Igreja Anglicana e era bispo da Igreja Católica Liberal, também ligada à Sociedade Teosófica) e as doutrinas teosofistas.

Em 1916 a revisão dos rituais do “Craft” (Graus Simbólicos) foi terminada. C.W. Leadbeater logo escreveu um livro de interpretações ocultistas para o ritual – que ele mesmo tinha ajudado a compor, e esse livro se tornou um sucesso no Brasil: “A Vida Oculta na Maçonaria”, também editado pela Editora Pensamento.

Alguns dos membros do recém fundado “Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita” eram leitores dessas obras, sem contar o expressivo número de maçons que também eram membros da Sociedade Teosófica.

A necessidade de reformulação e a possibilidade de alterar sensivelmente os rituais em uso, utilizando a apreciação pela doutrina teosofista de Leadbeater, caíram como uma luva. Os procedimentos descritos na “A Vida Oculta na Maçonaria” logo estariam figurando nos novos rituais do Rito Adonhiramita…

A divisão em 33 Graus citada por Leadbeater com acentuadas explicações ocultistas etc., unida à necessidade de atrair Irmãos do REAA para o Adonhiramita também veio a calhar.

Dentro de 9 anos, ou seja, em 1982, o Rito Adonhiramita no seio do GOB e do ECMA estava completamente transformado: 33 Graus, Cerimonial de Incensação, Cerimonial de Acendimento das Luzes, acentuada influência ocultista e uma tendência a contínuas modificações.

IV. A acomodação dos Graus Adonhiramitas aos Graus do REAA

Para a plena acomodação dos Graus Adonhiramitas no esquema de 33 Graus do REAA, era necessária a divisão em Câmaras Ritualísticas. Essa divisão, obviamente, não existe na “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita”, que foi escrita bem antes do aparecimento dessas divisões no seio do REAA.

O sistema de divisão em Lojas de Perfeição, Capítulos, Areópagos ou Oficinas de Kadosh, Consistório e Supremo Conselho foi adaptado ao Rito Adonhiramita com a manutenção dos 10 Graus “filosóficos” originais diluídos dentre os Graus Escoceses. Todos, obviamente, com os cerimoniais do “Ritual de Lauderdale”, levemente modificados.

Tendo em vista que o Rito Adonhiramita até então só era praticado no Brasil, ou seja, que não havia a preocupação em se manter alguma uniformidade com outros corpos Adonhiramitas no estrangeiro, as modificações, invenções e teorizações desprovidas de base documental se tornaram um hábito nos primeiros escalões do Rito.

V. As invenções místicas e os equívocos oficializados

Como tradicionalista, não tenho absolutamente nada contra os ensinamentos herméticos ou as tradições esotéricas. Leia-se bem: TRADIÇÕES esotéricas.

Uma Tradição é a transmissão, de forma ortodoxa, de um conjunto de ensinamentos cuja origem se perde na noite dos tempos e cujo rastro pode ser historicamente traçado através de escrituras, documentos, registros, mitos etc. que, em geral, contam com vasta fundamentação simbólica, filosófica e até antropológica.

Bem diferente de uma autêntica Tradição Esotérica é uma invenção baseada em uma suposta clarividência, intuição ou achismo sem fundamentação, sem respaldo em qualquer tradição e sem uma lógica interna que possa, sequer, justificar a sua existência dentro de um determinado sistema de maneira coerente.

Não só o Rito Adonhiramita, mas infelizmente todos os Ritos Maçônicos são vitimados pelo que chamamos de “iluminados”, que tiram do bolso “descobertas”, “usos e costumes”, “melhorias”,
“adaptações” ou “interpretações” que fazem com que intelectuais não iniciados e indivíduos externos mais qualificados, ao analisarem a Maçonaria, acabem por considerá-la como uma imensa maçaroca de crendices mal digeridas, recoberta com o discurso de “combate à ignorância, à superstição e o fanatismo” para ocultar uma grande inanição intelectual.

Como instituição que deve zelar por ensinamentos tidos por “esotéricos”, ou seja, reservados a um grupo seleto, seria desejável que o processo de seleção contemplasse um rigor bem maior, especialmente no que tange a atributos intelectuais e morais, além da adoção de critérios claros e rigorosos para qualquer tipo de alteração em rituais.

No Rito Adonhiramita atual alguns procedimentos são invenções puras e simples. Um exemplo é a “circulação em infinito”, que não consta em nenhum documento histórico do Rito e nem em qualquer outro ritual de onde poderia ter sido tirado.

Apesar da interpretação forçada para enxertar um significado, o fato é que não há em toda a histórica litúrgica do Ocidente ou do Oriente, a tal “circulação em infinito”.

Inventem explicações místicas, ocultistas, extraterrestres ou seja lá o que for. Mas não chamem isso de Tradição e nem tentem obrigar os outros a acreditar nisso.

Não contentes com a tal circulação, os “iluminados” ainda inventaram que é necessária uma inversão em seu sentido em acordo com o Grau trabalhado, transformando a circulação em Loja num verdadeiro bailado e um inferno para os oficiais que necessitam se movimentar. Pior ainda é que o sentido das circulações muda a cada reforma nos rituais.

A passagem obrigatória por trás da cadeira do Venerável é outra invenção. Tentando imitar a “Ara” do Ritual de Lauderdale (que foi imitada do Rito de York Norte Americano), sobre a qual fica a luz perpétua ou “fogo sagrado” (imitada do Rito de Menfis-Misraim), mas arrastando a mesma Ara para o Oriente, alguém achou bonito imitar o uso norte-americano de não atravessar a linha entre a Ara e a mesa do V.M. e, como a Ara está no Oriente (pois o painel tem que ficar no meio da Loja, o que não acontece nem no Lauderdale, nem no York), a solução foi esmagar o pobre oficial em trânsito entre a cadeira do VM e a parede do Oriente.

Se o erudito Louis Guillemain de Saint Victor assistisse uma Loja do Rito Adonhiramita hoje, ficaria bastante chocado por ver tantas e tantas inovações.

Há também a longa e enfadonha história das cores de gravatas, as discussões sobre gravatas borboletas ou comuns, uso ou não uso de balandrau e outras muitas inutilidades completas que tomam o tempo de quem gostaria de se dedicar a estudos mais sérios e acaba sendo envolvido em debates sobre gravatinhas, frufrus, cor de terno e até de meias, mas que nada trazem em matéria de compreensão de si mesmo, do ser humano, da humanidade, do cosmos ou sequer da história ou das autênticas tradições do Rito que está sendo praticado.

Da mesma forma, vemos com assombro notórias invenções e teorias apócrifas sobre a história do Rito Adonhiramita (e também de outros ritos) sendo estampadas nas edições oficiais dos Rituais, que não apresentam fontes, bases ou elementos minimamente fiáveis sobre o que apresentam. É lamentável ver os Aprendizes a serem doutrinados com esse tipo de material de baixo nível.

VI. Conclusão

O presente artigo, como foi dito em sua introdução, tem por objetivo despertar nos Irmãos, especialmente os do Rito Adonhiramita, o gosto pela pesquisa e lhes dar elementos básicos, fiáveis e colhidos de forma metodologicamente correta, para o desenvolvimento de pesquisas mais acuradas e específicas.

Não temos a fantasia de, em umas poucas páginas, esgotar um assunto tão vasto. No entanto, talvez este seja o primeiro texto sobre o Rito Adonhiramita no Brasil que apresenta, de forma cronológica e metódica, considerações sobre o desenvolvimento do Rito, suas alterações, influências intelectuais e as formas tomadas ao longo do tempo.

Quanto mais profunda a pesquisa, menos abrangente ela deve ser. Justamente por isso optamos pela abrangência, para que, posteriormente, cada detalhe possa ser pesquisado com profundidade.

 

VII. Bibliografia
SAINT-VICTOR, Louis Guillaume. Recueil Précieux de La Maçonnerie Adonhiramite: Contenant les trois Points de La Maçonnerie Ecossoise, le Chevalier de L’Orient e le vrai Rose-Croix, qui n’ont jamais été imprimes: Précédés de trois Elus, e suivis du Noachite, ou le Chevalier Prussien, traduit de l’Allemand; Enrichi d’un Abrégé de l’Histoire de ces Grades. Philadelphie: Philarethe, 1786.

MOLLIER, Pierre. Le Régulateur du Maçon: 1785/ “1801”. Paris: A L’Orient, 2004.

NAUDON, Paul. Histoire, rituels et tuileur des Hauts Grades Maçonniques. 5. ed.; Paris: Dervy, 2003.

WAITE, Arthur Edward. A New Encyclopedia of Freemasonry. New York: Wing Books, 1996.

Recueil des Trois Premiers Grades de La Maçonnerie: Apprenti, Compagnon, Maître au Rite Français. 2.ed.; Paris: A L’Orient, 2001.

MAINGUY, Irène. Symbolique des Grades de Perfection et des Ordres de Sagesse. 2.ed.; Paris: Dervy, 2003.

MAINGUY, Irène. Symbolique des Chapitres en franc-maçonnerie: Rite Écossais Ancien et Accepté et Rite Français. 2.ed.; Paris: Dervy, 2005.

MARCOS, Ludovic. Histoire Illustré du Rite Français. Paris: Dervy, 2012.

CASTELLANI, José. CARVALHO, William Almeida de. História do Grande Oriente do Brasil: A Maçonaria na História do Brasil. São Paulo: Madras, 2009.

COOPER, J.C. An Illustrated Encyclopaedia of Traditional Symbols. London: Thames & Hudson, 1973.

GUIMARÃES, João Nery. Reprodução das Constituições dos Franco-Maçons ou Constituições de Anderson de 1723. Brasília: Gráfica e Editora do Grande Oriente do Brasil, 1997.

TREXLER, C. DeForrest. The Degree Rituals of The Supreme Council, 33º, AASR for the Northern Masonic Jurisdiction United States of America. Lexington: Supreme Council, 33º, 2008.

PIRES, Joaquim da Silva. Ritos Moderno e Adonhiramita. Londrina: A Trolha, 2006.

MUNIZ, André Otávio Assis. Curso Elementar de Maçonologia. São Paulo: Richard Veiga Editorial, 2016.

GROSJEAN, Marc. Georges Martin Franc-Maçon de L’Universel: Fondateur de l’Ordre Maçonnique Mixte International : Le Droit Humain. Tome I. Paris: Detrad, [200-].

GROSJEAN, Marc. Georges Martin Franc-Maçon de L’Universel: Fondateur de l’Ordre Maçonnique Mixte International : Le Droit Humain. Tome II. Paris: Detrad, [200-].

GROSJEAN, Marc. Le Droit Humain International: 1913-1945 De l’éveil à la mise en oeuvre. Paris: Detrad.

Maçonaria Adonhiramita: Ritual de Aprendiz Maçom. São Paulo: GLESP, 2006.

Ritual do 2º Grau: Companheiro Maçom Adonhiramita. Brasília: Grande Oriente do Brasil, 2005.

Ritual do 1º Grau: Aprendiz Maçom Rito Adonhiramita. Brasília: Grande Oriente do Brasil, 2009.

Ritual do 2º Grau: Companheiro Maçom Rito Adonhiramita. Brasília: Grande Oriente do Brasil, 2009.

TSCHOUDY, Théodore Henry. La Estrela Flamígera: Catecismo o instrucción para el grado de Adepto o aprendiz Filósofo sublime y desconocido. Barcelona: Obelisco, 2005.

Lumières de la Franc-Maçonnerie Française. Paris: Télètes, 2006.

PRESTON, William. EVERDEN, Campbell. Freemasonry and its etiquette. 2.ed.; New York: Gramercy, 2001.

JONES, Bernard E. Freemasons Guide and Compendium. 2.ed.; Nashville: Cumberland House, 2006.

CAYRU, Henrique Valadares. O Aprendiz Maçom: Seguido de: As Constituições de Anderson, Os Landmarques da Franco Maçonaria. Brasília: Grande Oriente do Brasil, 1997.

Bíblia de Estudo NVI: Nova Versão Internacional. São Paulo: Vida, 2001.

LEADBEATER, C. W. A Vida Oculta na Maçonaria. 19.ed.; São Paulo: Editora Pensamento, 2013.

Ritual do Primeiro Grau: Aprovado pelo Supremo Conselho Internacional “Le Droit Humain”. Rio de Janeiro: 1987.

Rodrigo de Oliveira Menezes

M.’.M.’. da Loja Amizade, Trabalho e Justiça nº 36, Or.’. de Umuarama, filiado ao Grande Oriente do Paraná, filiado ao Supremo Conselho do Grau 33 do Paraná, Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

Um comentário em “O Rito Adonhiramita: História e idiossincrasias

Deixe uma resposta