Alguns Aspectos das Teorias no Desenvolvimento dos Graus Crípticos

Por John W. Davis III

Ilustríssimo Past Grão-Mestre e Grande Tesoureiro, Grande Conselho da Carolina do Norte

As lendas sobre uma cripta ou abóbada sob o monte do Templo são variadas. A versão talmúdica, datada de cerca de 100 DC, descreve uma cripta vertical de nove arcos, um acima do outro, e são atribuídos a Enoque. Outra lenda contada por Philostorgius descreve uma cripta horizontal que consiste em uma grande caverna alcançada por uma passagem estreita. Ambas as lendas aparecem em algumas das Antigas Obrigações. Essas lendas foram expandidas e adaptadas para graus maçônicos pelo Chevalier Michael Ramsey e seus amigos na França e na Alemanha durante o século XVIII (1730-1750).

Chevalier Andrew Michael Ramsey

Como somos lembrados, os graus Crípticos precedem historicamente o Arco Real; uma peculiaridade do Rito de York. Isso é bom porque faz com que o maçom reflexivo estude continuamente os sublimes preceitos e cerimônias do rito.

Esta é a evidência de que a fonte dos Graus Crípticos é a mesma do Rito Escocês. Mas existe uma diferença importante. Nos Graus Crípticos, falamos sobre a cripta horizontal erguida pelo Rei Salomão durante a construção do primeiro Templo, enquanto no Rito Escocês se fala da cripta vertical erguida muito antes por Enoque.

Em 2 de setembro de 1810, Thomas Lowndes e quinze outros maçons ativos fundaram o que chamaram de “Columbian Grand Council No. 1, Maçons Mestres Reais”. Nesta reunião é registrada a primeira concessão conhecida do Grau de Mestre Real.

Thomas Lowndes

Não se sabe onde ou como Thomas Lowndes adquiriu o Grau de Mestre Real. Por um lado, ele recebeu vários dos graus do Rito de Perfeição em 1806 de Abraham Jacobs, um Grande Inspetor dos Imperadores do Oriente e do Ocidente, que poderia ter incluído o Mestre Real ou um grau relacionado.

Outro grande problema foi a disputa entre Joseph Cerneau e J.J.J. Gourgas sobre a liderança do Rito Escocês que estava em pleno vigor nesta época, e os dezesseis Irmãos mencionados incluíam adeptos de ambos os lados.

Alguns estudiosos chegam mesmo à opinião de que Lowndes criou o grau alguns anos antes de 1810. No mínimo, ele é reconhecido como o principal divulgador do mesmo.

Na primeira reunião em 2 de setembro de 1810, os membros elegeram seus primeiros oficiais, incluindo Thomas Lowndes como “Três Vezes Ilustre Grão-Mestre Real”, cargo que ele manteve até 1821. Eles também votaram em quatro candidatos e, em seguida, conferiram o grau a eles.

O grau de Mestre Real permaneceu o grau de trabalho deste Conselho desde sua fundação até que ele se juntou à formação do Grande Conselho de Mestres Reais e Seletos de Nova York em 1823.

Em 22 de dezembro de 1817, é registrada a primeira concessão do Grau de Super Excelente Mestre, presidida por Thomas Lowndes. O grau, que não tem relação com graus ingleses com nome semelhante, foi provavelmente escrito por Thomas Lowndes e, portanto, é um produto da América.

O Conselho gradualmente se estabeleceu como uma instituição funcional e, em 1812, desenvolveu um estatuto e, em seguida, uma constituição. Na maior parte, manteve reuniões regulares. No entanto, existem lacunas ocasionais, às vezes de mais de alguns meses. Isso é particularmente importante porque, a recepção de Jeremy Cross do Grau de Mestre Real não é registrada em nenhum lugar, embora o Conselho Columbian seja o lugar mais lógico.

Três teorias sobre os Graus Crípticos se apresentam:

A Teoria Stuart:

O Rito Críptico começou a surgir no século 18 e alguns argumentam que era de origem escocesa, tendo uma conexão definitiva com a dinastia Stuart.

Primeiramente, o ritual tinha um significado oculto associado com Bonnie Prince Charlie e suas tentativas de restaurar a coroa para sua família. Por exemplo, o “filho da viúva” equivale ao herdeiro do rei Carlos I, que foi executado; a “palavra perdida” é relacionada a ser a “causa perdida”; a “ressurreição” de um maçom para fazer referência à restauração da Coroa Stuart.

Carlos Eduardo Stuart – Bonnie Prince Charlie

Além disso, a teoria da alegação de origem de Stuart relata que esses “significados” deviam ser mantidos em segredo pela própria razão de serem “traição” aos olhos da monarquia atual. Alguns afirmam que isso levou à necessidade de graus “diferenciados”, nos quais os membros eram cuidadosamente selecionados com o objetivo de usar os locais de reunião como locais de planejamento e a doutrina da sucessão de Stuart. Esta, alega-se, é a razão da lenda da “Cripta Secreta”.

É certo que os Stuarts no exílio usaram os graus superiores maçônicos originários da França para seus próprios fins, mas não há evidência de que os inventaram.

A Teoria de Baltimore:

Visto que Baltimore era uma cidade importante, tanto comercial quanto maçonicamente no início do século 19, não deveria ser surpresa que uma das teorias sobre as origens da Maçonaria Críptica estivesse ligada a Maryland.

Em 1810, o Grau de Mestre Seleto de Philip Eckel e Hezekiah Niles já havia sido conferido em um “Grande Conselho” em Baltimore. Em uma viagem de palestras a Baltimore por volta de 1819-1820, Jeremy Cross, conhecido conferencista maçônico, recebeu o grau de Eckel e o espalhou por toda parte.

A história maçônica agora fica um pouco confusa quando tentamos conectar o Grau de Mestre Real e Mestre Seleto. Eckel recebeu o Grau de Mestre Real em 1819 – nove anos após conferir o Mestre Seleto, mas que foi conferido em uma Loja do Arco Real. Alguns estudiosos afirmam que, na verdade, foi Jeremy Cross quem os reuniu em 1818 ou 1823.

Agora também sabemos que Eckel recebeu o grau de Mestre Seleto de um homem chamado Henry Wilmans, um Past Master de uma Loja em Charleston, Carolina do Sul (mais tarde a ser Mestre fundador de uma Loja em Baltimore). Wilmans, ao que parece, era um Inspetor Geral de Rito Escocês da Europa, e foi esse poder que lhe permitiu conceder o Grau de Mestre Seleto à Eckel em Baltimore em março de 1792. Isso nos leva à:

Teoria do Rito Escocês:

Parte do primeiro Rito de Perfeição (25 Graus) foi o 5º Grau, denominado o “Cavaleiro da Águia ou Mestre Seleto”. Morin e seus sucessores, Francken (Charleston, 1762 e Albany, Nova York 1767) e Moses Hayes de Boston (1768) foram os primeiros proponentes não apenas do REAA, mas também dos “Graus Crípticos” em Charleston, em 1802, eles emitiram um manifesto delineando os graus para os quais eles reivindicaram jurisdição. Declarou: “A maioria dos inspetores está na posse de uma série de graus destacados dados em diferentes partes do mundo e que geralmente se comunicam sem custo para aqueles irmãos que possuem graus o suficiente para entendê-los como o Mestre Seleto dos “27”. Resumindo, tal é a reivindicação do Rito Escocês à origem e controle sobre os graus Crípticos. É apoiado pelo fato de que seus membros, alguns dos quais eram inspetores (por exemplo, Cohen, Jacobs e Lowndes), realmente conferiram os graus e em todos os casos o primeiro registro de conferir o Mestre Real ou o Grau de Mestre Seleto indica que foi conferido por um membro do Rito de Perfeição. “

Então o que aconteceu que eles não estão tão associados hoje? De acordo com a maioria dos estudiosos, foi por causa de uma divergência nas fileiras do REAA, Jurisdição do Norte entre J.J.J. Gourgas e Joseph Cerneau, que viram que Lowndes, mais influente tanto no Rito de York quanto nos graus Crípticos, ficaram do lado de Cerneau, e os Graus foram na verdade permanentemente exportados para o Rito de York, em 1818.

Bibliografia

Van Doren, Richard- “An Encapsulated History of Cryptic Masonry in Europe and the United States”

Coil, Henry Wilson – “Enciclopedia Maçônica Coils”

Chase, Jackson H.- “The Textbook of Cryptic Masonry”

Mackey, Albert G.- “Cryptic Masonry- A Manual of the Council or Monitorial Instructions in the Degrees of Royal and Select Master”

Retirado e traduzido de:

https://www.crypticmasons.org/9-news/185-some-aspects-of-the-theories-in-the-development-of-the-cryptic-degrees

Rodrigo de Oliveira Menezes

M.'.M.'. da Loja Amizade, Trabalho e Justiça nº 36, Or.'. de Umuarama, filiado ao Grande Oriente do Paraná, exaltado ao Sagrado Arco Real pela GLPR e filiado a mais 5 corpos Superiores distintos (SC33PR, MEGCMARRFB, MIGCMRSRFB, SCFRMB e GCKFRMB-PR).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *