Tiradentes, nosso Fake Hero !

Brasileiro tem carência de herói, vota em palhaço e analfabeto, e tem como herói jogador de bola, esquece que honestidade não é virtude mas obrigação. Ao tempo em que exalta funcionário público que cumpre a próprio dever ou líder de movimentos social que se corrompe.

Tiradentes se aproxima com sua falso heroísmo, junto com sua imagem atrelada a Inconfidência Mineira, e antes que passe pelo “Raio Maçonilizador” (neologismo meu, para o hábito de atribuir afiliação maçônica a quem não tem), apresentamos o seguinte trecho de nossa pesquisa:

A ideia da Inconfidência não era apenas protestar contra a derrama, mas tentar mobilizar o povo mineiro a iniciar uma revolução para se proclamar a independência de Minas Gerais e se fundar uma república (ideia que tinha reforço ideológico com a independência das colônias estadunidenses e a formação dos Estados Unidos). Diferente do que se conjecturou, os inconfidentes não pensavam em libertar o Brasil, mas apenas Minas Gerais”

Sendo assim, onde esta o nosso feriado de Garibaldi ?

Mas por qual motivo a escolha de Tiradentes? Vamos lá:

O texto abaixo é fonte de pesquisa do historiador Diego Bayer.

Vários são os motivos. Primeiro, pertencia ao exército, quais foram os grandes responsáveis pela Proclamação da República. Foi um homem da classe baixa (intuito de se remeter a questão do “povo”, do “popular”), foi o único a ser culpado e executado e teve a execução presidida por discursos que salvavam e glorificavam a rainha Dona Maria I. Os republicanos viram nisso uma reafirmação de seus ideais, ou seja, um “rebelde contra a opressão da monarquia portuguesa”, dando a entender ao povo que era isso que eles queriam, que o republicanismo seria a liberdade da opressão monárquica.

Outra discussão é em relação a sua imagem, sua retratação. Nenhum retrato seu foi pintado na época. Utilizaram então os republicanos uma imagem semelhante a de Jesus Cristo, ou seja, homem de longa barba e cabelos. A primeira imagem dele é datada de 1889, sendo certo que os pintores não tinham como o retratar a época, se criou um “personagem”.

Neste caso, em 1889, foi encomendado ao renomado artista André Delpino (1864-1942) o trabalho de se pintar a imagem oficial de Tiradentes. Então, Delpino desenhou uma imagem de perfil do mártir da Inconfidência, ainda usando o “laço da morte” envolta do seu pescoço.

Hoje, os historiadores tem demonstrado que na realidade, a história é outra. Como Tiradentes serviu no exército, era alferes, ele não poderia ter os cabelos e a barba longos, no máximo um bigode. Na prisão, era comum os presos terem as cabeças raspadas ou cabelos curtos e a barba feita, para se evitar problemas com piolhos, algo comum em muitas prisões antigas, pois os presos não tinham o direito de tomar banho com frequência, e para se evitar a proliferação de piolhos, era comum ter os cabelos e a barba aparados.

Com isso, a ideia de se representar Tiradentes com cabelos longos e barba, parecido com Jesus, era uma forma de se reforçar sua mitificação, e a imagem de “bom homem”. Além do mais, o Brasil desde a época colonial até hoje é predominantemente católico, e Jesus Cristo era a figura mais conhecida pelo povo.

Logo, tornar Tiradentes parecido com Jesus, era uma boa maneira de torná-lo conhecido aos olhos da nação, e reforçar sua importância. Concluído esta mitificação da imagem de Tiradentes, os representantes republicanos lhe consagraram uma data comemorativa que de fato veio a se tornar feriado nacional, o dia 21 de abril (transformando quase que em nula a data do “Descobrimento do Brasil”, em 22 de abril).

Outro ponto interessante é o do pesquisador  José Geraldo Vidigal de Carvalho da Universidade Federal de Ouro Preto/Mariana  que diz  que na obra “ Na História Geral da Civilização Brasileira” , sob a responsabilidade de vários especialistas, lemos o seguinte sobre os participantes da Conjuração Mineira: “Surgiu a questão da escravidão, mas não como instituição incompatível com a nova República, que pretendiam fundar. Estavam tão pouco imbuídos do humanitarismo do século XVIII que a ideia não lhes ocorreu. Os escravos apresentavam-se como um possível obstáculos seus intentos. Sendo muito maior o número de pretos, poderiam aproveitar-se da situação e matar os brancos. Alvarenga sugeriu então que se lhes concedesse a liberdade, objetando Maciel que seria desorganizar os trabalhos das minas e da lavoura. Com sua habitual inconsequência, Alvarenga respondeu que se libertassem apenas os mulatos. Os inconfidentes não se detiveram no exame de tão importante questão que ficou em suspenso.”  E a apoiaram mais tarde ao constatar que faltaria contingente para o novo estado e não por ideal humanitário ou nobre como é descrito no documentos históricos.

Sem contar que foi movido pelas suas dificuldades financeiras e  pela figura de José Álvares Maciel, filho de grande comerciante e fazendeiro de Vila Rica. Em vez de lhe emprestar dinheiro, Álvares Maciel propôs que ele participasse do movimento para libertar as Minas Gerais.

———-

Em sua obra, “O Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil “ e outras de sua autoria esclarece mais sobre esse ponto.

 

A questão é, quais critérios temos usados para escolha de nossos heróis ?

Ao que parece o simples populismo e adoção de ícones que  os condutores da historias nos dão, afinal o herói citado acima foi entregue como mártir por não ser líder do movimento e muito menos com papel estratégico a não ser que viesse a morrer pela causa.

Considero particularmente, que o Brasil vive uma Sapiofobia, um movimento silencioso de aversão a intelectualidade, principalmente no que tange a escolha de seus ícones.

Hans-Hermann Hoppe nos forneceu a resposta a esta questão apresentando a estratégia do “intelectualismo anti-intelectual”.  Seguindo a constatação de Étienne de La Boétie, de que o poder e a legitimidade do governo advêm da opinião pública, temos de reconhecer que são os intelectuais que moldam a opinião pública.  Deste modo, Hoppe convoca “intelectuais anti-intelectuais” para que assumam a missão de confrontar os intelectuais pró-estado, tirar definitivamente a legitimidade do estado e, deste modo e em última instância, destruam o estado.

As duas seções principais desta estratégia são (1) basear seus argumentos na moralidade e não meramente no utilitarismo, e ao mesmo tempo (2) contornar o mundo acadêmico e alcançar o público em geral.  Assim, diz Hoppe, “estados, por mais poderosos e invencíveis que possam parecer, devem sua existência essencialmente às ideias;  e, uma vez que ideias podem, ao menos em princípio, ser mudadas instantaneamente, estados podem ser derrubados e esfacelados quase que da noite para o dia.”

Talvez desse pensamento o motivo da exaltação de ícones populares que em suma não colaboraram de forma significativa para nossa nação ..

Exalta-se a farsa de Tiradentes, e poucos sabem quem foi Ruy Barbosa, um político, diplomata, advogado e jurista brasileiro. Representou o Brasil na Conferência de Haia. Membro e fundador da Academia Brasileira de letras foi seu presidente entre 1908 e 1919. Elaborou  projetos para a reforma eleitoral, para a libertação dos escravos sexagenários e para a reforma do ensino.

O maior líder da esquerda mundial é Noam Chomsky, não me lembro de ter visto exaltação de suas políticas ou de suas obras formidáveis de estudo da linguística com aritmética, e consequentemente melhorar nosso nível de educação, obvio já que para se incentivar precisa ler,  porém nas escolas,  as lideranças por meio do CNE ( Conselho Nacional da Educação) tentaram banir obras de Monteiro Lobato. Obras que incentivam o raciocínio e aguçam a curiosidade infantil.

O mesmo Lobato que criou a Companhia Petróleos do Brasil, privada, de capital aberto, que, tendo se constituído num sucesso, vendeu no primeiro mês mais de 50 por cento de suas ações. A empresa começou a explorar petróleo no campo de Araquá, em São Paulo, onde hoje é a cidade de São Pedro. Posteriormente, o escritor criou a Companhia de Petróleo Cruzeiro do Sul e a Companhia Mato grossense de Petróleo.

E o mesmo já dizia “O Brasil é uma pobre coisa enorme, inerme e condenada a um triste destino porque somos muito pobres de inteligência. Essa pobreza determina a outra, a material. Tão ininteligentes que nem o fato de dispormos dum dos maiores territórios unificados do mundo nos dá mais que os magros territórios da Dinamarca, da Suíça, da Holanda, da Suécia dão a esses pequenos países europeus. Sentados em cima de gigantescas riquezas potenciais, somos um país de pé no chão, miseravelmente vestido, miseravelmente alimentado e miseravelmente governado – e hoje destituído até desse oxigênio político dos povos, que é a liberdade de manifestação de pensamento.

E a política dos que nos governam à força é a do avestruz diante do perigo: esconder a cabeça. A atual supressão da imprensa livre e a proibição do livre debate dos nossos defeitos e mazelas, articulada com a pomada cor-de-rosa das insistentes, renitentes e imbecilizantes “horas nacionais” sob todas as suas sórdidas modalidades, está precipitando esta pobre massa de gente doentia e estúpida na senda dum novo Oriente Médio. Somos cada vez mais a maior vergonha do mundo. Caiação oficial por fora, dourados de pechisbeques – e bicheiras roedoras por dentro. E para supremo escárnio, um grande Coordenador coordena em benefício do clã dominante os restos da nossa magra riqueza acumulada.”

Fica para a reflexão também o motivo pelo qual muitos não sabem essa parte da historia de nosso país, que insiste em exaltar líderes que em seu signo e significado não levam ou inspiram o povo a progredir ou melhorar em sua educação mas apenas a se rebelar contra tudo, numa massa de rebeldes sem causa.

Em tempo, Tiradentes não foi maçom.

Então meus irmãos, reflitamos a respeito de nossas escolhas de modelos heróicos.

Além de que, segundo nosso historiador mineiro:

“Celebremos o Tiradentes, e sempre nos lembremos que, como muitos de nós, ele ‘carregou algo na cabeça’, isto é, foi corno.”  Luiz Carlos Villalta, professor da UFMG, sobre Joaquim José da Silva Xavier…

O Portal da Inconfidência (http://portaldainconfidencia.iof.mg.gov.br/) traz a versão impressa da investigação feita na época, cheia de curiosidades.

“Se eu digitar ‘feio’, eu vou encontrar a maneira como Alvarenga Peixoto caracterizou Tiradentes: ‘feio’ e ‘espantado’”, diz Luiz Carlos Villalta, historiador da UFMG.

Parte dos documentos está no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro, e outra parte, no Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, como a sentença de morte de Tiradentes, acusado de “rebelião e alta traição”.

Hoje relembro meu saudoso avô, que dizia pra eu largar a televisão para pegar um livro do  Ir. Ruy Barbosa em sua biblioteca.

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”RB

Fonte:

 

AQUINO, Rubim Santos Leão de; BELLO, Marco Antônio Bueno; DOMINGUES, Gilson Magalhães. Um sonho de liberdade: a conjuração de Minas. São Paulo: Editora Moderna, 1998.

MACEDO, Joaquim Manuel de (1878). “7”. Memórias da Rua do Ouvidor [S. L.: s. N.]p. 227. ISBN 8523001107. Digitalizado por Google Livros.

COSTA E SILVA, Paulo (1 de abril de 2007). “A outra face do alferes”. Revista de História da Biblioteca Nacional. Consultado em 7 de abril de 2010.

https://noticias.uol.com.br/opiniao/coluna/2014/04/21/heroi-tiradentes-nunca-se-colocou-a-favor-da-abolicao-da-escravidao-e-deve-ser-alvo-de-piadas.htm

 

 

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Mestre Maçom da Loja Amizade, Trabalho e Justiça, Oriente de Umuarama/PR filiada ao GOP - COMAB. Senior Demolay e Past MC do Capitulo Umuarama nº133 da Ordem Demolay - SCODRFB. Past-Sumo Sacerdote do Capitulo Umuarama nº 43 de Maçons do Real Arco filiado ao Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Membro Fundador do Conselho Zohar filiado ao Supremo Grande Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

11 comentários em “Tiradentes, nosso Fake Hero !

  • 11 de Abril de 2018 em 12:12
    Permalink

    ZéFilardo, vc extrapolou seu recalque e inveja, que estavam escondidos em seu subconsciente!!!!!!

    Resposta
    • Bruno Oliveira
      11 de Abril de 2018 em 17:16
      Permalink

      Prezado irmão, o presente trabalho é fruto de pesquisa conforme indicado no texto. Recomendo a leitura das obras indicadas.

      Porém passível de críticas como vosso comentário. Se tiver algo a acrescentar de forma construtiva ficaremos gratos.

      Se interpretares o texto , a questão central é , como escolhemos nossos heróis, para que nos leve a uma reflexão.

      Vossa resposta nos deixa claro, paixão e não razão. Porém tendo em vista que o irmão é Mineiro entendo o ponto. Porém negar tais fatos é negar a própria historia de vosso estado.

      Sugiro que direcione vossa paixão pra personagens mais honestos e heroicos de Minas, como Os Três Heróis Brasileiros:

      ARLINDO LÚCIO DA SILVA, GERALDO RODRIGUES DE SOUZA e GERALDO BAÊTA DA CRUZ foram três soldados que pertenceram ao 11.º Regimento de Infantaria Expedicionário e que foram, assim como muitos brasileiros, lutar nos campos de batalha gelados da Itália, durante a 2ª Guerra Mundial.
      O detalhe é que, em vez da vala comum, mereceram as honras especiais do Exército alemão. Admirado com a coragem e resistência do trio, o comandante nazista mandou enterrá-los e colocar, sobre a cova, uma cruz e placa com a inscrição: “Drei Brasilianische Helden” ou “Três Heróis Brasileiros”. Terminada a guerra, seus restos mortais foram trasladados para o Cemitério de Pistoia, na Itália, e depois para o Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro/RJ, (foto). Mereceram as condecorações Medalha de Campanha (participação na guerra), de Sangue do Brasil (quando há ferimento) e Cruz de Combate(feitos de destaque).” fonte: http://www.oarquivo.com.br/temas-polemicos/historia/3887-três-heróis-brasileiros.html

      Um TFA,

      Bruno Oliveira.

      Resposta
    • 11 de Abril de 2018 em 18:52
      Permalink

      Eis um claro e indiscutível argumento ad hominem…

      Resposta
      • Bruno Oliveira
        11 de Abril de 2018 em 20:02
        Permalink

        Bem isso,educação é um processo traumático principalmente no que tange a respeito dá desmitificação de falsos heróis ou crenças. Mas nos maçons que somos entendemos bem disso não é meu irmão ? Afinal Lutamos contra a mistificação em torno de nossa ordem e a associação nossa com forças do mal pela sociedade todos os dias ..
        Grande abraço

        Resposta
        • 12 de Abril de 2018 em 08:52
          Permalink

          Concordo com o Bruno e deixo claro que meu comentário anterior, sobre argumento ad hominem, tinha por foco a ponderação do Antonio Rosa, que preferiu falar do autor em vez de avaliar o trabalho apresentado.

          Resposta
    • 15 de Maio de 2018 em 16:48
      Permalink

      Antonio Rosa, Acho que você precisa melhorar sua percepção da realidade.

      O Post não é de minha autoria, mesmo endossando, assinando em baixo e ficando bastante orgulhoso de ter sido confundido com o autor.

      Em segundo lugar, você precisa aprender História – a verdadeira – não a versão da Globo, que deve ser a sua fonte de informação, junto com a Veja e o Estadão. Se é que você consegue entender um texto completo e bem escrito.

      E faço minhas as palavras do Bruno Oliveira.

      Resposta
  • 12 de Abril de 2018 em 08:03
    Permalink

    Meu irmão Bruno, obrigado por nos disponibilizar este ótimo texto, fruto de uma clara pesquisa histórica, sem paixões envolvidas.

    Resposta
  • 12 de Abril de 2018 em 09:40
    Permalink

    Caro colega Prof. Bruno,
    Apreciei muito a leitura e as referências para auxiliar na pesquisa complementar. Provocou o pensamento e produziu reflexão. Parabéns!

    Resposta
  • 12 de Abril de 2018 em 09:42
    Permalink

    O grande herói da Independencia foi José Bonifácio de Andrada e Silva, este sim, um homem real, com defeitos e virtudes, mas um dos grandes responsáveis pela Independencia e um dos principais responsáveis pela unidade nacional.

    Resposta
  • 15 de Abril de 2018 em 09:05
    Permalink

    O estudo contém, mais do que o aceitável, deslizes gramaticais, de concordância e frases confusas. O autor deve atentar para este quesito. Independentemente disso, a pesquisa é elucidativa e mostra como é fácil construir pseudo-heróis.

    Resposta
  • 17 de Abril de 2018 em 16:42
    Permalink

    Sem embargo da valiosa pesquisa ofertada, faço um lembrete ao Respeitável Irmão Leoncio Diamante que o verdadeiro articulador da Independência foi Joaquim Gonçalves Ledo, cuja missiva, levada por Paulo Bregaro, acompanhou a da Princesa Leopoldina, conscitando o Irmão Guatimozim (Depois nosso Imperador Pedro I) a proclamar a Independência. José Bonifácio era fiel à Coroa Portuguesa, mas passou a ser o maior defensor do Império então proclamado, em contraposição a Ledo, cujo grupo queria instaurar uma República, abolindo a monarquia, nos moldes da Independência dos Estados Unidos e, posteriormente, com a Revolução Francesa, ambas com inspiração nos ideais iluministas, dirigidas por vários maçons.Tenho um trabalho que já foi apresentado em Loja, fruto de humilde pesquisa em documentos históricos, bibliografia e relatos maçônicos.

    Resposta

Deixe uma resposta