Um Panorama da Maçonaria Francesa

Pierre Mollier – Diretor da Biblioteca do Grande Oriente da França e do Museu da Franco-Maçonaria

A Maçonaria foi estabelecida na França em meados da década de 1720 e as lojas têm sido uma presença constante até os dias de hoje.

A França difere de outros grandes países europeus como Espanha, Itália ou Alemanha, onde, por causa de regimes autoritários e ditatoriais, a Maçonaria foi proibida por longos períodos. Destes quase três séculos de Maçonaria, devemos apenas remover os quatro anos de ocupação nazista (1940-1944) quando a Maçonaria foi proibida, embora algumas lojas continuassem a operar clandestinamente. Após aqueles quatro “anos sombrios” em que os maçons foram perseguidos, a Maçonaria francesa emergiu muito fraca … mas não quebrada como na Alemanha ou na Espanha.

É claro que durante esses três séculos houveram bons tempos – as “idades de ouro”! – Como, por exemplo, no século XVIII, os anos 1770-1780, o Primeiro Império (1804-1815) ou a Terceira República (1875-1940) onde as lojas cresceram e emergiram muito ativas na vida social. Mas também houveram momentos difíceis em que a Maçonaria era menos atrativa. Por falta de membros, muitas lojas desapareceram, por exemplo, entre 1815 e 1860 ou entre 1945 e 1970.

I. Sendo um maçom na França hoje

Em 2012, a França tinha pouco mais de 150.000 maçons (para 60 milhões de habitantes). Este número pode parecer pequeno para um público acostumado a figuras britânicas (mais de 250.000 maçons somente na Inglaterra). Mas é realmente muito importante quando comparado à filiação maçônica de outros grandes países europeus. Lembre-se que a Itália (60 milhões de habitantes) tem apenas 30.000 maçons, sem falar na Alemanha (80 milhões) e apenas 12.000 maçons ou Espanha (47 milhões) e 5.000 maçons!

Na verdade, existem na França mais maçons do que em todo o resto da Europa (excluindo a Grã-Bretanha) juntos! Um bom conhecimento da Maçonaria Francesa hoje é, portanto, importante para qualquer observador interessado na Maçonaria.

Em 2012, o maçom francês médio tinha 57 anos. Ele foi iniciado aos 43 anos. Assim como a expectativa de vida, esses números tendem a aumentar; dez anos atrás (em 2002), os maçons franceses tinham em média apenas 56 anos.

Da mesma forma, hoje, as 10.000 pessoas que são iniciadas na Maçonaria a cada ano ingressam em sua loja com idade média de 44 anos. É principalmente um membro da classe média. O envolvimento na Maçonaria ocorre, portanto, geralmente em um segundo período da idade adulta, após um período inicial – que ocorre aproximadamente entre as idades de 25 e 40 – quando as pessoas estão construindo carreira e família.

Ao expor as motivações que levam os candidatos a ingressar na Maçonaria, você deixa um aspecto puramente quantitativo para entrar nas análises qualitativas.

Tentarei explicar, principalmente com base em minha experiência, as razões que podem induzir hoje cerca de 10.000 franceses anualmente a ingressar em uma loja maçônica. É aqui que começa o problema, porque parece que as “razões para se tornar um maçom” na França são bem diferentes daquelas que podem ser encontradas na Grã-Bretanha. As “razões para se tornar um maçom” na França estão, obviamente, em primeiro lugar relacionadas à imagem da Maçonaria na sociedade francesa. E essa imagem é em grande parte o resultado do papel da Maçonaria na história da França.

Não vou entrar em detalhes aqui da história da maçonaria francesa, mas gostaria apenas de destacar algumas de suas características importantes.

Em um país católico como a França, onde a Maçonaria foi condenada pelo Papa já em 1738 (e desde então muitas vezes), isso tem sido uma grande influência nas lojas.

O primeiro resultado é que os franceses conservadores e conformistas não se sentiram tentados a se tornar maçons, uma vez que a principal autoridade religiosa sempre considerou a Maçonaria herética e perigosa. Na complexidade da sociedade do século XVIII, por motivos que não explicarei aqui, essa condenação da Maçonaria teve muito pouco impacto. Mas, no século XIX, a forte oposição da Igreja Católica à Maçonaria manteve os conservadores longe das lojas. Em vez disso, seus oponentes, partidários do progresso tanto na filosofia quanto na política, gradualmente transformaram as lojas em um ponto de encontro e reunião. Ao longo de todo o século XIX, os maçons franceses evoluíram de um liberalismo filosófico sincero – mas bastante “platônico” – para um compromisso militante em favor de novas ideias tanto na religião quanto na política. As circunstâncias políticas e sociais conduziram profundamente a esses desenvolvimentos.

Assim, a Maçonaria francesa sentiu-se impelida a desempenhar um papel político importante na transformação da França em uma democracia moderna entre 1880 e 1914. Os maçons franceses estiveram muito envolvidos na política francesa e especialmente no Partido Radical, que estabeleceu um papel dominante na política francesa a partir de 1880 a 1940. O partido radical, apesar do nome, é essencialmente um partido liberal e social-democrata. Deve-se acrescentar que, se os maçons estavam envolvidos na política naquele período, todos eram ativamente políticos na França entre 1880 e 1940. Por exemplo, a Igreja Católica, longe de se limitar a assuntos religiosos ou espirituais, sempre se envolveu nos assuntos públicos franceses. Esta foi uma época em que a sociedade francesa era altamente politizada. Tomada como um todo, a França de 1880 a 1940 estava profundamente dividida em dois lados opostos: uma França conservadora apoiada pela Igreja Católica em oposição a uma França liberal e progressista que se reuniu em torno da Maçonaria.

O subconsciente francês foi muito afetado por este período fundacional da França moderna. Mais uma vez em 2012, o maçom é visto na França como alguém que busca melhorar a sociedade e se preocupa com os grandes problemas que o mundo enfrenta hoje. Portanto, para a maioria dos que desejam ingressar na Maçonaria, trata-se realmente de alguém que procura um lugar para pensar e trabalhar com essas “grandes questões”. Parece bastante natural para a Loja ser um lugar para ouvir uma apresentação sobre pobreza, desenvolvimento sustentável ou sobre a web, e então os membros da Loja discutem essas questões tentando melhorar seu conhecimento por meio de tais debates. Como um “aparato maçônico chique”, sou uma espécie de maçom “oficial”, ou pelo menos visível, e meus vizinhos, pessoas que encontro durante o jantar, vão perguntar muito naturalmente: “O que os maçons pensam sobre as novas questões de bioética?“, “Qual é a posição da Maçonaria sobre o desenvolvimento sustentável?“ Etc … Eu entendo o quanto pode soar estranho aos ouvidos maçônicos britânicos!

Mas é claro que a dimensão iniciática e ritual da Maçonaria também é um aspecto marcante e sempre esteve muito associado à Maçonaria. Primeiro porque, mesmo no período mais “político”, alguns maçons franceses sempre apoiaram essa concepção iniciática da Maçonaria. Houve até, após a Primeira Guerra Mundial, uma espécie de “renascimento simbólico” nas lojas. Paradoxalmente, a polêmica com a Igreja Católica também reforçou isso. Na verdade, não querendo sugerir que sua hostilidade à Maçonaria era principalmente justificada puramente por questões de poder e influência na sociedade, estudiosos católicos denunciaram a natureza herética, gnóstica e esotérica da Maçonaria… Essas controvérsias fizeram com que fosse estabelecida a ideia de que a Maçonaria é uma sociedade iniciática e que o compromisso maçônico tem uma dimensão espiritual, mesmo que essa espiritualidade não seja exatamente uma “corrente principal”.

A imagem da Maçonaria forjada por essa história, como sendo socialmente progressista e esotérica na filosofia – continua muito presente no subconsciente francês. A necessidade de pensar em boa companhia sobre as principais questões sociais, e o desejo de trabalhar em questões filosóficas e espirituais, são as duas principais motivações apresentadas hoje pelos interessados ​​na Maçonaria na França.

Os maçons franceses se dedicam à Maçonaria… muito do seu tempo. As lojas francesas se reúnem a cada quinze dias. Mas se você for o oficial da loja, ou se participar de um grupo de trabalho, terá mais uma ou duas reuniões e poderá participar de uma reunião por semana. As reuniões das lojas são divididas em duas categorias principais: as próprias cerimônias e, em segundo lugar, as reuniões de trabalho em torno de um assunto. Na França (e outros países também seguiram esse padrão), além de quatro a cinco reuniões a cada ano, dedicadas às cerimônias ou à instrução maçônica, as lojas trabalham em questões filosóficas e simbólicas. Normalmente, a programação é a seguinte. Após a abertura da Loja no primeiro grau, e a leitura da ata da reunião anterior, um irmão fará uma palestra sobre um assunto filosófico ou simbólico (por 30 a 45 minutos), então os outros irmãos da Loja farão perguntas ou contribuir para a palestra. Essas trocas são enquadradas por rituais e devem ser feitas em um tom moderado e cortês, independentemente das diferenças de opinião. A natureza dos tópicos dependem, é claro, da orientação da loja: eles abrangem questões sociais, problemas filosóficos ou simbólicos. Para os maçons ministrarem uma palestra, geralmente é o resultado de um lento trabalho. Ele apresenta aos seus companheiros o resultado de um forte compromisso pessoal com a pesquisa. Ele quer compartilhar com eles todo o interesse que encontrou em determinado assunto.

No entanto, também existem “instruções obrigatórias”. Como no caso de passar de um grau a outro. Quando, depois de um ou dois anos, a Loja considerar que o aprendiz pode se tornar um companheiro, vamos exigir que ele trabalhe em um dos símbolos do primeiro grau. Obviamente, o objetivo é verificar se o novo irmão pensou e meditou sobre o ensino simbólico de seu grau. Da mesma forma, um ou dois anos depois, quando a Loja deseja elevá-lo ao grau de Mestre, espera-se que ele apresente um trabalho de pesquisa sobre um aspecto ou outro do segundo grau. É também uma oportunidade para outros membros da loja reconsiderarem importantes elementos simbólicos de sua própria vida maçônica.

II. As Grandes Lojas Francesas

Como você deve ter notado, até agora falei dos “maçons” em geral. Mas a França tem ainda outra característica, não tem apenas uma Grande Loja, como na Inglaterra, mas várias organizações maçônicas. É claro que existem diferenças entre essas organizações, das quais trataremos longamente. Mas antes de fazer isso, quero enfatizar que para o público em geral, mas também para muitos maçons, existe apenas “Maçonaria”. Além disso, em boa parte dela, a vida maçônica de um irmão será bastante semelhante, seja qual for a Grande Loja a que ela pertença. Devo acrescentar que minha experiência me leva a pensar que quando uma pessoa se torna um maçom nessas diferentes denominações, a Grande Loja a que se junta é mais determinada por encontros casuais do que por uma escolha “filosófica”. Assim, eu mesmo me juntei ao Grande Oriente, e hoje é minha família, mas eu também poderia ter ingressado na Grande Loja da França, onde também tinha um bom amigo, e provavelmente teria ficado muito satisfeito ali também.

Deixe-me agora apresentar-lhe o cerne do nosso assunto, a apresentação do “panorama maçônico francês”. Vamos revisar as Grandes Lojas que juntas abrangem todos os 150.000 maçons franceses.

O primeiro, o mais antigo … e ainda o mais importante é o Grande Oriente da França. Esta é a “velha casa” (La vieille maison) da Maçonaria francesa. Uma primeira “Grande Loja da França” apareceu por volta de 1735. Ela lutou para estabelecer sua autoridade sobre as lojas, mas enfrentou várias crises. Em 1771, uma reforma radical baseada em um retorno aos princípios maçônicos – eleição de oficiais, representação para todas as lojas… – trouxe sua transformação no Grande Oriente da França. A filosofia do Grande Oriente é reunir as diferentes correntes e sensibilidades maçônicas em torno dos princípios básicos da Ordem. Isso conseguiu alcançar a unidade da Maçonaria na França no final do século XVIII. Mas essa unidade foi quebrada em 1821 por uma disputa sobre os altos graus e a criação do Supremo Conselho da França com sua própria Grande Loja. No entanto, conseguiu reunir por muito tempo uma grande porção de maçons franceses: quase dois terços no final do século XIX e provavelmente ainda mais da metade de 1950-1960. Hoje, com apenas pouco mais de 50.000 membros, cobre um terço dos maçons franceses. O Grande Oriente está no centro da história maçônica francesa e se integra bem a ela. O advento da República é, em parte, uma história maçônica. Durante a tour de visitantes ao Grande Templo situado na rua Cadet em Paris, não deixamos de lembrar que foi principalmente aqui que se desenvolveram as grandes leis fundadoras da França moderna: leis sobre liberdades civis, liberdade de associação, liberdade de imprensa, as primeiras leis de proteção social… Entre os 33 membros do Conselho do Grande Oriente no final do século XIX, você normalmente encontraria vários ministros do governo. Naquela época, mais de um terço dos parlamentares eram maçons. O Grande Oriente não só se orgulha deste passado glorioso, mas ainda hoje se considera uma autoridade moral na política. Embora não esteja mais envolvida em longos debates entre partidos políticos, regularmente emite lembretes da importância dos valores fundadores da República. Recentemente, fez algumas declarações sobre o debate no lugar dos estrangeiros na sociedade francesa e invocou contra as visões reacionárias da extrema direita.

Mas o Grande Oriente também é o repositório de uma rica e longa tradição maçônica considerada a dimensão espiritual e iniciática. De fato, foi afetado pelo “renascimento simbólico” experimentado pela Maçonaria francesa no período entre guerras (1920-1940) e novamente desde os anos 1970. Então, hoje, algumas de suas lojas estão especialmente interessadas em “questões sociais”, enquanto outras se concentram exclusivamente em assuntos filosóficos ou simbólicos. Muitas lojas trabalham em ambos os campos. Na verdade, muitos maçons pertencentes ao Grande Oriente geralmente pensam que, uma vez que alguém tenha trabalhado em seu próprio desenvolvimento com alguma reflexão filosófica, é um dever olhar também para o desenvolvimento de outros, especialmente no caso de outros menos preparados para isso do que você mesmo. O desenvolvimento individual dos maçons deve levar à ação por uma sociedade melhor. Mas, repetimos, na França muitas instituições estão envolvidas no campo político. Por exemplo, várias vezes por ano as Igrejas, a Igreja Católica na vanguarda, tomaram posição sobre qualquer assunto discutido no parlamento. Parece bastante natural para os franceses que, de tempos em tempos, o Presidente da República ou um político receba o Grão-Mestre do Grande Oriente para averiguar os pontos de vista “da Maçonaria” sobre um problema particular da sociedade francesa. Há cerca de dez anos, o parlamento francês desenvolveu uma série de leis conhecidas como “bioética”. Essas leis têm como objetivo regular a prática médica levando em consideração o progresso da ciência. Foram buscados indicadores que tornassem a lei totalmente consistente com a concepção do Homem, da natureza humana e da pessoa.

Os membros do Parlamento decidiram então buscar os pontos de vista das “autoridades morais” da sociedade francesa. Parecia bastante natural consultar o Grande Oriente. Para atender a essa demanda, o Grande Oriente criou um “Comitê de Bioética” reunindo Irmãos médicos, biólogos e pesquisadores. Ele fez um relatório de alta qualidade, na medida em que algumas de suas conclusões foram incorporadas à lei. Consultando o Grande Oriente, os parlamentares achavam que ele representava as opiniões de uma parte da sociedade francesa comprometida com a filosofia liberal à moda do Iluminismo. Há algumas semanas, almoçando em um café da Rue Cadet, fiquei surpreso ao ver a pé, sorrindo e com as mãos nos bolsos, o candidato socialista a presidente. Ele considerou natural, durante seu programa de campanha, consultando um certo número de líderes de opinião, encontrar-se com o Grão-Mestre do Grande Oriente da França. O Grande Oriente sempre foi o epítome da Maçonaria na história do país. Mesmo hoje, para grande desgosto de outras Grandes Lojas, na mente do público em geral, o Grande Oriente e a Maçonaria são frequentemente sinônimos. Para terminar esta apresentação do Grande Oriente, gostaria de sugerir particularmente dois elementos.

Primeiro, se a dimensão política permanece ligada à identidade do Grande Oriente, ela não está mais associada a um partido político particular hoje como era o caso no final do século XIX com o Partido Radical (essencialmente liberal, você se lembra) ou até 1940 com o Partido Socialista. Por exemplo, é do conhecimento comum que as principais figuras públicas do Partido Conservador pertencem atualmente ao Grande Oriente.

Por último, não acho que a vida cotidiana de suas lojas difira muito daquela das lojas de outras grandes lojas francesas. Algumas de suas lojas podem lidar um pouco mais com questões sociais, mas como em outros lugares, o trabalho diário das lojas é composto de palestras sobre questões filosóficas, sobre os símbolos dos diferentes graus e de cerimônias maçônicas. Para concluir, esta ligação com a política, que é a grande crítica da Maçonaria anglo-saxã em relação ao Grande Oriente da França, é, pelo contrário, motivo de orgulho para os seus membros. Eles acham que a Maçonaria marcou, e ainda marca, da maneira mais benéfica, a história de seu país.

O segundo corpo maçônico francês é a “Grande Loja da França”. Em 1821, alguns membros do Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito acreditavam que os altos graus não deveriam estar sob o domínio do Craft (graus simbólicos), como era o caso no Grande Oriente. Eles, portanto, constituíram outra organização maçônica: o Supremo Conselho da França. Como o nome sugere, o Supremo Conselho da França é principalmente uma organização para altos graus. Mas, para ingressar nos altos graus, você deve primeiro ser um maçom … o Supremo Conselho da França criou lojas simbólicas e uma “Grande Loja Central” (Grande Loge Centrale) para gerenciá-las. Ao longo do século XIX, a “Grande Loja Central” não tinha independência e estava sob a autoridade direta do Supremo Conselho. Nas décadas de 1870-1880, as lojas simbólicas estavam “se rebelando” contra a autoridade do Supremo Conselho. Após várias aventuras que não vou traçar em detalhes, o Supremo Conselho concedeu autonomia e “independência” às suas lojas simbólicas. A “Grande Loja Central” tornou-se a “Grande Loja da França” em 1894. Embora o Grande Oriente tenha permanecido muito mais importante ao longo do século XIX e na primeira metade do século XX, a Grande Loja da França gradualmente se tornou “a outra ordem maçônica na França”. Ideologicamente não havia diferenças entre as duas organizações. Os irmãos da ‘Grande Loja’ eram tão liberais e republicanos quanto seus companheiros do Grande Oriente. Suas únicas diferenças eram sobre as ênfases maçônicas. Claro, uma organização criada por um Supremo Conselho naturalmente dá mais importância aos altos graus. Também deve ser notado que a Grande Loja seria ainda mais influenciada pelo “renascimento simbólico” que afetou a Maçonaria Francesa entre 1920 e 1940 e desde 1950. Hoje a Grande Loja da França, ao reunir 25.000 Irmãos, afirma em um dos primeiros artigos de sua constituição que “a Maçonaria é uma ordem iniciática tradicional e universal baseada na Fraternidade”. Se, desde a década de 1950, a Grande Loja proclamou que suas lojas não estão mais envolvidas em “questões sociais”, a questão não é tão clara: por exemplo, na última quinta-feira, 22 de março, a Grande Loja organizou uma conferência muito interessante sobre “Ética e mídia.”

Em 1913, a loja “Le Centre des Amis” teve uma disputa com o Grande Oriente. Saiu, e com uma ou duas outras lojas formou a “Grande Loja Nacional Francesa” (Grande Loge Nationale Française, a ‘GLNF’). Desde o início, a nova Grande Loja Nacional Francesa estabeleceu relações com a Maçonaria Inglesa. Poucos meses depois, foi “reconhecida” pela Grande Loja Unida da Inglaterra. Assim, quase 40 anos após a ruptura de 1877 com o Grande Oriente, a Maçonaria Inglesa mais uma vez teve uma organização irmã na França. Muito diferente dos dois históricos de ordens Maçônicas Francesas, a Grande Loja Nacional permaneceu por muito tempo uma organização pequena. Por meio século, seus membros eram cidadãos ingleses que viviam na França ou eram anglófilos franceses. A partir da década de 1970, as coisas mudaram com o novo Grande Secretário: Yves Trestournel. Ele implementou uma estratégia para desenvolver sua organização rapidamente, na forma de uma “marcha forçada”. Por 30 anos, a Grande Loja Nacional Francesa trouxe uma taxa de crescimento até então desconhecida na Maçonaria do pais. Seu número de membros aumentou de cerca de 3.000 a 4.000 em 1970 para quase 40.000 membros em 2000. A ideia de Trestournel também era desenvolver a GLNF ao longo de linhas um tanto paralelas ao Grande Oriente. O Grande Oriente reunia caracteristicamente o liberal e o intelectual de classe média; a GLNF procurou recrutar fortemente nas classes médias empresariais mais conservadoras. O Grande Oriente tinha uma organização interna que baseada em eleições anuais e contra poderes entrincheirados (como a Grande Loja); – Trestournel começou a organizar a GLNF como uma pirâmide baseada na cooptação para baixo. É preciso dizer que até os últimos anos essa estratégia se mostrou muito eficiente. A GLNF parecia cumprir todos os seus objetivos. Por volta de 2000, ela ultrapassou a Grande Loja da França e se tornou a segunda organização maçônica na França. A GLNF então anunciou que seu objetivo era exceder o número de membros do Grande Oriente e se tornar a maior organização maçônica da França. Estava seguindo por esse caminho quando eclodiu uma crise muito séria, que discutiremos em detalhes.

Ah! Esqueci de dizer uma coisa… Na França, 20% dos irmãos são irmãs! A Maçonaria Feminina reapareceu no final do século XIX, mas permaneceu marginal até a década de 1960. Desde então, conheceu um forte crescimento. As irmãs podem pertencer à Co-maçonaria da Le Droit Humain (15.000 membros) que hoje é na França uma respeitada Grande Loja de boa posição. Observe que, embora a Co-maçonaria receba homens e mulheres em pé de igualdade; quase 70% dos membros são mulheres. Mas há também uma Grande Loge Féminine de France (12.000 membros) que cresceu substancialmente desde 1980. Concluindo, deve-se mencionar que, após anos de terríveis polêmicas; por meio de uma ação determinada montada por uma minoria muito pequena, o Grande Oriente finalmente decidiu dar um passo de longo alcance para permitir as lojas que desejavam iniciar mulheres e/ou afiliar irmãs.

Para entender a Maçonaria na França, devo também dizer algumas palavras sobre algumas questões maçônicas tipicamente francesas: as visões dos altos graus e o conceito de “Rito”.

Os graus superiores eram muito populares no século XVIII e ainda são um aspecto importante da vida maçônica na França. A história da maçonaria francesa também fez com que cada Grande Loja estivesse ligada a organizações específicas de altos graus. Assim, para tomar os dois mais antigos, os Irmãos do Grande Oriente podem continuar seu caminho maçônico no “Supremo Conselho – Grande Colégio do Rito Escocês Antigo e Aceito”, enquanto os da Grande Loja da França se juntarão ao “Supremo Conselho de França”. Mas, a partir do século XVIII, o lugar e a forma de trabalhar nos altos graus continua a ser uma questão controversa entre os maçons. Assim, desde o seu início, o Grande Oriente da França considerou que os altos graus eram um aspecto interessante da Maçonaria, mas que a parte mais importante residia nos graus simbólicos. Esta ainda é sua posição hoje. Ao contrário, há maçons que pensam o oposto: isto é, a própria substância da Maçonaria está nos altos graus e os graus simbólicos são uma preparação necessária e agradável para eles.

Claro que estou simplificando para me fazer entender. Encontramos essa ideia no século XVIII e quando, em 1821, alguns maçons do Grande Oriente se dividiram para criar o Supremo Conselho da França, eles formaram um corpo maçônico centrado na prática de altos graus. Pode-se dizer que essas ideias foram realmente incorporadas aos códigos genéticos das organizações maçônicas francesas. Portanto, hoje, o Supremo Conselho da França mantém uma grande influência na operação da Grande Loja da França, enquanto os graus mais elevados não têm papel algum na governança do Grande Oriente.

Também é importante ter uma palavra sobre o que chamamos na França de “Rito”. Os maçons trabalham em vários “Ritos”, como os seguintes: o “Rito Francês”, o “Rito Escocês Antigo Aceito”, o “Rito Escocês Retificado”, o “Rito de Memphis Mizraim”… Normalmente, na linguagem maçônica, a palavra francesa “Rite” é traduzida em inglês por “Working”. Acho que esta é uma tradução incorreta que pode enganar. De fato, na França, os diferentes “Ritos” são muito mais variados entre si do que os “trabalhos” ingleses. Embora suas fontes sejam, obviamente, comuns e, qualquer que seja o “Rito”, as lendas maçônicas falam todas do Templo de Salomão, Hiram, e assim por diante… Mas ao longo dos séculos, a apresentação de símbolos, interpretações, etc, que são propostas por cada Rito evoluíram em direções ligeiramente diferentes. Além dessas diferenças ritualísticas, os maçons franceses passaram a acreditar que esses vários “Ritos” representam vários caminhos na Maçonaria; cada um tem seu humor e personalidade particulares. Portanto, você pode ouvir nas lojas francesas que o “Rito Francês” é moral, o “Rito Escocês Antigo Aceito” é um  ensinamento Hermético e que o “Rito Retificado” é um caminho teosófico cristão. Mas a história não termina com esses vários tipos de rituais do Craft. Outra diferença muito importante deve ser enfatizada, que esses “Ritos” para os graus simbólicos, têm sido associados a vários sistemas de altos graus na história maçônica francesa. Assim, embora o historiador maçônico saiba que eles são de origens diferentes, existe a ideia de que três graus simbólicos, de acordo com o “Rito Escocês Antigo Aceito”, e os 30 altos graus que foram estendidos em 1804 (por razões ainda conjecturadas), formam um todo e é uma escada que tem consistência simbólica e iniciatória. Este conceito de “Ritos” como um caminho que une uma versão dos graus simbólicos e uma escada específica de altos graus também pode ser encontrado em outros lugares, como na Escandinávia por exemplo com o Rito Sueco.

Essas visões da Maçonaria permitem que alguns oficiais das organizações de altos graus pensem que, para a coerência do caminho maçônico, as organizações de alto grau deveriam ficar de olho nas lojas simbólicas. Assim, em 1950-1960, quando uma corrente da Maçonaria Francesa queria se aproximar dos padrões anglo-saxões, alguns desenvolveram grande engenhosidade para explicar que as Grandes Lojas eram, é claro, independentes… mas que os Supremos Conselhos continuaram sendo os “guardiães do Rito”… É mais ou menos o equivalente daquela frase maravilhosa da União de 1813 que afirma (amplamente) “A Maçonaria tem apenas três graus, incluindo o quarto!” Da mesma forma, para alguns maçons franceses, “as Grandes Lojas são completamente independentes a partir do momento em que consultam os Supremos Conselhos para as questões importantes!”

Acho que essa forma de pensar se tornou dominante na França… exceto dentro do Grande Oriente, onde, pelo contrário, é o Supremo Conselho que deve pedir permissão ao Conselho quando quer tomar uma decisão importante!

Lamento lidar com todas essas questões, que podem parecer um pouco complicadas, mas são importantes para entender o que está acontecendo hoje … incluindo a terrível crise do GLNF.

III. Um grande evento, a crise da GLNF

O GLNF experimentou um forte crescimento nos últimos trinta anos. Mas, por trás desse sucesso em termos de membros, também havia passado por várias crises. Essas crises tiveram vários motivos.

Em primeiro lugar, tem havido altas tensões regulares entre a direção da GLNF e suas organizações de altos graus. Pelas razões que expliquei, o “Supremo Conselho da França” (Rito Escocês Antigo Aceito) ou o “Grande Priorado de Gales” (Rito Escocês Retificado) sentiu que havia subcontratado a “gestão administrativa” de “suas” lojas simbólicas para a GLNF, mas que devem ser consultados para decisões importantes sobre as lojas de “seus” ritos. Em 2000, as tensões eram tão grandes com o “Grande Priorado de Gales” que as relações com a GLNF foram rompidas. Muitos dos Irmãos do Rito Escocês Retificado deixaram a Grande Loja “regular”.

Mas a principal fonte de tensão era a opacidade dos círculos de tomada de decisão na GLNF. Embora as lojas fossem convocadas uma vez por ano para uma “assembleia geral”… esta assembleia não tinha poderes. O Grão-Mestre foi nomeado por um “Soberano Grande Comitê”… do qual ele nomeou os membros! Além disso, a partir de 1986, uma série de alterações no regimento interno, feitas na maior discricionariedade, concentraram todas as competências de gestão – finanças, questões imobiliárias, etc. – num “Conselho” composto por uma dezena de membros cooptados. Tanto por razões de eficiência, em que tudo deve apoiar o crescimento, como com a ideia de romper com as práticas tradicionais da Maçonaria Francesa (onde passamos o nosso tempo a organizar eleições e a pedir o conselho de todos antes de tomar qualquer decisão), esta organização de quase 40.000 membros eram liderados por uma dúzia de pessoas… que, na prática, prestavam contas apenas a si mesmas! Grão-mestres como Claude Charbonniaud e Jean-Charles Foellner tinham inteligência para chegar aos limites do consenso… mas nunca para ultrapassar esses limites. Isso criava um ambiente ruim, especialmente porque a GLNF, para construir templos para abrigar todos esses novos maçons, exigia muito dinheiro de seus membros, mas a inquietação nunca foi além. Afinal, para construir uma vasta e poderosa organização para a Maçonaria regular na França valeria a pena algum sacrifício e alguns arranjos necessários.

Porém, um evento aconteceu para desencadear uma onda de protestos que começou a abalar e rachar profundamente este belo edifício construído em trinta anos. Em 2008, o Grão-Mestre Jean Charles Foellner encerrou seu mandato. Um irmão muito respeitável, Jean Murat, foi o principal candidato a sucedê-lo. Murat tinha sido um Grande Mestre Provincial e Venerável Mestre da Loja de Pesquisa; ele era muito apreciado e seu status social – General (Médico) no exército francês – era o suficiente para se tornar Grão-Mestre. Para a surpresa de todos, o Ex-Grão-Mestre Foellner apoiou outro candidato: François Stifani. Stifani era desconhecido na Maçonaria. Os irmãos perceberam rapidamente que sua qualificação principal era ser advogado e consultor financeiro do Ex-Grão-Mestre! Como os procedimentos se prestavam ao arranjo, Stifani foi facilmente nomeado Grão-Mestre da GLNF. Poucas semanas após sua eleição, ele introduziu uma nova alteração no regimento interno que estendeu seu mandato de 3 para 5 anos. Alguns meses depois, ele conseguiu que a GLNF comprasse um apartamento de luxo em um bairro elegante de Paris para uso do Grão-Mestre. Essas decisões estavam começando a gerar mais e mais perguntas por parte dos oficiais, Veneráveis Mestres ​​e Irmãos. Mas os irmãos são legitimistas; e se Stifani não tivesse errado desajeitadamente… ele provavelmente continuaria a liderar o GLNF como queria. Mas aos primeiros Irmãos que ficaram indignados a ponto de se permitirem fazer perguntas sobre essas decisões, Stifani respondia que era o Grão-Mestre e fazia o que queria.

Sua resposta foi mais ou menos no sentido de que o Grão-Mestre é para os maçons o que o Papa é para os católicos romanos… infalível. A multiplicação dessas declarações provocativas criou muitos incidentes, com irmãos e oficiais ficando cada vez mais exasperados. Tudo isso levou a um confronto em uma reunião do “Soberano Grande Comitê”, um confronto sem precedentes no que até então era apenas uma “câmara de registros”. Em outras ocasiões, a estrutura piramidal da GLNF provavelmente teria digerido esses incidentes. Mas agora estamos nos dias da Internet. O que teria ficado nos discretos conclaves de dignitários maçônicos há alguns anos logo se espalhou por toda a Web. Os oponentes criaram sites para dar voz às críticas que o governo da GLNF se recusou a considerar. As tensões que haviam sido engarrafadas por tanto tempo dentro da organização da GLNF estouraram por toda parte. Em 2010, a Assembleia Geral, geralmente um “carimbo de borracha”, testemunhou um comparecimento sem precedentes e – inédito – votou contra o Grão-Mestre e seu relatório de progresso geral. As muitas irregularidades durante esta reunião resultaram em várias queixas ao tribunal. As disputas dentro da GLNF passaram de uma história puramente maçônica em uma série de processos judiciais. Esta luta entre Maçons, é claro, atraíram a atenção da imprensa. Os “assuntos” da GLNF então começaram a se espalhar na imprensa. Na falta de reconciliação das partes, o juiz nomeou um “administrador judicial”. A GLNF agora seria chefiada por uma mulher… Mestre Legrand! (Você acreditaria nisso? Em francês, isso é um trocadilho e Mestre Legrand poderia muito bem ter sido escolhida pelo tribunal por esse motivo!)

Não vou entrar em detalhes de cada aspecto das controvérsias jurídicas da GLNF durante dois longos anos. O juiz e o administrador tiveram de fato questões contraditórias. Por um lado, a lei francesa estabelece que uma associação deve ser administrada de acordo com a vontade da maioria dos seus membros. Mas, por outro lado, a lei francesa reconhece o direito das associações de adotar regulamentos específicos… e os da GLNF deram muito poder ao Grão-Mestre e muito poucos aos membros. As más línguas dizem que a administração judicial também é um negócio e quanto mais dura a crise, mais são os honorários. Assim, passamos dois anos com uma série de decisões que favoreciam ora os adversários, ora o desafiado Grão-Mestre…

Outro elemento que também deve ser lembrado é que as brigas se tornaram tão intensas que ex-executivos da GLNF que se juntaram à oposição fizeram declarações muito delicadas. Esta poderosa GLNF que foi construída em poucos anos precisava de muito dinheiro… e o dinheiro nem sempre vem de fontes muito respeitáveis. Por exemplo, foi sugerido que os laços estreitos entre a direção da GLNF e alguns líderes africanos – que geralmente são considerados ditadores – não eram… apenas maçônicos! A imprensa também deu alguns exemplos de pacotes financeiros para construir templos maçônicos… que não eram muito ortodoxos.

As outras organizações maçônicas francesas tiveram reações mistas. Por um lado, elas não estavam particularmente descontentes com o colapso da GLNF, que passou décadas explicando que eles não eram verdadeiros maçons. Por outro, perceberam que a série de processos judiciais envolvendo a GLNF estava se transformando em um escândalo para a opinião pública. Como o público em geral não está tão familiarizado com as várias Grandes Lojas na França, este escândalo poderia afetar a Maçonaria em geral. Lembro-lhe que, para muitos franceses, a Maçonaria é o Grande Oriente e eles não sabem muito mais do que isso.

Esses dois anos de crise aguda dividiram a GLNF. A situação é ainda mais complicada pela divisão interna da oposição. Eles eram três grupos.

Primeiro, na adversidade, o desafiado Grão-Mestre Stifani reuniu seus seguidores. Eles representavam um terço da antiga GLNF. A estratégia deles era manter o poder o maior tempo possível e eles multiplicaram os procedimentos no tribunal para fazer cumprir o estatuto da GLNF em seu favor.

A oposição, que representava dois terços da antiga GLNF, havia se dividido em várias correntes. As relações entre os oponentes nem sempre foram boas. Alguns acusaram outros de terem estado muito tempo dentro da polêmica gestão e de que sua oposição a François Stifani veio tarde demais. Outros diferiam em suas análises ou em suas propostas de reforma. Depois de muitas desventuras, a oposição geral poderia ser caracterizada como sendo composta por duas vertentes.

Em primeiro lugar, aqueles que pensavam que o problema era Stifani. Uma vez que Stifani tinha partido, a verdadeira GLNF será restaurada com algumas reformas corrigindo os aspectos mais questionáveis ​​dos regulamentos internos. Esses Irmãos alinharam-se por trás de Jean Murat, o candidato derrotado em 2007.

Em segundo lugar, aqueles que consideraram que a estrutura vigente da GLNF não poderia mais funcionar; que o velho corpo estava muito doente e não podia ser curado. De qualquer forma, se a oposição finalmente assumisse o poder, ela devia negociar com os demais apoiadores de Stifani. Os apoiadores de Stifani provaram ser habilidosos e continuaram a ter em suas próprias mãos as importantes questões de controle por trás da fachada externa do maravilhoso traje de gala do Grão-Mestre Murat. Este grupo queria criar uma Grande Loja regular totalmente nova.

Em 24 de março de 2012, centenas de lojas da antiga GLNF começaram a criar a “Grande Loja da Aliança Maçônica Francesa”. Quando organizada, esta nova Grande Loja queria iniciar um processo de reconhecimento com a Grande Loja Unida da Inglaterra.

Em 30 de março, uma eleição foi realizada no “Soberano Grande Comitê” da GLNF. Esta eleição ocorreu em condições muito especiais. Alguns candidatos, entre eles um dos principais adversários de Stifani, não foram autorizados a participar nesta eleição. 20 a 30% dos membros do antigo “Soberano Grande Comitê” não podiam votar.

IV. Depois de março de 2012: observações adicionais para trazer a saga GLNF até 15 de junho de 2013

A oposição não conseguiu se unir e havia vários candidatos contra Stifani. Stifani derrotou Murat e ficou em primeiro com 45% dos votos. Mas algumas semanas depois, na Assembleia Geral das lojas, que foi mais difícil de administrar, 60% se recusaram a confirmar a nomeação. Uma nova eleição pelo Soberano Grande Comitê foi novamente arranjada. Desta vez, um dos adversários, um ex-Grande Oficial de Stifani, Jean-Pierre Servel, foi nomeado com 60% dos votos. Em 1º de dezembro, a Assembleia Geral das lojas ratificou esta nomeação e Servel tornou-se o novo Grão-Mestre da GLNF. Uma das primeiras preocupações da Servel foi tentar recriar um consenso – pelo menos com os que permaneceram na GLNF – e impedir a fiscalização do administrador judicial. Ele era habilidoso o suficiente e parecia ter conseguido restaurar a calma.

Mas os oponentes que deixaram a GLNF diziam que não voltariam porque nada mudou na opacidade da gestão da GLNF. Também denunciaram a presença de muitos “Estifanistas” na chamada “nova equipe” de Jean-Pierre Servel.

Todos esses eventos ocorreram com, em segundo plano, questões de relacionamento maçônico internacional. Na verdade, um forte elemento da identidade da GLNF foi seu reconhecimento e seu relacionamento com a Grande Loja Unida da Inglaterra. “Somos os únicos verdadeiros maçons porque somos reconhecidos pela Primeira Grande Loja do Mundo, a da Inglaterra, o país onde a Maçonaria nasceu”, disseram, e honestamente pensaram, os Irmãos da GLNF. Depois de várias Grand Lodges “regulares”, a Great Queen Street suspendeu (19 de julho de 2011) e, em seguida, removeu (12 de setembro de 2012) o reconhecimento da GLNF. Foi um verdadeiro trauma para os irmãos que foram educados na ideia maçônica de que os verdadeiros maçons eram apenas aqueles reconhecidos por Londres. Como consequência, muitas Grandes Lojas regulares – mas não todas – romperam relações com a GLNF.

Outro trovão: em 12 de junho de 2012, cinco Grandes Lojas europeias (Suíça, Áustria, Alemanha, Bélgica e Luxemburgo) publicaram uma declaração formal explicando que nunca reconheceriam a GLNF novamente e pedindo à Grande Loja da França que estabelecesse uma federação maçônica com outras pequenas Grandes Lojas de natureza espiritual para criar um novo corpo regular na França. Isso é o que tem sido chamado de “Declaração de Basiléia”.

A “Declaração de Basiléia” despertou entusiasmo na Grande Loja da França – que há muito tempo tenta se juntar à família de Grandes Lojas reconhecidas – e interessa a vários outros círculos maçônicos.

Começaram as negociações para construir esta Confederação Maçônica com o objetivo de um reconhecimento “regular”. Após anúncios muito otimistas, as negociações foram de fato bastante complicadas. Dois pontos se tornaram problemas nesta empreitada: a natureza da crença em um Ser Supremo, relacionamentos e visitas com Grandes Lojas “liberais” ou femininas.

Se todas as lojas da Grande Loja da França trabalham “À Glória do Grande Arquiteto do Universo”, todos os documentos oficiais da GLDF afirmam que os irmãos podiam vê-lo como um símbolo puro e professar ateísmo. Além disso, a Grande Loja da França, a Grande Loja “Ópera” ou a Loja Nacional Francesa tinham relações estreitas (e às vezes até membros duplos) com o Grande Oriente, a Ordem Co-maçônica Le Droit Humain ou a Grande Loja das Mulheres. O que vai acontecer? Seria possível que as “Cinco Grandes Lojas” da “Declaração de Basileia” o aceitassem?

Pelo menos, apenas a GL-AMF estava em uma posição fácil. Moldada exatamente como a GLNF, seus princípios eram os tradicionais landmarks “regulares”. Por outro lado, as lojas provinciais da GLDF, que frequentemente têm relacionamentos antigos e próximos com seu alter ego do Grande Oriente, aceitariam romper esses relacionamentos? Não é evidente.

É precisamente sobre a questão das relações maçônicas que a Loja Nacional Francesa – um corpo pequeno, mas de prestígio – se retirou do projeto de confederação. Eles disseram que desfrutarão de novos contatos maçônicos, mas que nunca irão mudar nada em suas antigas e próximas relações com o Grande Oriente ou com a Maçonaria.

Em junho de 2013, os quatro órgãos restantes (GLDF, GL-AMF, GLTSO, GLIF) estabeleceram a “Confederação Maçônica da França” que proclama sua regularidade perante o mundo maçônico… mas não diz nada sobre as duas questões.

A GLNF e a “Confederação” agora vão se desafiar para obter o selo de “regularidade”. Servel tentará convencer os britânicos de que a terrível história de “Stifani” acabou e que, com pequenas reformas, uma GLNF renovada poderia novamente ocupar seu lugar na grande família das Grandes Lojas regulares. A “Confederação” vai bater à porta das cinco Grandes Lojas europeias e dizer “conseguimos, por isso, dê-nos agora o seu reconhecimento”. Esta situação complexa não é apenas uma questão francesa, ela pode criar tensões dentro da Maçonaria regular em todo o mundo.

O tempo dirá se a “Confederação Maçônica da França” (ou pelo menos a GL AMF) terá sucesso no projeto de se tornar o novo corpo regular na França ou se, após alguns anos, o GLNF receberá de volta o reconhecimento … fazendo o “Episódio Stifani” apenas uma amarga memória?

Hoje podemos, no entanto, identificar os seguintes problemas.

Pelos numerosos exemplos trazidos à luz (ligações com ditadores africanos, golpes financeiros…), a crise da GLNF manchou definitivamente a imagem da Maçonaria na França. Os dignitários de outras organizações maçônicas que se alegraram com os problemas da GLNF estavam errados. Este “desempacotamento” com que a imprensa reverberou amplamente foi provavelmente o maior “escândalo maçônico” do período moderno na França. É claro que outras organizações maçônicas também passaram por crises internas nas últimas décadas. Mas foram crises normais de governança que geralmente são resolvidas em poucos meses por meio do mecanismo de votação.

Da mesma forma, a imagem de “regularidade” na Maçonaria Francesa foi seriamente danificada. Há muito tempo, a maioria das organizações maçônicas francesas têm uma perspectiva diferente daquela defendida pela Grande Loja Unida da Inglaterra. Mas, para muitos maçons franceses, a UGLE manteve algum prestígio. A crise da GLNF certamente danificou a “aura” da “Maçonaria regular”. Uma árvore é conhecida por seus frutos, diz o Evangelho. Após dois anos de insultos públicos duros e às vezes polêmicos, os frutos da “regularidade” na França parecem muito amargos.

No entanto, gostaria de terminar com uma nota mais otimista. Apesar dos sérios problemas que a crise da GLNF criou na Maçonaria francesa, a Maçonaria continua atraente para os franceses. Nos últimos dois a três anos, apesar das coisas terríveis impressas sobre a Maçonaria nos jornais, não observamos nenhum declínio no número de pedidos de adesão dentro das lojas. A maçonaria francesa parece estar sendo sustentada por uma espécie de tendência mágica. Devemos esperar que continue.

Uma última palavra … Espero ter ajudado você a entender melhor como é difícil fazer a Maçonaria francesa encaixar nos moldes britânicos!

Tradução: Douglas Luiz Vicente e Julio Beles Lussari

Revisão: Julio Beles Lussari

Rodrigo de Oliveira Menezes

Rodrigo de Oliveira Menezes

M.'.M.'. da Loja Amizade, Trabalho e Justiça nº 36, Or.'. de Umuarama, filiado ao Grande Oriente do Paraná, exaltado ao Sagrado Arco Real pela GLPR e filiado a mais 5 corpos Superiores distintos (SC33PR, SGCMRA, GGCCMI, SCFRMB e GCKFRMB-PR).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *