Etologia Maçônica: As lições dos Animais

Você caro leitor, já deve ter se deparado com comparações analógicas com os comportamentos de animais e plantas. “ Seja forte como um touro” “Firme como um carvalho” “Olhos de águia” e outros termos e jargões populares.

Gn 49:3-4 3 Rúben, tu és meu primogênito, minha força e as primícias do meu vigor, o mais excelente em altivez e o mais excelente em poder. 4 Impetuoso como a água, não serás o mais excelente, porque subiste ao leito de teu pai e o profanaste; subiste à minha cama.

Pressente também na simbologia das 12 Tribos de Israel:

Gn 49:21 Naftali é uma gazela solta; ele profere palavras formosas. Dt 33:23 De Naftali disse: Naftali goza de favores e, cheio da bênção do Eterno, possuirá o lago e o Sul.

Gn 49:27 Benjamim é lobo que despedaça; pela manhã devora a presa e à tarde reparte o despojo.

Dt 33:12 De Benjamim disse: O amado do SENHOR habitará seguro com ele; todo o dia o SENHOR o protegerá, e ele descansará nos seus braços.

Estandarte da Tribo de Benjamin

Encontramos nas Sagradas Escrituras, e aqui me refiro a todas independente da religião, remetem também a essa simbologia com a natureza, seja nos estandartes das 12 tribos de Israel, o messias sendo Leão de Judá, ou nos Deuses-animais da religião hindu como Ganesha.

Muitas pousadas ou tabernas carregaram e ainda carregam nomes que são total ou parcialmente os de plantas e animais. As Lojas fundadoras em 1717 estavam se reunindo em tais casas em Londres: o “Ganso e a Grelha “, a “Maçã-árvore” e afins.

Levaria muito tempo e espaço para listar os lojas atuais que herdaram de tais fontes ou escolheram para si próprios um nome associado a uma planta ou a um animal. Alguns são: Carvalho, Noz, Arboreto, por um lado; Colméia, Leão, Cisne, por outro, são apenas exemplos.

Galo, representando a vigilância

O autor Brown (1998) diz que não deve ser esquecido que uma águia é mencionada no ritual Craft, ‘Roman Eagle’, ao discutir a antiguidade ou o emblema de um Maçom. Esta derivação vem do emblema carregado pelos reis primitivos de Roma – um cetro de marfim encimado por uma águia. Isso foi incorporado na bandeira das legiões do Império Romano.

O velo dourado da mitologia clássica era a pele de um cordeiro maravilhoso, guardado por um dragão.

De toda a fauna e flora relacionadas a uma Loja Maçônica, a pomba e seu ramo de oliveira são provavelmente os mais vistos. Com poucas exceções, este é o emblema dos diáconos. É quando eles são investidos com suas joias que “a pomba com um ramo de oliveira” tem seu único lugar no ritual. O mesmo emblema aparece em cima de uma varinha de diácono.

O simbolismo é originário da Sagrada Escritura, onde lemos que uma pomba foi liberada da Arca por Noé, mas “não encontrou descanso para a sola do pé dela e ela voltou; a segunda vez que ela voltou e, na boca, uma folha de azeitona caiu fora, enquanto a terceira vez ela voltou a ele novamente. (Gênesis 8: 8-12). Desta forma, a pomba e seu ramo de oliveira possuem o duplo simbolismo do mensageiro (da pomba), bem como a pureza, paz e inocência (do ramo de oliveira).

O fruto da oliveira também está conectado com o ritual maçônico, pois o seu óleo foi usado para pagar certos trabalhadores empregados na construção do Templo do Rei Salomão. Também é usado na Consagração de uma nova pousada, como símbolo de paz e unidade.

Há uma grande confusão sobre o arbusto associado à descoberta da sepultura de Hiram, mas é muito provável que tenha sido cássia e não acácia. A planta de cassia (uma espécie é Cassia acutifólio) foi introduzida na Europa no início do século XVIII no momento em

 

que o ritual estava se desenvolvendo. A Maçonaria de Samuel Prichard Disseced (1730) e as Constituições de Anderson de 1738 mencionam a cássia em vez da

acácia em relação ao túmulo. Por outro lado, as fontes francesas disponíveis indicam que já se estabeleceram para “um ramo espinhoso chamado acácia”. Não podemos ser precisos quanto ao momento em que a mudança começou, mas na União de 1813 foi resolvido que a acácia deveria ser a palavra para o uso ritual e, eventualmente, a cássia não era mais vista.

Vale a pena mencionar que Acacia scyal é o Shittah (plural Shittim) de Êxodo 25:10, a madeira da qual a Arca da Aliança e o Tabernáculo foram construídos.

Para alguns, a Cassia é “a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal” e “a Árvore da Serpente”. Os egípcios reverenciaram a acácia e usaram-na para fazer coroas funerárias. A legenda conecta-a, com outras plantas, à madeira da cruz de Cristo, a sua coroa de espinhos e a mata ardente. Há muitos aspectos do simbolismo da acácia e, com outras plantas, por exemplo, alecrim, caixa, mirto e salgueiro, reflete a crença na ressurreição.  A Phoenix Lodge of Honor e Prudence, em seu ritual único, refere-se a acácia como significando inocência ou liberdade do pecado. Parece florescer e florescer em seu lugar como se dissesse: ‘0, De, athonde está sua picada? 0, Grave, onde está a sua vitória? e assim simboliza a imortalidade.

O milho, com vinho e óleo, era um salário semanal para alguns dos operários do Templo do Rei Salomão.

Os animais chegaram a ser adorados nas religiões primitivas, e sua relação é explicita em horóscopos em diversas culturas,  e as características dos animais e plantas neles contidos atribuídos aos humanos nascidos nos determinados períodos.

 

Esse conhecimento foi organizado por Jung, ao estudar os símbolos, viu que os animais era utilizados como Arquétipos das antigas civilizações.

Para Jung:

• A imagem do animal simboliza a natureza primitiva e instintiva do homem.
• Formas animais designam movimentos e experiências psíquicas, que surgem frequentemente nos sonhos e em outras manifestações do inconsciente.
• Quanto mais primitivo o animal, mais profundo o extrato do inconsciente que ele representa.
• Conteúdos das camadas mais profundas da psique tornam-se mais difíceis de assimilar, pois estão mais afastados da consciência comum.(Ex.: cavalo e cobra)
• A maneira pela qual os animais nos aparecem nos sonhos e desenhos indica a nossa atitude em relação ao inconsciente.
• Simbolismo associado a um animal baseia-se em seus atributos naturais; as associações do sonhador com o animal são relevantes

.

Horoscopo Nativo Americano

A psicologia Junguiana, bebeu da sabedoria do ramo da biologia conhecido por Etologia. Uma ciência recente com origem na Europa por volta de 1930, cujos fundadores são Konrad Lorenz e Nico Tinbergen. Em 1973 os dois receberam o prêmio Nobel de Medicina por suas descobertas e pressupostos para explicar o comportamento animal.

Como por exemplo o observado altruísmo do Morcego:

Hamilton para o “altruísmo» genético não conseguiu, no entanto, resolver o problema dos comportamentos “altruístas” entre animais não aparentados. Como compreender, à luz do modelo da vantagem inclusiva, que um animal ajude ou se sacrifique por outro com o qual não tem nenhuma ligação genética? Foi Trivers quem, em 1971, ofereceu uma explicação para estes comportamentos: os genes para o comportamento “altruísta” poderão ser seleccionados se os indivíduos forem diferencialmente “altruístas” com aqueles que foram “altruístas” consigo próprios. Os morcegos-vampiro, por exemplo, partilham o alimento recolhido durante a noite com os congéneres que não tiveram oportunidade de sugar a sua própria ração de sangue. Como este comportamento é comum ao grupo, o indivíduo pode contar que, em situação análoga, será igualmente alimentado e poderá assim sobreviver. O receptor pode ser um parente, mas pode ser também um adulto não aparentado. Observou-se que os grupos de morcegos são estáveis, e que há um reconhecimento individualizado entre os seus membros, o que faz com que o receptor seja identificado e, mais tarde, solicitado por sua vez para uma dádiva de sangue. Este tipo de «altruísmo» foi chamado de «altruísmo» recíproco ou condicional e permitiu explicar uma quantidade apreciável de comportamentos cooperativos dos animais que vivem em sociedades.” (Etologia e psicologia evolutiva: perspectivas evolutivas para a psicologia clínica , 2010 ) 

Mas para agradar a gregos e troianos, temos a parte mais mística relaciona ao simbolismo dos animais, os Animais de Poder. Os animais compartilham conosco o privilégio de ter uma alma – Pitágoras

O conceito de “Espirito Animal” tem suas origens das antigas crenças animistas e tolísticas sobre o mundo e nossa conexão com ele.

O totêmismo, um sistema de crença praticado pelos índios nativos americanos e os aborígenes australianos, por exemplo, incorpora a noção de que cada ser humano tem uma conexão espiritual com outro ser físico (por exemplo, uma planta ou animal). O povo Kpelle da Libéria, por exemplo, possui fenômenos de animais, plantas e fenômenos naturais (vento, chuva etc.) que pensam guiar e proteger suas pessoas. Os seus totens também são pensados ​​para ser uma forma de alter ego, ou segundo self.

O animismo, por outro lado, é mais uma visão de mundo de muitos grupos de pessoas budistas, xintoístas, pagãs e neopagan, que todas as plantas, animais e objetos possuem espíritos.

Os chamados Animal de Poder no Xamanismo, é um termo arquétipo, ou manifestação simbólica, manifestação de Forças Interiores que atua como Guia ou Mentor, uma energia, uma forma que representa nossa personalidade ou comportamento (Espírito Animal / Totem). Eles aparecem para chancelar o que você está vivendo no momento, ou para alertar sobre a mudança necessária que devemos realizar em nossas vidas.

 

 

Mas o que é Arquétipo?

É o primeiro modelo ou imagem de alguma coisa, antigas impressões sobre algo. É um conceito explorado em diversos campos de estudo.
É a imagem perfeita de uma ideia primordial que nos é inerente desde que nascemos.
É a estrutura básica primária que símbolos que nos influenciam a vida inteira.

Vejamos alguns abaixo:

““Cavalo” é um arquétipo amplamente presente na mitologia e no folclore. Enquanto animal, representa a psique não humana, o infra-humano, a parte animal e, por conseguinte, a parte psíquica inconsciente; por este motivo encontramos no folclore os cavalos clarividentes e “clariaudientes”, que às vezes até falam. Enquanto animais de carga, a sua relação com o arquétipo da mãe e das mais próximas (as valquírias que carregam o herói morto até Walhalla, o cavalo de Tróia, etc.) Enquanto inferiores ao homem representam o ventre e o mundo instintivo que dele ascende. O cavalo é “dynamis” e veículo, somos por ele levados como por um impulso, mas como os impulsos está sujeito ao pânico, por lhe faltarem as qualidades superiores da consciência. Tem algo a ver com a magia, isto é, com a esfera do irracional, do mágico, principalmente os cavalos pretos (os cavalos da noite), que anunciam a morte.”(Carl Gustav Jung. C.W. XVI $ 347).

“Assim sendo, o “cavalo” é um equivalente de “mãe”, com uma tênue diferença na nuança do significado, sendo o de uma, vida originária e o de outra, a vida puramente animal e corporal. Esta expressão, aplicada ao contexto do sonho, leva à seguinte interpretação: A vida animal se destrói a si mesma.”(Carl Gustav Jung.C.W. XVI $ 348).

Ø O nosso irracional, o inconsciente é a mãe do racional, a consciência. Segundo Jung, o sonho não está falando da morte da sonhadora, ele está indicando uma doença orgânica grave, com desfecho letal. O prognóstico acabou sendo confirmado.

De um modo geral, a figura do cavalo designa a força vital animal do homem, também, muito associada a “mãe”.”Como o cavalo é o animal de montaria e de trabalho do homem e este até mede a energia em ‘forças de cavalo”, o corcel significa uma quantidade de energia à disposição do homem. Ele representa assim a libido que penetrou no mundo”.(Carl Gustav Jung.C.W. V. $ 658)

Castor – Construtor. O castor trabalhar em cooperação para construir a sua casa e isto nos ensina que podemos criar e satisfazer com muito mais poder quando todos envolvidos em questão podem apreciar os talentos de cada um e trabalhar junto em harmonia.

Cisne – Graça. Os cisnes nos ensinam a confiar na graça de nosso ser à medida em que ela opera nos planos físicos e espiritual e nos coloca para nos deliciarmos com os dons de nossos corpos físicos e nossas mentes intuitivas.

Cobra – Transmutação, cura, regeneração, sabedoria, psiquismo, sensualidade. Como as cobras deixam para trás a sua pele, nós podemos deixar para trás as nossas ilusões e limitações para usarmos plenamente a nossa vitalidade e desejos para alcançar a totalidade.

Coruja – Habilidades ocultas, visão interior; ou ainda, ver na escuridão, a vigília, a sombra, sabedoria antiga e clarividência. A coruja possui a habilidade de ver coisas que as vezes nos escapam. O dom deste remédio é não nos enganarmos com as aparências externas e descobrir a verdade por trás delas.
Ela é a criatura da noite e da escuridão. Está ligada ao mundo desconhecido e escondido dos espíritos. Representa nossa mente sub-consciente e com o oculto. Também está associada com a Lua e superstições. Alguns nativos americanos se referem à coruja como a águia da noite. Outros vêem a coruja com suspeita e medo. Ela é um bom augúrio para aqueles que estão sintonizados com alguma religião.
Se você tem a coruja como o animal de poder, sua mensagem é prestar atenção em seus sonhos e sentimentos. Questionar os seus medos e agir com intuição. Focalize em suas intenções e mova-se em direção as seus objetivos. Mantenha-se em silêncio e conserve sua energia para o momento certo de agir. Se você está enfrentando algumas incertezas e problemas, aquiete-se para poder enfrentar os seus medos e confusões. Evoque a coruja para ajudá-lo com o discernimento e conhecimento. Não tenha medo do escuro e do desconhecido. Explore seu mundo interior com confiança. Trabalhe para desenvolver clarividência. Faça uso de rituais e de influências da Lua para gerar poder e promover mudanças positivas.

Corvo – Curiosidade, inteligência, observação, visão e comunicação. O corvo é um mestre em mudanças e movimento. Ele é destemido e o guardião de coisas ocultas e sagradas. Ele é o interprete do desconhecido. Ele está sempre vigilante, observando tudo à sua volta. Existe algo do trapaceiro no corvo, eles são os piores fofoqueiros na natureza e não podem manter um segredo. Na mitologia Apolo tinha um corvo como mensageiro. Naquela época, todos os corvos eram brancos mas eles ficavam tão satisfeitos em dar notícias ruins que Apolo se cansou deles e os transformou na cor preta como a noite. Quando ele entra em sua vida, é hora de prestar atenção nos sinais, símbolos, profecias e sonhos. Faça as pazes com sua sombra. O corvo é atraído por objetos brilhantes. Nem tudo que brilha é ouro. Não se apodere do que não é seu mas sempre esteja preparado para tirar vantagens de oportunidades escondidas. Confie em sua intuição e integridade pessoal.

Esquilo – Preparação, planejamento, adaptabilidade e conservação. O esquilo nos ensina a planejar e nos prepararmos para o futuro. Não use todas as suas reservas. Devemos sempre guardar alguma coisa para nos servir em tempos ruins. Prepare-se também para as mudanças periódicas. Entretanto, se você estiver acumulando coisas, livre-se delas. Faça um inventário. Procure saber onde você está gastando. Pode ser uma boa hora para se afastar um pouco de todos.
O esquilo não só nos ajuda a nos livrarmos de objetos físicos desnecessários como também de crenças negativas que minam nossa confiança no amor e abundância.

Falcão – Precisão, memória remota, coragem sabedoria, iluminação, preces ao Universo, mensageiro, olhar em volta, observar a distância e atenção ao detalhe. O falcão nos ensina a sermos observadores e a prestarmos atenção em coisas que estão passando desapercebidas. Os falcões podem avistar uma presa do tamanho de um coelho à 3 kms de distância. Este pode ser um talento que não usamos, uma benção pela qual não expressamos gratidão, ou uma mensagem dos espíritos.

Gato – Entendimento sobre mistérios, sensualidade, limpeza, visões místicas, independência, completude. O gato é um animal que combina um alto grau de sensualidade com uma natureza profundamente psíquica e espiritual. Ele nos lembra que os mundos espirituais e físicos não são separados, mas um só. Observe quando o seu gato não chega perto de alguém. Talvez é para você também não querer esta pessoa por perto.

Leão – Poder, força, majestade, prosperidade, nobreza, liderança, coragem, segurança e o princípio masculino. Como símbolo astrológico ele reina o coração. A coragem vem do coração e de um sentido profundo de autoridade pessoal que cria o poder para agirmos de acordo com o nosso espírito. Aquele que age verdadeiramente de acordo com seu coração é capaz de liderança, conquistas e o tipo de sucesso que encoraja as conquistas do outros. Ele é considerado o rei dos animais por não ter um predador natural e vive no topo da cadeia alimentar.

Lobo – Amor, relacionamentos saudáveis, fidelidade, generosidade, ensinamento e habilidades sociais. O lobo é um animal com inteligência social e sentidos extremamente apurados. Sua habilidade de sobrevivência depende totalmente da cooperação de sua matilha. Seu comportamento segue uma hierarquia que segue uma ordem de comando. Cada lobo sabe o seu lugar e suas responsabilidades. Eles possuem um método complexo de comunicação que envolve linguagem corporal e habilidades vocais. Se você possui alguma dificuldade em se expressar, tome algum tempo estudando os lobos. Eles lhe ensinarão a melhorar suas habilidades de comunicação verbal com uma linguagem corporal apropriada. Eles lhe ajudarão a alcançar seus objetivos por meio de campanhas cooperativas. Sua mensagem é o poder para ensinar e compartilhar informações.
Quando um lobo é visto no campo ele simboliza liberdade.Eles são muito amigos e possuem os sentidos extremamente evoluídos. Portanto, além de inteligentes possuem um excelente sentido de olfato, audição. Eles normalmente uivam para encontrar os outros membros de seu grupo ou para avisar outros de seu território.
Se um lobo entrou em sua vida, então é hora para compartilhar seus conhecimentos ensinando, escrevendo e dando palestras. O lobo sempre encontra uma maneira para aprender de algo corriqueiro e assim, nós podemos também descobrir novas verdades e compartilhá-las, ao explorarmos os caminhos escondidos de nossa consciência. Pode também estar sendo cobrado que você reexamine sua relação de dependência e independência. Por ter uma organização social muita desenvolvida, ele lhe ensina a equilibrar as necessidades de sua família e as suas próprias. Eles são muito leais e jamais abandonarão o grupo.

Pombo – Paz. A paz simbolizada pela pomba é da mais profunda. Ela acalma as nossas preocupações e pensamentos inquietantes e nos permite encontrar renovação no silêncio da mente.

Texugo – Agressivo, corajoso, pé no chão, perseverante confiável. Apesar de ser um animal noturno, ele é ativo dia e noite. Vive em tocas e por isso possui um excelente conhecimento das raízes sendo considerado o Guardião das Raízes.
É uma animal anti-social e não se comunica bem com os outros. Quando ele surge em sua vida é para lhe lembrar qua você deve ser mais sério em suas coisas. Defenda mais seus pontos de vista. Não é hora para fechar os olhos ou olhar para o outro lado.
Ele é um excelente antídoto para a passividade e a vitimização. Pare de ser negativo e temeroso. Assuma a responsabilidade de suas escolhas e não será mais uma vítima.

Urso – introspecção, intuição, cura, consciência, ensinamentos, curiosidade, histamina e renovação. O urso representa o lado Oeste da Roda Medicinal que é o lugar da intuição, transformação, introspecção, jornada xamânica, sonhos e visões. Ele nos ensina a ir para dentro para solucionar questões e promover curas. Vá sempre à sua Caverna de Inverno (mente subconsciente) para renovação e recursos necessários para sua sobrevivência e cura.
Ele nos ensina também a digerir nossas experiências internas e a descobrir que lá se encontra as respostas para nossas perguntas.

Veado – Gentileza, camuflagem, graça e atenção. Sua mensagem é o amor incondicional. Este animal lhe diz para usar menos força e não confrontar seu inimigo agora. É hora para compaixão e perdão. Aprenda a confiar. Tente algo novo, Não tenha vergonha de chorar. Passe mais tempo ao ar livre.
Somente o amor pode dissolver as barreiras que nos previnem de nossa total realização.

Animais Místicos..

Cavalo Alado – Elevação, transmutação, beleza, viagem astral, aventuras, mistério, fascínio.
b.. Centauro – Instinto animal, ligação homem-animal, anarquia, sexualidade, fertilidade, cura.
c.. Dragão – Potência e força viril, proteção Kundalini, calor, mensageiro da felicidade, senhor da chuva, fecundação, força vital.
d.. Elefante Branco – Força, bondade, escolha de caminhos, ligações extraterrestres, mistério.
e.. Fênix – Renascimento, fascínio, animal do Sol, imortalidade da alma, elevação, purificação.
f.. Sátiro – Libertinagem, divertimento, impulso sexual, instintos, fantasias sexuais.
g.. Unicórnio – Rapidez, mansidão, pureza, salvação, espiritualidade, inofensivo.

Uma visão interessante é retirada do artigo THE ORIGINS OF THe SPIRIT ANIMAL, TOTEM AND POWER ANIMAL:

Essa crença está no extremo oposto do espectro do homem moderno “refinado” e “cognitivamente desenvolvido” que acredita que ele é o mestre do mundo, e tudo está sujeito ao seu domínio. Não é de admirar que as florestas da Terra, córregos, oceanos, parques e vida selvagem sejam poluídos, saqueados e morrendo todos os dias. O homem desenvolvido “maduro” tem uma mentalidade tão doentia e pouco inteligente para a natureza que ele não cria nada além de destruição e morte onde quer que ele pisa.

Então, quem realmente tem a mentalidade primitiva aqui?

 

Aqueles que acreditam na presença de Espiritos Animais não só respeitam a flora e a fauna da terra como iguais, mas muitas vezes percebem o mundo ao seu redor como consistindo de uma e mesma energia universal. Isto é semelhante ao pensamento panteísta que acredita que o homem, a natureza e o animalitad são todas as manifestações de Deus.

O filósofo Baruch Spinoza concluiu pensamentos semelhantes sobre o mundo:

A mente de Deus é toda a mentalidade espalhada pelo espaço e tempo, a consciência difusa que anima o mundo.

 

Mesmo o físico famoso Albert Einstein foi considerado um panteísta depois de escrever uma carta a um amigo em 1954:

Nós, seguidores de Spinoza, vemos o nosso Deus na maravilhosa ordem e legalidade de tudo o que existe em sua alma, como se revela no homem e no animal.

Então, isso aumenta ainda mais a validade dos animais espirituais existentes em nossas vidas? No final, cabe a você decidir se os animais espirituais são meramente construções sociais primitivas ou se a sua longa história em muitos povos e culturas aponta para uma verdade mais alta e profunda.

 

Pelo caminho da ciência ou do misticismo temos a influência do comportamento animal no aprendizado e vida do homem. A crença é opcional, a força dessas entidades talvez  não, afinal a terra não mudou sua forma porque o homem descobriu ser redonda invés de plana, porem as leis físicas de sua forma sempre existiram independente da  efêmera convicção humana.

Os mais céticos dirão que somos mais evoluídos, em termos que a racionalidade cognitiva se tornou sinal de evolução, estando nossa sociedade em seu estado atual, temos condições de ensinar algo aos animais ? Fica para reflexão.

 

A ideia de renascimento para uma nova vida faz parte do aprendizado maçônico, há uma interessante passagem no filme Robin Hood (2010), no qual o pai do herói , um pedreiro operativo deixa sobre um bloco de pedra a seguinte frase:

 

 

“Levanta-se e ressuscita até que os cordeiros se tornem leões..”

 

 

Nota: A frase “Animal de Poder” refere-se à idéia xamânica de que certos animais (ou espíritos tutelares) podem nos capacitar fisicamente e psicologicamente. O Poder Animal, assim como o Animal Espírito, é pensado para nos prestar sua sabedoria, atributos e instintos nos momentos de necessidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

 

THE PLANTS AND ANIMALS OF FREEMASONRY  By Bro. Nigel D. Brown

http://simoneelhage.com.br/arquetipos/

BUSSAB, V. S. H.; Ribeiro, F. J. L. Biologicamente Cultural. Em M. M. P. Rodrigues, L. Souza, & M. F. Q. Freitas (Eds.), Psicologia: reflexões (in)pertinentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

Editora Unesp. Os fundamentos da Etologia. Disponível em: http://editoraunesp.com.br/index.php?m=1&codigo=103.

VIEIRA, Mauro L. Contribuições da Etologia para a compreensão do comportamento humano. 2005.

Etologia e psicologia evolutiva: perspectivas evolutivas para a psicologia clínica

THE ORIGINS OF THE SPIRIT ANIMAL, TOTEM AND POWER ANIMAL
 https://lonerwolf.com/spirit-animal-origin/

 

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Mestre Maçom da Loja Amizade, Trabalho e Justiça, Oriente de Umuarama/PR filiada ao GOP - COMAB. Senior Demolay e Past MC do Capitulo Umuarama nº133 da Ordem Demolay - SCODRFB. Past-Sumo Sacerdote do Capitulo Umuarama nº 43 de Maçons do Real Arco filiado ao Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Membro Fundador do Conselho Zohar filiado ao Supremo Grande Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

Deixe uma resposta