Ferramentas de Gestão na Maçonaria: Mentoring

  1. Mentoring Maçonico – IR.BRUNO OLIVEIRA

Nesse dias dos Pais não vemos assunto mais pertinente que esse em homenagem aos nossos pais, eternos mentores.

Não podemos controlar o que não podemos medir, diz uma antiga máxima da engenharia, e como avaliar nosso processo de ensino maçônico sem um método? Para aquele que alegam isso, minhas desculpas, mas isso não passa de preguiça e covardia como dizia Kant.

Preguiça e covardia são as causas que explicam por que uma grande parte dos seres humanos, mesmo muito após a natureza tê-los declarado livres da orientação alheia, ainda permanecem, com gosto, e por toda a vida, na condição de menoridade. É tão confortável ser menor! Tenho à disposição um livro que entende por mim, um pastor que tem consciência por mim, um médico que prescreve uma dieta etc.: então não preciso me esforçar. A maioria da humanidade vê como muito perigoso,além de bastante difícil, o passo a ser dado rumo à maioridade, uma vez que tutores já tomaram para si de bom grado a sua supervisão. Após terem previamente embrutecido e cuidadosamente protegido seu gado, para que estas pacatas criaturas não ousem dar qualquer passo fora dos trilhos nos quais devem andar, os tutores lhes mostram o perigo que as ameaça caso queiram andar por conta própria. Tal perigo, porém, não é assim tão grande, pois, após algumas quedas, aprenderiam finalmente a andar; basta, entretanto, o perigo de um tombo para intimidá-las e aterrorizá-las por completo para que não façam novas tentativas. (Immanuel Kant)


O que um Mentor Maçonico faz?

A parte mais importante do papel como Mentor Pessoal do Candidato é ser um amigo e guia para ele. Ele terá sido selecionado pelo Venerável, ou responsável pela Comissão de Educação, para ser o Mentor Pessoal do Candidato, mas a consideração mais importante é que esse Mentor, pode ser o proprio Padrinho ou um Mestra que esteja apto a transmissão de conhecimento, ou mesmo ambos trabalhando em conjunto ajudando o Candidato a se envolver no Loja. Se for esse o caso, o Maçom desfrutará de todos os benefícios de ser um Maçom, ele se sentirá confiante e competente para falar sobre a Maçonaria para sua família e amigos – para ser um Embaixador da Maçonaria – e a loja terá ganhado um grande trunfo.

 

Mas não é isso que o padrinho está destinado a fazer? Em um mundo ideal, a resposta para isso é SIM. Muitos novos obreiros têm a sorte de serem propostos por membros comprometidos e ativos, mas, infelizmente, isso nem sempre significa que o Proponente ou Padrinho é capaz de atuar efetivamente como Mentor, por uma série de razões:

• O proponente pode realizar um oficio na Loja e pode não ser capaz de passar tempo de qualidade com o seu candidato em uma noite de reunião.
• O Proponente pode ser relativamente novo para a Maçonaria e pode não ter a experiência e o conhecimento requerido.
• Pode surgir uma situação em que o Proponente não pode comparecer a uma Loja ou, como em alguns casos, deixa de comparecer. É em tais situações que um Mentor é essencial, para fornecer ao Candidato apoio, aconselhamento e acima de tudo, amizade. Como eles fazem isso? A chave para fazer isso é levar tudo um passo de cada vez. O Candidato tem uma grande quantidade de informações para assimilar e o Mentor Pessoal tem uma riqueza de conhecimento para transmitir. Controlar o acesso é talvez uma das tarefas mais importantes, pois o processo deve ser governado pela capacidade do Candidato de digerir as informações e não por qualquer desejo do Mentor Pessoal para avançar rapidamente para a próxima etapa. Portanto, é importante trazer alguma estrutura para o programa e identificar o que o Candidato precisa saber e quando ele precisa conhecê-lo.

 

Isto talvez seja melhor alcançado dividindo o programa em um cheklist como abaixo:

Fase 1. O que se espera de mim? Estas são todas as perguntas básicas, tais como: Quando nos encontramos? Quem é quem? Quais são as taxas que devo? O que é um Conselheiro etc?

Fase 2. O que eu tenho que fazer a seguir? Uma vez que o lado “administrativo” básico é tratado, a etapa seguinte é assegurar uma compreensão da relação dos três graus eo significado simbólico de cada um como os termina por sua vez. É somente com uma compreensão de seus significados que um irmão novo realizará a essência da maçonaria. Sem isso, ele nunca se tornará plenamente envolvido no Ofício e será impossível para ele manter mais interesse.

Fase 3. Eu pertenço? Isto é quando surge a pergunta “Agora que eu entendo, eu me encaixo, é para mim?” A resposta a isso só pode ser “sim”, se os dois primeiros estágios foram concluídos. Isto é, quando o Mentor pergunta se o Candidato deseja participar na execução de parte da Cerimônia e garante que ele está totalmente imerso nas atividades sociais da Loja.

Fase 4. Como posso avançar? Nesta fase, temos um irmão que está desfrutando de sua Maçonaria, atingiu um equilíbrio feliz com sua casa / trabalho / vida maçônica e deseja progredir ainda mais. Tal progressão poderia ser “subir a escada” em direção ao cargo de Veneravel Mestre, ou em um papel de atuação como o Hospitaleiro ou o Tesoureiro. É aqui que um Mentor irá guiar sua carga ao longo de um caminho seguro, guiando-o na direção certa e fornecendo apoio e encorajamento sempre que necessário. Há uma série de atividades práticas que permitirão que tudo o que acontecer acima e estes são dadas aos Mentores pela Diretoria da Loja.

 

De acordo com a Provincial Grand Lodge of Lincolnshire, podemos dividir esse treinamento maçonico também em etapas:

 

A PRIMEIRA ETAPA – é para cada candidato compreender a logística básica que está envolvida em se tornar um Maçom. É realmente sobre uma boa acolhida. O candidato nunca deve se sentir constrangido e deve estar ciente de seu compromisso financeiro e tempo. Durante esta fase o mentor pessoal responde a todas as perguntas que o candidato pode ter para ele ganhar um sentido de cuidado. Em outras palavras, nunca deve haver surpresas.

A SEGUNDA ETAPA é compreender os fundamentos do ritual, especialmente após a iniciação e, em seguida, revisando e estudando. Esta compreensão deve levar à capacidade de responder a perguntas sobre os mitos que profanos espalham a respeito da Ordem – de modo que, desde o início, os membros podem contrariar as perguntas sobre os chamados apertos de mãos engraçado e demais segredos clássicos . As perguntas sobre esses mitos precisam ser respondidas com precisão e sem constrangimento. Eu não estou falando sobre um conhecimento profundo, mas mais um entendimento comum.

A TERCEIRA ETAPA é dar-lhe a confiança – desde o início – para que ele possa falar, em particular, com a família e os amigos sobre a Maçonaria. Isso, Irmãos, é vital para garantir o futuro. Um candidato – e de fato isso se aplica igualmente a todos nós – precisa entender como falar com os profanos sobre o que significa a Maçonaria. O objetivo é ter o maior número de membros possível como Embaixadores da Maçonaria. “.
SER AMIGO: É tão simples quanto parece: os amigos cuidam uns dos outros, se ajudam e desfrutam da companhia um do outro. Se tiverem de conhecer o candidato antes mesmo de ele ter se candidatado para entrar no Lodge. Idealmente, você terá tido a oportunidade de conversar com sua esposa ou parceiro se ele tiver um. É importante que eles estejam felizes com sua decisão de se juntar Maçonaria e Envolva-se nas atividades sociais da Loja Certifique-se de que ele está ciente do tempo e dos compromissos financeiros.

A INICIAÇÃO: Como um amigo você vai querer que ele desfrute a noite de sua iniciação.Normalmente você ou outro irmão vai levá-lo para Loja. Se ele está fazendo o seu próprio caminho, certifique-se de que ele sabe onde fica a Loja e a que horas ele deve estar lá. Certifique-se de que ele sabe o código de vestimenta e, se a loja exige que ele use luvas após durante a cerimônia. Se possível, organize-se para sentar-se ao lado dele quando toma seu assento no alojamento, algum dinheiro para tronco e para ajudá-lo com os sinais quando a oficina está sendo fechada. No Jantar ou no Comitê Festivo, se possível, providencie para se sentar ao lado ou perto de seu candidato. Certifique-se de que ele sabe o que é esperado dele particularmente.

APÓS A INICIAÇÃO: Deverá encontrar-se com ele antes da próxima reunião, preferencialmente na Sala do Alojamento, para discutir a cerimónia e mostrar-lhe ao redor da sala, explicando os pontos importantes, por exemplo, os arranjos dos assentos, os móveis da Loja e também para ir Através dos Sinais. Este também é um bom momento para explicar a cerimônia e seu simbolismo. Lincolnshire tem uma série de folhetos para cada grau que pode formar a base da discussão. Há também uma série de documentos que abrangem cada grau e seu significado no novo site Grand Mentoring Lodge que o seu Mentor Lodge tem acesso a se você não tiver.

A PRÓXIMA REUNIÃO: Primeiramente, certifique-se de que ele está ciente da próxima reunião e do calendário da Loja. Que ele sabe o código de vestimenta e se ele precisa para reservar uma refeição ou se há uma permanente jantar lista. Novamente você deve sentar com ele em Lodge, ver que ele tem uma cópia das Odes e conhece os Sinais. Se ele vai ter que deixar o Lodge certifique-se o Mentor Lodge tem providenciado para ele e qualquer outro novo pedreiro para ser acompanhado. Esta é uma excelente oportunidade para fazer “um avanço no conhecimento maçônico”, não deixá-lo ser desperdiçado. Se não houver uma iniciação em sua Loja no futuro próximo tente levá-lo para um em um alojamento próximo, quando eles têm um para que ele possa ver a cerimônia.

GRAUS SUBSEQUENTES: Mais uma vez você vai querer que ele aproveite essas cerimônias para ter certeza de que ele está devidamente preparado. Você deve ter certeza de que ele recebeu as Perguntas e Respostas sobre o grau o mais rápido possível e ajudá-lo a aprender suas palavras. Algumas lojas incentivam os candidatos a ir em parte do ensaio para que ele, (e os membros), está confiante de que ele sabe suas palavras.

APÓS O TERCEIRO GRAU: Você pode precisar ter frequencia em reuniões, em primeiro lugar para discutir a cerimônia e o seu significado. Não deve ser assumido automaticamente que cada irmão quer passar por algum cargo. Alguns podem desejar esperar um pouco antes de tomar uma responsabilidade; Alguns podem estar mais interessados em outro papel, como Hospitaleiro ou Tesoureiro. É muito importante para todos prosseguir no seu próprio ritmo e em sua própria direção.

CARIDADE: É importante que todos nós compreendamos, não apenas nossas obrigações para com as Caridades Maçônicas, mas também o trabalho importante que elas fazem. Você deve apresentar o novo pedreiro ao Comissário de Caridade e ao Hospitaleiro o mais cedo possível para que eles possam conversar com ele sobre eles.
Muitos irmãos estão relutantes em falar sobre a Maçonaria para sua família e amigos, os outros estão muito felizes em fazer isso. Cada irmão deve sentir-se confiante e competente para discutir a Maçonaria se surgir na conversa e dissipar os mitos.

CONCLUSÃO: Ajudar um novo irmão a se divertir e se envolver em sua loja é um dos papéis mais importantes que você pode assumir. Se você também pode ajudá-lo a entender a maçonaria e falar com confiança e competência para a sua família e amigos sobre o seu prazer em participar dessa Ordem, então você não só terá ajudado um irmão, mas também a maçonaria em geral e espero que tenha encontrado cumprindo e vosso dever.

 

Não há dúvida de que o futuro da Maçonaria está nas mãos de nossos mais novos Irmãos. Mas em quem estão as mãos? Quem está moldando aqueles que moldarão o futuro da Ordem? Como Mentor Maçônico, você não só estará ajudando a sua carga a embarcar em uma carreira maçônica completa e agradável, mas também estará salvaguardando o futuro de sua Loja. E quem sabe? Talvez o futuro da Maçonaria seja você!

Bibliografia:

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
ROSSATTO, Maria Antonieta. Gestão do Conhecimento: a busca da humanização, transparência, socialização e valorização do intangível. Rio de Janeiro. Interciência. 2002.
NONAKA, Ikujiro et al. Organizational knowledge creation theory: a first comprehensive test. International Business Review, v. 3, n. 4,

 

Bruno Oliveira

Mestre Maçom da Loja Amizade, Trabalho e Justiça, Oriente de Umuarama/PR filiada ao GOP - COMAB. Senior Demolay e Past MC do Capitulo Umuarama nº133 da Ordem Demolay - SCODRFB. Sumo Sacerdote do Capitulo Umuarama nº 43 de Maçons do Real Arco filiado ao Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil e Membro Fundador do Conselho Zohar filiado ao Supremo Grande Conselho de Maçons Crípticos do Brasil.

Um comentário em “Ferramentas de Gestão na Maçonaria: Mentoring

  • 14 de agosto de 2017 em 09:46
    Permalink

    Excelente, Bruno. Isso faz falta! Há uma avenida de oportunidades em diversos aspectos de nossa maçonaria. Um choque de gestão faria muita diferença.

    Resposta

Deixe uma resposta