Quais são as Joias para o Trabalho de um Conselho Críptico?

Enviado pelo Ilustríssimo Companheiro John Robert Bowker, Grão-Mestre da Carolina do Sul

Comecei minha pesquisa sobre as joias e aventais usados ​​por meu Grande Conselho quando fui eleito Grande Capitão da Guarda. Naquele dia, fui investido com uma joia e um avental que não combinavam e, após um exame mais aprofundado, descobri que nenhum dos dois estava correto. Isso me fez pesquisar para determinar as joias e aventais adequados para os oficiais de minha jurisdição na Carolina do Sul e, subsequentemente, também para os de outras jurisdições. Descobri que há uma grande diferença entre as várias Grandes Jurisdições, talvez devido à escolha pessoal, e que nossos fornecedores determinaram o que era correto em vez de seguir as diretrizes estabelecidas. Talvez, por meio dos itens vendidos para nós, eles tenham mudado nossa percepção do que é correto. Isso é o que eu simplesmente chamo de “rabo abanando o cachorro”. Na verdade, tentei comprar as joias corretas, conforme descrito abaixo, de vários fornecedores importantes e descobri uma forte relutância na mudança. Eles simplesmente não precisam mudar seus produtos se a demanda permanecer a mesma. Apresento isso não como uma peça que reivindica autoridade total e absoluta sobre tudo o que é apropriado, mas sim como um meio pelo qual incutir pensamento e debate sobre o tópico e talvez mudar a procura por meio da educação.
Para determinar uma linha de base para este trabalho, usei livro Maçonaria Críptica – Um Manual do Conselho (“Cryptic Masonry – A Manual of the Council”) conforme publicado por Albert G. Mackey em 1867. Neste trabalho, uma estrutura foi estabelecida para as Cerimônias da Ordem. Isso inclui a Consagração de um Novo Conselho (Seção I), a Instalação Anual dos Oficiais do Conselho (Seção II) e a Instalação dos Oficiais de um Grande Conselho (Seção III). Nessas cerimônias, as joias dos oficiais são ilustradas e claramente definidas. Todas as joias ilustradas são os emblemas específicos contidos em um triângulo unido com uma espátula. A única exceção listada abaixo. As joias dos Grandes Oficiais são as mesmas do conselho local, mas estão contidas em um círculo e são normalmente representadas por uma coroa de flores. A seguir estão as ilustrações fornecidas no trabalho de Mackey e uma breve explicação de cada uma e em algumas fotos de joias originais que encontrei ao longo dos anos.
O Ilustre Mestre do Conselho local, listado por Mackey como Três Vezes Ilustre, é descrito como um esquadro e um compasso, e o Grande Conselho referido como o Poderosíssimo tem o mesmo.

O próximo em um conselho local é o Grão-Mestre Adjunto. Mackey chama esse oficial de Ilustre Hiram de Tiro e possui um nível dentro de um triângulo. É importante notar que muitas jurisdições têm um nível sobreposto por uma coroa. Isso, creio eu, foi o resultado de empresas que afixaram uma espátula na joias do Rei da R.A.M. e passaram a chamá-la de joia do Adjunto do R. & S. M., simplificando a produção e o processo deles.

O terceiro no conselho local é o Principal Condutor da Obra e é ilustrado como um prumo dentro de um triângulo. Muitas jurisdições têm um turbante em cima do prumo, e é importante notar, mais uma vez, que é simplesmente a joia do Escriba da R.A.M., à qual uma espátula foi adicionada.

O Tesoureiro e o Secretário seguem com as chaves cruzadas e penas cruzadas, respectivamente.

A joia do Capitão da Guarda (Mackey originalmente usa o nome com o “s” no final, “Capitão das Guardas”) é ilustrada como um machado de batalha com o cabo no canto superior esquerdo e a cabeça do machado no canto inferior direito. É uma pequena diferença, mas a maioria dos fornecedores tem essa joia com a cabeça do machado no canto superior esquerdo e o cabo no canto inferior direito.

O Condutor do Conselho é um bastão dentro de um triângulo.

A joia do Mordomo é ilustrada como dois sabres cruzados, com as alças para cima e as lâminas para baixo. Muitas jurisdições utilizam as espadas cruzadas com os cabos para baixo e as pontas para cima. No entanto, esta parece ser a joia do Sentinela do Arco Real com uma espátula.

Nenhuma ilustração é fornecida para o Marechal ou Capelão do Conselho local, pois eles não estão na cerimônia, mas ambas são mostrados na Instalação de um Grande Conselho. A joia do Grande Marshall é a de um bastão que vai da esquerda inferior para a direita superior no topo de um pergaminho. A joia do Grande Capelão é o Livro Aberto, no entanto, não há espátula sobre esta joia.

Até este ponto, limitei o artigo especificamente àqueles itens que Mackey ilustrou no Manual do Conselho para estabelecer uma base sobre como iniciar uma discussão a respeito dessas joias. No entanto, maiores esclarecimentos sobre essas joias, bem como outras, podem ser encontradas nos Anais da Trienal do 7º Grande Conselho Geral de 1900, bem como nos Anais da Trienal de 1903, 1906, 1909, 1912 e 1915 nos quais se discorre sobre Aventais, Vestimentas e Joias, que “as joias dos respectivos Grandes Oficiais são diferenciadas pelo uso dos seguintes emblemas colocados dentro do triângulo:

O esquadro e o compasso juntam-se à espátula, para o Ilustríssimo Grão-Mestre.

O Nível juntou-se à espátula, para o Mui Ilustre Grão-Mestre Adjunto.

O Prumo, junto com a Espátula, para o Mui Ilustre Grande Principal Condutor da Obra.

O Livro Aberto, para o Ilustre Grande Capelão.

As chaves cruzadas se juntaram a Trolha, para o Mui Ilustre Grande Tesoureiro.

As penas cruzadas se juntam a Trolha, para o Mui Ilustre Grande Secretário.

O Machado de Batalha se juntou a Trolha para o Ilustre Grande Capitão da Guarda.

O Bastão se juntou a Trolha, para o Ilustre Grande Condutor do Conselho.

As espadas cruzadas juntaram-se a Trolha, para o Ilustre Grande Mordomo.

A Espada juntou-se à Trolha, para o Ilustre Grande Sentinela. ”

Aqui estão algumas das ilustrações dessas joias conforme encontradas nos procedimentos:

Além disso, as joias dos oficiais dos conselhos subordinados são listadas como:

“O Esquadro e o Compasso se juntaram à Trolha, para o Três Vezes Ilustre Mestre.

O Nível juntou-se à Trolha, para o Ilustre Mestre Adjunto.

O Prumo, junto com a Trolha, pelo Ilustre Principal Condutor da Obra.

As Chaves Cruzadas juntaram-se a Trolha, para o Tesoureiro.

As Penas Cruzadas juntaram-se à Trolha, para o Secretário.

O Machado de Batalha se juntou a Trolha para o Capitão da Guarda.

O Bastão juntou-se a Trolha, para o Condutor do Conselho.

As espadas cruzadas se juntaram a Trolha, para o Mordomo.

A Espada juntou-se à Trolha, para o Sentinela. ”

Espero que este artigo inspire pelo menos alguns de nossos companheiros a investigar a questão de “Quais são as joias corretas de um conselho?” Como podemos ver, muitas mudanças foram feitas tanto por artesãos quanto pelos fornecedores das joias oficiais ao longo dos anos. Talvez seja hora de examinar o que originalmente se pretendia preservar. Nossas joias do conselho nunca tiveram a intenção de ser simplesmente uma ramificação das joias do Arco Real com uma trolha colada na frente. Eles foram e devem ser distintos e individuais para nossos próprios propósitos e projetos. Se nós, como grupo, começarmos a exigir que nossos fornecedores sigam nossas diretrizes estabelecidas, talvez eles produzam o que pedimos e o cão pode mais uma vez abanar o rabo.

Retirado e traduzido de:

https://crypticmasons.org/new-news/9-news/600-what-are-the-correct-jewels-of-office-for-the-council?mc_cid=0ba76d0ab7&mc_eid=0f0d7c0b9d

Rodrigo de Oliveira Menezes

M.'.M.'. da Loja Amizade, Trabalho e Justiça nº 36, Or.'. de Umuarama, filiado ao Grande Oriente do Paraná, exaltado ao Sagrado Arco Real pela GLPR e filiado a mais 5 corpos Superiores distintos (SC33PR, MEGCMARRFB, MIGCMRSRFB, SCFRMB e GCKFRMB-PR).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *