As Virtudes como Arquetipos Maçons

Esse artigo traz a tradução do texto escrito pelo Ir. James E Frey, 32°, Past Príncipe Soberano e bibliotecário atual do Vale de Danville AASR. Fundador da R.E.B.I.S Research Society, ele se senta em dois comitês de Blue Lodge Education, além de um professor convidado sobre ocultismo e estudos esotéricos em Maçonaria. Ele também é membro do Oak Lawn York Rite, Medinah Shriners e Golden Dawn Collegium Spiritu Sancti. Ele também trabalha como conselheiro com crianças desafiadas emocionalmente e com comportamentos.
Faremos uma leitura crítica de seu texto que se encontra abaixo em itálico. Afinal aqui nos cabe lembrar da Suma Teológica de Tomas de Aquino “… pois são quatro os sujeitos da virtude que estamos falando aqui, a saber: o racional por essência, que a Prudência aperfeiçoa, e o racional por participação, que se divide em três, ou seja, a vontade, sujeito da justiça; o apetite concupiscível, sujeito da temperança e o irascível, sujeito da fortaleza.” (Aquino, Tomás de. Suma Teológica. Iª IIªe, v.IV, Q. 61, a. 2. São Paulo: Loyola, 2004)

“Meus Irmãos, há muito creio que o que realmente faz um homem bom em nossa fraternidade é o nosso sistema do ritual de iniciação . Muitos homens podem estudar filosofia, mas é apenas através de uma iniciação que um homem pode experimentar a filosofia. Esta experiência molda a percepção individual da realidade do Candidato. À medida que todo evento configura a maneira como percebemos o mundo, a experiência ritual da filosofia moldará uma reação inconsciente a um senso de dever para uma alta conquista moral.
Outra razão pela qual acredito que o sistema maçônico produz uma mudança mais profunda é o uso de símbolos como um método para ensinar o candidato. Antes dessa nova educação liberal, que está em constante estado de mudança, foi desenvolvida pelos chamados especialistas. O homem aprendeu por milhares de anos através de símbolos e reconhecimento simbólico.
Como pedreiros, percebemos a importância em símbolos e como damos a certos símbolos energia psicológica para criar uma mudança dentro de nós mesmos. Para entender como os símbolos afetam nossas mentes, devemos olhar para eles em termos psicológicos. Uma das principais teorias psicológicas sobre símbolos e sua relação com o inconsciente é o trabalho de Carl Jung. Carl acreditava que existia um inconsciente recheado que unisse toda a humanidade; Dentro desse inconsciente coletado existe a forma perfeita dos arquétipos e a forma como nos relacionamos com eles é através da própria inconsciência individual. Deve-se notar que a inconsciência pessoal de alguém não pode começar a experimentar o inconsciente coletado, de modo que os arquétipos do inconsciente pessoal refletem os símbolos culturais em que o indivíduo vive.
Jung teorizou que cada indivíduo tinha um inconsciente pessoal que interpretava imagens universais encontradas em todas as culturas e religiões, estes eram considerados esses arquétipos. Jung teorizou que os arquétipos, ou imagens universais, são transmitidos através de memórias e existem no inconsciente coletado. Assim, os símbolos são usados ​​por nosso inconsciente pessoal para interpretar esses arquétipos para relacioná-los à mente consciente. É por isso que encontramos tantos personagens e temas semelhantes em todas as religiões, mitologias e cultura do mundo.
Jung acreditava que esses arquétipos também eram aspectos de nós mesmos e como nos relacionamos com símbolos eram como nos relacionamos com o mundo. Um dos arquétipos que Jung descreveu em detalhes era a anima. A anima era o símbolo feminino interior do homem. Foi como nos relacionamos com as mulheres de forma física, emocional, ambiental e espiritual.”

Aqui é importante elucidarmos sobre o que seria esses arquétipos:
O termo “arquétipo” tem suas origens na Grécia antiga, as palavras raiz são archein que significa “original ou velho” e typos que significa “padrão, modelo ou tipo”, o significado combinado é “padrão original” do qual todas as outras pessoas similares, objetos ou conceitos são derivados, copiados, modelados, ou emulados.
O psicólogo Carl Gustav Jung usou o conceito de arquétipo em sua teoria da psique humana, ele acreditava que arquétipos de míticos personagens universais residiam no interior do inconsciente coletivo das pessoas em todo o mundo, arquétipos representam motivos humanos fundamentais de nossa experiência como nós evoluímos consequentemente eles evocam emoções profundas.
Embora existam muitos diferentes arquétipos, Jung definiu doze tipos principais que simbolizam as motivações humanas básicas, cada tipo tem seu próprio conjunto de valores, significados e traços de personalidade, além disso, os doze tipos são divididos em três grupos de quatro, ou seja, Ego, Alma e Eu, os tipos em cada conjunto compartilha uma fonte de condução comum, por exemplo, tipos dentro do conjunto Ego são levados a cumprir agendas definidas pelo ego
Para saber mais sobre, acesse:

“Na Maçonaria, o Candidato experimenta o Anima através das quatro virtudes cardeais Temperança, Fortitude, Prudência e Justiça. Temperança representa a primeira etapa da Anima. Isso é interessante porque o primeiro estágio é representativo do amor físico. O pedreiro aprende a curvar essa paixão e mantê-la em limites devidos. O que acontece então é um equilíbrio psicológico que cria harmonia. Albert Mackey, 33 afirma que a lição de temperança é: “O pedreiro que aprecia adequadamente os segredos que prometeu solenemente nunca revelar, não ceder, ao grito do chamado irrestrito de apetite, permitir que a razão e o julgamento perdam seus assentos e sujeitem ele mesmo pela indulgência em hábitos de excesso “. p763
Isso é interessante porque, de acordo com os textos bíblicos proibidos, o sexo é apenas um pecado quando o homem não vê mais o espírito em uma mulher e ela se torna apenas um ser físico, desprovido de espírito na percepção do indivíduo. (Evangelho de Maria Madalena) Portanto, é preciso superar sua própria percepção de uma mulher como apenas seres físicos para estabelecer não apenas um relacionamento equilibrado e saudável, mas também uma visão saudável do lado feminino da vida.
Em um sentido mitológico, esse estágio é representado por Eva, que trouxe a sensação sexual ao mundo. Você notará que essa temperança derrama a água da vida em um cálice. Na análise dos sonhos junguianos, a água e a tigela são representativas da força psicológica passiva. Para perceber o aspecto feminino de nós mesmos, devemos perceber que esse aspecto feminino existe universalmente e é um elemento espiritual dentro de nós mesmos.r
Ou seja, ao não cedermos aos impulsos e vontades, preenchemos o vazio de nosso cálice com a virtude da temperança.
A questão central é : Seria o Maçom, virtuoso por conveniência ?

  1. A Fortitude representa o segundo estágio da anima que representa o amor emocional. Este é um passo acima do primeiro, esta representado na amante, esposa e parceira. Muitas vezes personificado nos tempos antigos como Afrodite, a deusa do amor dos gregos. Mackey escreve: “ensina-o a não deixar tremer nenhum perigo, não há dores que dissolvam a fidelidade inviolável que ele deve às confianças que lhe são depositadas” (P270). Isso simboliza as dores do amor emocional. Projetar os aspectos desejados de nossa psique em nosso parceiro causará, psicologicamente, dor emocional. Isso é porque projetamos irrevensivamente em nossos parceiros para incorporar esses arquétipos e não os aceitamos por suas falhas e humanidade. Você a vê olhando para o espelho; Jung diz que isso simboliza um problema em relação ao nosso senso de identidade. Devemos perceber a encarnar esses aspectos do desejo em nós mesmos e não buscá-los em um parceiro. Se não fizermos isso, estamos usando um relacionamento para preencher esse vazio dentro de nós mesmos. Isso nos impede de avançar psicologicamente. Mas, uma vez que aprendemos essa lição, aprendemos a tornar-se maridos melhores para nossas esposas e melhor apreciamos e compreendemos nossa devoção emocional a elas.”

Muitas vezes projetamos nossas expectativas na Loja Maçônica, Potência e Lideranças e caímos em decepção constante. Podemos manter a virtude maior com uma menor, como diz o escritor Guimaraes Rosa: “O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem..”

 

A Prudência é representativa da terceira etapa do ciclo anima, que é representativa da mãe. A prudência aparece com o capacete de um guerreiro que denota uma presença severa, mas protetora. A seus pés, ela nutre um arbusto, que mostra o grande ciclo da vida e a reprodução da força materna. Preston, outro escritor maçônico e filósofo escreve: “A prudência é o verdadeiro guia para a compreensão humana, e consiste em julgar e determinar com propriedade o que deve ser dito ou feito em todas as ocasiões, quais os perigos que devemos tentar evitar e como para agir em todas as nossas dificuldades “. Devemos aprender a perceber que nosso ambiente molda os aspectos femininos de nós mesmos à medida que avançamos psicologicamente. Porque é através da nossa mãe como moldamos nossa visão de todas as mulheres.
Este estágio também é representativo do desenvolvimento de nossos relacionamentos com nossa esposa com a de uma própria mãe. À medida que ela progride de um ser físico para um ser intelectual, para um ser amoroso, avançamos com ela aprendendo a amá-la de maneiras novas.
A última virtude do ciclo da anima é a quarta e a mais alta que é representativa de Sophia, a deusa da sabedoria para os antigos pitagóricos. Na Justiça da Maçonaria personifica isso. A justiça representa o feminino divino em todos nós, ela mantém o equilíbrio para mostrar que alcançamos o equilíbrio de nossas forças masculinas e femininas. Ela segura uma espada, que na imagem do sonho junguiano é o mais masculino de símbolos. Ela usa uma coroa em sua cabeça, que é representativa do direito de governar. Seus pés firmemente plantados no chão, o corpo ereto e verdadeiro. Mackey escreve: “Esta é a pedra angular sobre a qual ele pode esperar apenas erguer uma superestrutura homenageável para si mesmo e para a fraternidade”.

Justiça antes de poder era virtude…
O escritor e filósofo André Comte Sponville diz:
“A justiça não existe”, dizia Alain; “a justiça pertence à ordem das coisas que se devem fazer justamente porque não existem.” E acrescentava: “A justiça existirá se a fizermos. Eis o problema humano.” Muito bem – mas que justiça? E como fazê-la, sem saber o que ela é ou deve ser? Das quatro virtudes cardeais, a justiça é sem dúvida a única que é absolutamente boa. A prudência, a temperança ou a coragem só são virtudes a serviço do bem, ou relativamente a valores – por exemplo, a justiça – que as superam ou as motivam. A serviço do mal ou da injustiça, prudência, temperança e coragem não seriam virtudes, mas simples talentos ou qualidades do espírito ou do temperamento, como diz Kant. Talvez não seja inútil recordar este texto famoso: De tudo o que é possível conceber no mundo, e mesmo em geral fora do mundo, não há nada que possa ser considerado bom sem restrições, a não ser, apenas, uma vontade boa. A inteligência, a fineza, a faculdade de julgar e os demais talentos do espírito, qualquer que seja o nome pelo qual os designemos, ou então a coragem, a decisão, a perseverança nos desígnios, como qualidades do temperamento, são, sem dúvida nenhuma, sob muitos aspectos, coisas boas e desejáveis; mas esses dons da natureza também podem se tornar extremamente ruins e funestos, se a vontade que deve utilizá-los, cujas disposições próprias chamam-se por isso caráter, não é boa.
Através das virtudes, aprendemos como um aprendiz inserido como entender melhor nossas conexões com nosso lado feminino dentro do universo e de nós mesmos. Ao fazer isso, criamos um equilíbrio psicológico de nossas forças ativas e passivas. Isso nos equilibra emocionalmente, bem como mentalmente. Como um pedreiro, somos encarregados de ser um bom marido, é dentro das virtudes que aprendemos a desenvolver nossa conexão com nosso parceiro de forma física, emocional, mental e espiritual. Esses símbolos desenvolvem a forma como nosso inconsciente pessoal interpreta o arquétipo do Anima e nos ajuda a desenvolver nossa consciência para um plano de existência mais alto.
O grande vilão na pratica das virtudes é a conveniência. Muitos praticam a maçonaria e em consequências as suas virtudes quando lhe é conveniente. O livro “Eros e Civilização” do filosofo Hebert Marcuse, aborda bem essa questão. Ele analisa como a atual sociedade e seu ímpeto pela “fetichização” do consumo, onde o prazer de consumir esta acima de tudo, a busca pela satisfação dos próprios desejos mesmo que condenáveis guia a atual sociedade que deixa a ética e valores no jarguão “para inglês ver”.
“Mas eu não penso assim” – dirão os maçons que fogem da autocritica, mas cedem a fetichização do consumo dentro da própria instituição, a preocupação demasiada com a subida de graus por exemplo, em detrimento do aprendizado significativo que é o cerne da Maçonaria. Vamos mais além, dominar sete artes que compunham o Trivium e o Quadrivium. Na idade média, foram as disciplinas essenciais para quem pretendesse o sacerdócio ou qualquer lugar na hierarquia eclesiástica.
O trivium que significa “o cruzamento e articulação de três ramos ou caminhos”, é composto por três artes que proveem disciplina à mente, para encontrar expressão na linguagem. O quadrivium que significa cruzamento de quatro ramos ou caminhos. É uma importante prerrogativa para o maçom se tornar apto a ser considerado Mestre não é mesmo? Porém quantos de nós consegue dizer significativamente algo tendo uma base de conhecimento solida nessas artes? Se o conhecimento maçônico é a assimilação do que está no ritual, e as 7 artes liberais estão neles, o que explicaria a falta de conhecimento sobre essas áreas ?
Algo desvia a atenção do Maçom da sociedade atual, que se afasta das virtudes e do conhecimento que jurou ser guardião. Luta-se contra a tirania, que antes guardava os conhecimentos, hoje que ele é acessível, só queremos pão e circo.

O centro da ética socrática é o conceito de areté, virtude. É virtude num sentido distinto do usual, e que se aproxima mais daquele que tem a palavra quando se fala das virtudes das plantas ou de um virtuoso do violino. A virtude é a disposição última e radical do homem, aquilo para o qual nasceu propriamente. E essa virtude é ciência.

O homem mau o é por ignorância aquele que não segue o bem é porque não o conhece, por isso a virtude pode ser ensinada (ética intelectualista), e o necessário é que cada qual conheça sua areté. Se o Maçom, conhecendo as virtudes e nao as praticando esta comentando os chamamos de iniqüidade, que e tornar normal o que é pecado, e não sentir culpa pelo pecado cometido, e nao usamos aqui a definição de pecado em sentido religioso mas sim moral.
Não há atrocidade pior para os antigos filósofos gregos do que destruir conceitos de ideias sem construir ou dar bases para novos conceitos. Tal conceito está na maiêutica socrática tem como significado “dar à luz”, “dar parto” , “parir” o conhecimento (em grego, μαιευτικη — maieutike.

Como ferramenta prática apresentamos A Roda das Virtudes, permite visualizar as virtudes que o indivíduo utiliza em sua vida e em suas relações interpessoais. Afinak nal conseguimos controlar oque nao podemos medir.

Virtudes e forças de caráter:

A – Transcendência:
Perspectiva,
Amor ao aprendizado,
Mente aberta,
Descobridor,
Criatividade
B – Virtudes de Sabedoria:
Perseverança,
Integridade,
Entusiasmo
C – Forças de Coragem:
Amor,
Compaixão,
Inteligência social
D – Virtudes Humanitárias:
Cidadania,
Igualdade,
Liderança
E – Virtudes de justiça:
Perdoar,
Humanidade,
Prudência,
Controle
F – Temperança:
Espiritualidade,
Humor,
Esperança,
Otimismo,
Gratidão,
Apreciação de beleza.

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Mestre Maçom da Loja Amizade, Trabalho e Justiça, Oriente de Umuarama/PR filiada ao GOP - COMAB. Senior Demolay e Past MC do Capitulo Umuarama nº133 da Ordem Demolay - SCODRFB. Past-Sumo Sacerdote do Capitulo Umuarama nº 43 de Maçons do Real Arco filiado ao Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Membro Fundador do Conselho Zohar filiado ao Supremo Grande Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

Deixe uma resposta