As Escolas Arcanas

As chamadas Escolas Arcanas foram as primeiras formas de organização da transmissão de conhecimento dos “mistérios” da vida que se tem registro. Essa prática que se baseava no ensino oral principalmente, ou o chamado conhecimento tácito, fazia parte da própria organização social das antigas tribos que habitavam o mundo. Seria prático apenas citar povos antigos, mas ao aprofundarmos o olhar sobre essas civilizações vemos o quão rica era sua cultura e quão próximos ainda estamos de seus ensinamentos.

Desde a antiguidade do fato de que nos mais antigos tempos históricos havia um sistema generalizado de três graus de Teosofia entre as pessoas irremediavelmente separados.

Sobre esse assunto, recomendo o excelente livro The Arcane Schools do autor e pesquisador John Yarker, ainda sem tradução para o português, que serviu de base para o presente texto.

Os “Finlanders”, ou “Finns”, parte da tribo antiga nórdica que deu origem a nação Finlandesa, desde os tempos mais antigos até os dias de hoje tiveram um sistema mágico de três graus conforme nos diz Lenomart em seu livro intitulado a “Magia Caldeia”,   são denominados Tietajat (aprendizes), Asaajat (inteligente),  Laulajat (encantadores). Na Babilônia foram denominados Khartumim (conjuradores), Chakamim (médicos), e Asaphim (teosofos).

Há ainda na Índia tribos dravídicas (família linguística que inclui cerca de 21 idiomas incluindo as quatro línguas litúrgicas (tâmiltelugucanarês e o malaiala) faladas principalmente no sul da Índia e nordeste do Sri Lanka.) que possuem um sistema mágico semelhante ao das raças Finnic e babilônica, e eles praticam um sistema de iniciação secreta que alegam terem herdado antes da invasão no centro da Índia pelos arianos, uma conquista ocorrida há milhares de anos, mas que propositadamente se absteve de seguir datas históricas europeias. Seus graus são Najo (bruxas e bruxos), Deoni ou Mati (assistentes), e Bhagat (adivinho). Diz-se que no grau de Bhagat o mestre passa por uma parte da iniciação a sós com o aspirante, e que a cerimônia seja concluída durante a noite com um cadáver, perto de um pouco de água.

Entre estas tribos antigas, estão a tribos Gonds, uma tribo indiana, de origem Dravidiana ,que nos primeiros tempos chegou a um alto grau de cultura, na cidade de  Chanda estão as ruínas de um palácio e cidade com uma rede perfeita de passagens subterrâneas, que nunca foram exploradas pelos europeus, e que levam a uma série de salões onde conclaves secretos eram anteriormente realizadas. – “O Kneph ,” v, p. 40 Ver também o papel do Sr. Ed Ewen (que morou vários anos entre essas pessoas) em “Cinco Anos de Teosofia.” Mr. James Ferguson, FRS.

A derivação da palavra Gond é incerta. Segundo alguns, ele pode ter vindo de “khonda” que significa colina.  Gerald Cunningham, etnólogo, especulou que ele pode vir de Gauda, ​​um outro nome para leste Uttar Pradesh e Bengala. Na verdade, os Gonds chamar-se Koitur ou Koi. Eles são a maior tribo dravidiana. Historicamente, eles foram o mais importante grupo de tribos indígenas originais.

 

Uma palestra do Instituto Bengala sustenta que os ocupantes originais da Índia eram uma raça turaniana de construtores que também habitavam em árvores e eram adoradores serpentes, e que os habitantes Pelasgios da Grécia possuía as mesmas características, no caso, antes das invasões arianas e conquista desses países. A compreensão completa destes fatos é a chave para muito do que é intrigante na transmissão da Maçonaria e os Mistérios.

Um dos primeiros reis acadianos ( povo que se originou de tribos semitas que habitavam o norte da Mesopotâmia a partir de 2400 a.C.)  Lik-baga era um construtor de pirâmides e, como Melquisedeque, rei e sacerdote do Altíssimo; ele usa como título o termo Pa-Teshi, que é, assim, traduzido literalmente Paungir, te – pedra angular, shi – à greve; e o mesmo termo é usado por seus sucessores. Patassó é um martelo, e o termo Patoeci foi a designação habitual das imagens dos deuses dos Mistérios Cabiricos. Sobre esses mistérios, Blavatsky indica que “o Cabiri ou Kabirs correspondem a divindades e deuses muito misteriosas entre as nações antigas, incluindo Israel, alguns dos quais (como Tera, pai de Abraão) adorava-os sob o nome Terafim. Entre os cristãos, no entanto, são agora demônios, embora Arcanjos modernos são a transformação direta desses mesmos Cabiri.  De qualquer forma, como você pode ver a ideia está relacionada a essas inteligências ou forças primitivas civilizadores dos seres humanos, aqueles que permitem que os seres humanos se distingue das outras espécies do planeta e definir-se como o governante do mesmo.

 

Os gregos associam essa ideia as forças titânicas (antes dos deuses), e especialmente as destinadas a dar os seres humanos ensino e conhecimento dos poderes superiores, o melhor exemplo disso é o mito do Titan Prometheus. Outro termo utilizado por estes reis, é Pa-Teshi tsi-ri, o qual é traduzido “mestre sublime” pelo Dr. Schrader, um importante estudioso de línguas, e também relaciona-se com um martelo, ou o martelo cabirico (metalúrgico)  na mão de Tubal-Caim ou o Vulcan grego. Com os Acadianos, o deus das forjas tinha o mesmo nome que o deus dos ferreiros entre os lapões, e as palavras “ferro” e “cobre” são os mesmos.

Há graus de aprendizado gradual , que são ensinados por brâmanes de diferentes níveis de conhecimento, e estes novamente por ascetas ou Mahatmas de diferentes graus de sabedoria espiritual. Os budistas do Tibete reconhecem quatro graus de progresso espiritual; E entre as seitas muçulmanas da índia, da Pérsia e da Turquia, o sistema é por vezes de quatro, e com outros de sete graus. Muito disso é falado misticamente e com sigilo, e tem suas contrapartes no lado esotérico da Maçonaria.

Há uma doutrina simbólica ensinada pelos brâmanes aos seus discípulos com respeito à construção de seus templos, e dada oralmente; Seu símbolo básico é o triângulo equilátero, o primeiro canto representa o nascimento, a próxima morte e o ápice da imortalidade ; As quatro paredes, o piso, etc., são típicos de seu ensino doutrinário; A entrada deve ser tanto para o sul quanto para o oeste, para que o adorador possa enfrentar o norte onde se diz que os deuses residem e de onde vem o conhecimento, ou o leste de onde os ritos e cerimônias são derivados; O corpo do templo representa o nosso corpo humano, e a imagem central, que tem o seu emblema, muito parecido com os “Selos” dos Rosacruzes, simboliza o nosso próprio jivatma , ou espírito imortal, mas os aspectos ou rostos só são explicados plenamente aos iniciados.

 

 

O pão e o vinho foram considerados o corpo e o sangue de Baco e o historiador Sr. St. Chad Boscawen (1900) anunciou que recebeu do Egito alguns papiros gnósticos  que relatam que por cima de um copo ou cálice, estas palavras aparecem em grego: “Isto não é vinho, este é o sangue de Osíris”, e sobre um pedaço de pão: “Isto não é pão, este é o próprio corpo de Osíris”. Isso prova que o espírito das Escolas Arcanas existia até os tempos cristãos.

Os Templos europeus de Mythras eram uma praça oblonga atingida por um Pronas no nível, a partir do qual alguns passos levaram ao templo real. A cada lado da entrada havia uma figura humana, uma das quais segurava uma tocha levantada e a outra uma tocha invertida. Bancos ocupavam os dois lados e, no final, o Altar, e além dele uma estátua de Mythras Tauroticus com o sol à mão esquerda do deus e a lua à sua mão direita.
M. Caumont, em seu magnífico trabalho sobre os Mistérios Mórdicos, dá um exemplo da escultura mitraica em Chesterholm. Trata-se de uma estrutura triangular encima da sobre a qual se esculpe, no topo, um pequeno círculo, por baixo de uma cruz de membros iguais, sobre um semicírculo ou crescente. Abaixo que um galo, e na esquina um duplo círculo com cruz no centro. O deus aparece frequentemente segurando um par de escadas. Ele cita um texto de São Jerônimo para provar que o Rito tinha sete graus e que o Mystae (Sacratus) tomou sucessivamente os nomes de Corvo, Oculto, Soldado, Persa, Courier do Sol (Heleodromus) e Pai. Há representações de quatro pequenos pães marcados com a cruz, representando sem dúvida o pão e a água que eles consagraram.  O leão, diz ele, é um emblema do fogo, ao qual a água é inimiga.

Pessoas notáveis, dos quais Pitágoras foi um dos primeiros e mais notável, viajou por todo o mundo conhecido, a fim de obter Iniciação nos mistérios dos países que ele visitou. A Sociedade que Pitágoras criou, bem como outras de data posterior, foi o resultado de uma tentativa de combinar em uma sociedade comum o conhecimento a ser obtido em todos os mistérios; curiosamente o mesmo princípio foi seguido na Maçonaria. A Sociedade de Pitágoras pode, assim, ser considerada o precursor das várias Escolas Arcanas que se seguiram à sua deterioração; ela tem a analogia mais próxima com a sociedade maçônica, e se olharmos para este ofício como um sistema primitivo, uma imitação antiga dos mistérios, ou um ramo ligeiramente alterada do Cabiri, poderemos igualmente esperar, para descobrir que existe a mesma doutrina, ou a mesma sabedoria que estava à base de todos os mistérios arcanos; e é isso que veremos como proceder; e, ao mesmo tempo, é uma das provas mais fortes que podemos esperar para ter da antiguidade da arte real.

Vamos agora investigar a natureza geral do cerimonial dos Mistérios de Elêusis  como uma representação justa do que foi ensinado nessas escolas. Eles consistiram em Mistérios Maiores e Menores para o qual havia uma preparação geral ou aprendizagem na forma de “uma preparação da juventude nas disciplinas apropriadas.” Entre a atribuição destas duas seções havia uma prisão preventiva que se estendia de um a cinco anos. O drama continua em linhas paralelas com o Ritual Egípcio dos Mortos , que se detém sobre as qualidades morais e espirituais, que são necessários nesta vida, que a alma pode obter justificação em um estado futuro. O livro apócrifo chamado de Sabedoria de Salomão parece descrever os terrores tártaros dos Mistérios, aplicadas às pragas do Egito.

O Rito de Pitágoras foi dividido em três classes ou graus ,de acordo com  Dr. George Oliver em sua “História da Iniciação” , afirma que a escola ou Academia de Platão, consistia igualmente em três graus com ritos de iniciação. O Rito de Pitágoras foi Exotérica ou pública no seu ensino, e Esotérico ou privada nas coisas destinados a seus discípulos, e uma regra semelhante era praticada pelos sacerdotes

egípcios. A primeira etapa do ensino esotérico foi um aprendizado de cinco anos de silêncio, que pode ser resumido em casos de mérito; o aspirantes foram denominados Mathematici ,porque o grau encarnada instrução nas artes liberais, e  o historiador Hippolitus nos informa que a Divindade era denominada “Grande Geômetra;” é interessante mencionar que os chineses denominavam a Divindade o “Primeiro Construtor”, e as fraternidades indianas a “Grande ou Construtor Divino.” Os irmãos avançaram para a segunda etapa onde foram denominados Theorilici , e aqui eles foram instruídos nos elementos da sabedoria divina. Seguiu-se a classe muito seleto de Electi , que eram mestres perfeitos. A Escola teve uma série de termos próprios , como por exemplo, “não Mexa o fogo com uma espada” – que aludia a capacidade de ter calma. “Abster-se de feijão” – ser casto. Tinha também os modos secretos de reconhecimento. Seu amor fraternal foi muitas vezes exemplificado de forma mais notável, e sua devoção à Sociedade, e suas leis, com o sacrifício da própria vida. ”

Temos aqui um exemplo da maneira pela qual Platão emprega Geometria para transmitir instruções, mas em sua segunda epístola de Dion, ele emprega círculos concêntricos ao discurso sobre a triplicidade divina de Agathos, Logos, e Psique – sabedoria, mente, vida – – Pai, a Palavra, e o Espírito. Ele diz:.  “Você me informa que a natureza do Primeiro não foi suficientemente revelado a você, devo escrever para você em enigmas, em ordem, se a minha carta for interceptada, seja por mar ou terra, o leitor não poderá entendê-la.  Todas as coisas são ao redor do rei , todas as coisas existem por causa dele, e que é a causa de todas as coisas excelentes. Em torno da segunda são as coisas secundárias. Em torno da terceira são a terceira classe de coisas. As almas humanas devem se esforçar para aprender a natureza destes, olhando para o que é homogêneo com ele mesmo ,e, consequentemente, refletir na imperfeição. . A maior precaução deve ser observada, para não escrever, mas para aprender de boca em boca, Razão pela qual eu nada tenha escrito sobre tais temas; nenhum desses livros meus existe, nem nunca deve ” Proklos em seu comentário sobre este diz: ‘ O Demiurgos ou criador é triplo, e os três intelecto são os três reis, Aquele que existe, Aquele que possui, Aquele que contempla’. vários escritores dão a seguinte passagem apropriado, sob a autoridade de Suidas: “Thulis rei do Egito, assim, foi para o Oráculo de Serapis: ‘Tu que és o Deus do fogo, e governastes o curso dos céus, me diga a verdade, existe alguem tão poderoso como eu?’ Ele foi respondido: ‘primeiro Deus, então a Palavra (Verbo), e do Espírito, todos unidos em um. Vá, portanto, ó! mortal, cuja vida é sempre incerta. ‘” E saindo dali, os sacerdotes realizaram a ameaça implícita, cortando a garganta do Thulis egoísta.

Vemos, portanto que a herança maçônica não é tão desconhecida assim, e que irremediavelmente por questões culturais temos a tendência de limitarmos nossas pesquisas a antiguidade que em nossa visão ocidental infelizmente limita o termo “antiguidade” a Grécia Antiga, inocência nossa acreditarmos que esse conhecimento foi concebido por Deuses e não absorvido de culturas mais ricas em conhecimento.

Interessante notar também, que além do pensamento comum, a organização do conhecimento em etapas graduais é bem mais antiga que os antigos construtores de catedrais, e a importância que se era atribuída para a transmissão dos conhecimentos de forma oral, a fim de preservar o sigilo dos mistérios e desenvolver a memória e absorção daqueles envolvidos no processo de aprendizagem, algo que com certeza poderíamos a valorizar em nossos tempos envoltos de papéis e demasiada burocracia em nossas instituições que a principio visavam melhorar sociedade pela prática das lições obtidas nessas antigas escolas arcanas e hoje.. para quê mesmo ?

Bruno Oliveira

Mestre Maçom da Loja Amizade, Trabalho e Justiça, Oriente de Umuarama/PR filiada ao GOP - COMAB. Senior Demolay e Past MC do Capitulo Umuarama nº133 da Ordem Demolay - SCODRFB. Sumo Sacerdote do Capitulo Umuarama nº 43 de Maçons do Real Arco filiado ao Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Membro Fundador do Conselho Zohar filiado ao Supremo Grande Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

Deixe uma resposta