A Tradição Secreta e o Nono Arco

Por Eric C. Fridman – Traduzido por Rodrigo de Oliveira Menezes

Como representante de Salomão, rei de Israel, o presidente de um conselho de Mestres Escolhidos tem o dever de recitar a tradição secreta. Não há nada no ritual da Maçonaria Críptica que nos explique explicitamente o que é essa tradição secreta, mas há muito no simbolismo dos graus e certas frases e leituras bíblicas em nossas cerimônias que sugerem o que pode ser.

Apropriadamente, essas sugestões apontam para a tradição secreta de Israel, da qual o rei Salomão era inegavelmente um verdadeiro Mestre. Essa tradição é conhecida como Cabala, e muitos estudiosos maçônicos ao longo dos séculos descobriram que ela é uma fonte provável de muitos dos sinais, emblemas e símbolos das alegorias e rituais da Maçonaria. É nos Graus Crípticos que acredito que podemos encontrar indicações relativamente claras que apontam para a Cabala como a tradição secreta da qual nosso simbolismo é extraído.

A Cabala

A tradição mística e contemplativa judaica, compilada em obras escritas desde a Idade Média até o presente, é geralmente conhecida sob o rótulo “Kabbalah”, uma palavra hebraica que literalmente significa “recepção” e conota uma tradição não escrita de sabedoria que foi – de acordo com a história lendária – recebida no Monte Sinai por Moisés para acompanhar a Lei Escrita. Isso foi particularmente necessário depois que Moisés quebrou as tábuas da Lei originais devido ao incidente do Bezerro de Ouro e retornou com uma segunda lei, tradicionalmente dita em duas partes: a Lei Escrita, sendo os Dez Mandamentos e outras regras e editais da Torá Escrita, e uma Lei Oral a ser comunicada aos dignos por um método conhecido na Maçonaria como “boca a orelha”. Esta Lei Oral é a chave da Lei Escrita, e ela mesma era composta de várias partes, incluindo as chaves para interpretar e aplicar os estatutos da Lei Divina na vida cotidiana (posteriormente formulada no Talmude) e a tradição secreta, que foram os segredos místicos do relacionamento de Deus com o homem, os segredos da criação e incluíam tradições contemplativas, como os métodos pelos quais os dignos podiam alcançar profecias.

A chamada “Tradição Secreta” do Judaísmo sofreu várias manifestações ao longo dos milênios da história dos Filhos de Israel. Como foi observado, ela tem – como a Maçonaria – uma história lendária, e essas lendas informaram claramente a tradição maçônica em vários casos ao longo dos séculos. Segundo a lenda judaica, as primeiras transmissões de uma tradição secreta foram dadas a Adão após sua remoção do Jardim do Éden e assumiram a forma de instrução transmitida a ele pelos anjos. Adão, por sua vez, transmitiu essa sabedoria aos seus descendentes. Essa sabedoria transmitiu a Adão e seus descendentes o dom de profecia, e foi essa investidura divina que foi passada e preservada por Noé e seus filhos através do dilúvio. Por meio deles, a tradição continuou e foi transmitida a Abraão, Isaac e Jacó, e – através da Bênção de Jacó – às Tribos de Israel.

A mais notável delas foi a tribo de Levi, que manteve o estudo vivo no cativeiro no Egito, e da qual nasceram Moisés e Arão. A partir daí, começa a narrativa bíblica e os relatos escritos dos profetas, sacerdotes, reis e escribas – e, finalmente, os rabinos – de Israel. Muitos desses elementos lendários da transmissão da tradição secreta judaica (bem como do conhecimento de artes e ciências como geometria, trabalho com metal, música e tecelagem) têm muitos paralelos interessantes nos primeiros relatos da história e tradição maçônica, como o Manuscrito de Cooke e as Constituições Góticas. Mais interessantes, do ponto de vista maçônico, são os papéis desempenhados por Enoque e Melquisedeque em muitos relatos de ambas as tradições.

Paralelos Práticos

Embora os elementos lendários sejam dignos de algum estudo por si só, o objetivo deste ensaio é apontar os paralelos práticos entre a Maçonaria Críptica e a verdadeira Tradição Secreta de Israel. A Cabala é conhecida por dois modelos emblemáticos particulares que fornecem a estrutura para categorizar um amplo espectro de informações religiosas, místicas e cosmológicas. Eles são o Tetragrammaton e a Árvore da Vida (“Etz Chaim”, em hebraico). O Tetragrammaton deve ser bem conhecido, pelo menos em sua forma, tanto para os maçons do Rito de York quanto para os Escoceses, enquanto a Árvore da Vida é mencionada abertamente – como modelo informativo – apenas em algumas jurisdições do Rito Escocês. É, no entanto, a crença de muitos teóricos maçônicos que as referências ao simbolismo da Árvore da Vida abundam no simbolismo de muitos graus maçônicos, particularmente naqueles dos corpos do Rito de York das Lojas Simbólicas, nos Capítulos e nos Conselhos. Este trabalho apontará o que acredito serem manifestações claras desse simbolismo nos Graus Crípticos do Mestre Real e do Mestre Escolhido, com base nos no Capítulo ou graus capitulares.

Mestre Real

Outra forma de misticismo judaico é conhecida como “Tradição Merkabah”, que surgiu entre os rabinos do período talmúdico (começando no primeiro século da Era Comum), antes da literatura medieval conhecida como Cabala. A própria palavra “Merkabah” deve ser do interesse de qualquer Mestre Real; pois enquanto o termo é usado para denotar a Visão de Ezequiel e geralmente é traduzido como “Carruagem”, essa palavra realmente aparece apenas nas Escrituras em 1 Crônicas 28:18, em referência ao rei Davi passando a Salomão sua Tábua de Desenhos para o projeto do templo, bem como o ouro e a prata para fazer várias “obras belas” para o santuário, incluindo:

… Para o altar de incenso refinado ouro em peso; e ouro para o modelo da carruagem dos querubins, que abriram suas asas e cobriram a arca da aliança do Senhor. ”

No entanto, a fase “Obra da Carruagem” (Ma’aseh Merkavah em hebraico) refere-se a um corpo particular da prática mística judaica na qual um homem digno e santificado ascenderia, através da meditação e contemplação, através de uma série de portões ou véus, cada um dos quais com senhas e sinais consistindo nos nomes dos anjos que os guardam e em seus sinetes. A passagem por esses portões traria um desdobramento da Revelação Divina (acredita-se que essa tradição é tradicionalmente um remanescente da arte perdida dos antigos Profetas do Antigo Testamento), unindo a alma à sua Fonte mais alta. Esse motivo de viajar através de véus guardados por sentinelas, em benefício de senhas que são na verdade nomes, deve ser imediatamente familiar a um Companheiro do Santo Arco Real – um status que, na maioria das jurisdições (embora não em Illinois), é um pré-requisito para ser recebido como um Mestre Real.

O grau de Mestre Real é significativo em vários aspectos. Primeiro, ele nos ensina que – após a morte de Hiram Abiff – a Palavra do Mestre não está perdida, mas apenas oculta. Além disso, é a referência aberta ou oblíqua no ritual – além da leitura da Escritura – aos querubins (em Illinois e outras jurisdições, eles são mencionados diretamente no ritual, enquanto em outras jurisdições, como Iowa, são mencionados apenas nos diagramas e trabalho de chão do ritual, e não explicitamente mencionados ao candidato). Como visto no verso de 1 Crônicas citadas acima, os querubins são escrituricamente a Merkabah; o lugar de onde a Voz de Deus (o Bath Kol) fala. Finalmente, os versículos das Escrituras são falados durante a admissão do candidato. Esses versículos são extraídos de duas fontes e, quando tomados como uma lição em si, são uma afirmação de todos os argumentos apresentados até agora.

Os seis primeiros versos são de 1 Reis, e descrevem o cumprimento pelo rei Salomão daquele projeto que lhe foi dado pelo rei Davi, conforme descrito em 1 Crônicas, capítulo 28, com ênfase particular nos querubins, pois esse verso é inserido fora de sequência de outro , capítulo anterior. O sétimo e o oitavo versos são, na verdade, três versículos do capítulo 22 e final do Livro do Apocalipse, e são muito interessantes, de fato, à luz dos argumentos feitos sobre a tradição Merkabah do misticismo judaico (que era contemporâneo ao cristianismo primitivo e pode muito bem ser conhecido pelo autor):

                12. E eis que venho rapidamente; e a minha recompensa está comigo, para dar a cada homem conforme a sua obra. 13. Eu sou Alfa e Ômega, o começo e o fim, o primeiro e o último. 14. Bem-aventurados os que cumprem os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida e possam entrar pela cidade pelas portas.    

Pela versão da NVI a qual recomendamos: “12. Eis que venho em breve! A minha recompensa está comigo, e eu retribuirei a cada um de acordo com o que fez. 13. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim. 14. Felizes os que lavam as suas vestes, para que tenham direito à árvore da vida e possam entrar na cidade pelas portas. – Apocalipse 22:12-14 NVI”

O primeiro desses versículos lembra o grau de Mestre em Marcos, cuja escritura principal também é pertinente ao nosso estudo aqui e será examinado oportunamente. O Alfa e o Ômega são explicados no ritual do Mestre Real. O versículo final, no entanto, é particularmente interessante à luz de sua referência à Árvore da Vida e da entrada pelos Portões da Jerusalém celestial, “a cidade santa, a nova Jerusalém, que desce de Deus do céu”. O Apocalipse de João é um trabalho firmemente fundamentado no simbolismo celestial de Ezequiel e Daniel, que são as mesmas fontes das quais as imagens e o simbolismo da “Visão da Ascensão” que formam o material da tradição Merkabah. Essa ascensão celestial para os céus pelos justos é exatamente o que o evangelista está falando quando escreve: “Bem-aventurados os que cumprem seus mandamentos (lavam as suas vestes no sangue do cordeiro), para que tenham direito à árvore da vida e possam entrar pelos portões dentro da cidade.” Nas tradições cabalísticas posteriores, essa ascensão foi feita através do modelo especificamente chamado de “Árvore da Vida”, que consiste em dez níveis ou câmaras que são assim conectadas por nove limiares, véus, portões ou – no uso maçônico – arcos. Isso nos leva ao grau de Mestre Escolhido.

Mestre Escolhido

No Maçonaria Críptica – Um Manual para o Conselho (pp. 44 – 47), Albert Mackey aponta que as cerimônias do grau de Mestre Escolhido são de natureza composta, uma vez que se referem a dois eventos completamente distintos. A parte mais significativa desse grau explica racionalmente a ocultação e a preservação da recompensa maçônica que é Perdida nos graus da Loja Simbólica e pela qual o Mestre Maçom só recebe um substituto. Os Graus Capitulares, particularmente o Arco Real, explicam como isso que foi Perdido agora é Encontrado e essa chave é restaurada para o pedreiro individual. Estes são o Alfa e o Ômega de um assunto específico, seu Início e seu Fim. Resta aos Graus Crípticos contarem o resto da história e explicar a ocultação e preservação daquilo que se pensava estar perdido, maçonicamente, para as gerações do Cativeiro Babilônico.

O outro evento que Mackey descreve é ​​o que explica uma vaga que está sendo feita (antes da morte de H.A.) em um círculo fechado de Companheiros no que é um ato de justiça em relação a um e a extensão da misericórdia a outro. Mas Mackey ressalta que essa parte do ritual é um episódio não essencial, mas interessante, introduzido como um complemento ao grau “de algum ritualista engenhoso, mas moderno” – embora ele afirme que essa parte, bem como a parte mais essencial sobre a perda e a recuperação da Verdade, ambas podem ser encontradas descritas nas instruções de Monitores mais antigos sobre o grau de Mestre Escolhido. Embora Mackey possa estar correto ao descrever essa parte do Grau como algo que “pode ​​realmente ser descartado das cerimônias … sem afetar a menor forma do Grau “, é importante notar que uma cerimônia “destinada a exemplificar a união e a prática das duas virtudes, misericórdia e justiça ”têm um significado cabalístico particular, especialmente em relação à Árvore da Vida.

Uma breve introdução à Árvore da Vida está em exposta aqui. Na literatura cabalística, esta frase é o título de um diagrama específico de dez fases ou etapas particulares, cuja palavra hebraica pode ser alternada – ou, mais significativamente, simultaneamente – traduzida como “números”, “escritos” ou “enunciados” . Esses dez reinos de influência são os “Marcos”, por assim dizer, dos vários estágios pelos quais o Criador, por Sua própria vontade, gradualmente ocultou e restringiu Sua Infinita Perfeição, permitindo assim o finito e imperfeito (ou, melhor ainda, não perfeito) reino da existência humana a surgir. Os nomes dos dez níveis são, em sequência, Kether (“Coroa”), Chokhmah (“Sabedoria”), Binah (“Entendimento”), Chesed (“Bondade” ou “Misericórdia”), Geburah ou Din (“Força” ou “Justiça”), Tiphareth (“Beleza” ou “Harmonia”), Netzach (“Vitória”), Hod (“Glória”), Yesod (“Fundação”) e Malkuth (“Reino”). As descrições anteriores desses estágios os descrevem como fluindo consecutivamente, como elos de uma corrente ou as câmaras conectadas de um longo palácio.

O diagrama da Árvore da Vida, no entanto, mostra-os dispostos em suas colunas, com três níveis de esferas dispostas nesses três pilares, originando-se de um único começo unificado e culminando em um fim físico manifesto. As três colunas representam dois extremos emergentes e reconciliados entre equilíbrio e harmonia.

O pilar direito é o extremo de influências expansivas e benéficas, enquanto o pilar esquerdo é o extremo de influências restritivas e disciplinadoras. O Pilar do Meio é a fonte da qual esses extremos emanam e pela qual eles alcançam o equilíbrio. Os três níveis são os da Alma, representando a centelha Divina (Coroa) que se estende a um raio de luz ou informação abstrata (Sabedoria) que é então submetido pelo observador à análise (Entendimento); Mente, aqui o processo analítico é aplicado internamente ou mentalmente, produzindo tese (Misericórdia), antítese (Força) e síntese (Beleza); e Corpo onde o processo analítico é aplicado externamente ou fisicamente, produzindo uma ação (Vitória), uma reação (Glória) e um resultado preliminar de trabalho (Fundação); com o décimo nível do Reino representando o todo funcional unificado na aplicação final.

Em um contexto maçônico, é significativo observar dois pontos. A primeira é que os três Pilares da Árvore da Vida são rotulados de acordo com a tríade central, e são indicados o Pilar da Misericórdia à direita, o Pilar de Força ou Justiça à esquerda e o Pilar de Beleza ao centro – atribuições que devem lembrar a lição inicial da cerimônia de Mestre Escohlido, na qual um único ato impõe Justiça a um Companheiro e estende a Misericórdia a outro, e que, com uma modificação simples (nomear o pilar certo após o estágio mais alto), torna-se as três Colunas Maçônicas de Sabedoria, Força e Beleza. O segundo ponto é que os três pilares multiplicados por três níveis é uma manifestação particularmente interessante da frase “Três Vezes Três”, com o diagrama da Árvore da Vida e seus triângulos inferior, médio e superior correspondendo muito de perto aos Três Triângulos Formados para se Elevar o Arco Real (e o décimo e último nível seria a Grande Palavra Onívora falada sob esse arco). Como esses reinos são considerados manifestos em múltiplos níveis, inclusive dentro de cada ser humano, os três Grão-Mestres que formam o Arco Real – que certamente incorporariam a perfeição desses estados ou estágios – seriam uma multiplicação adicional por três, produzindo o número vinte e sete.

* Número esse representando os oficiais do Grau.

A Árvore da Vida e todo o seu significado dentro e fora da Maçonaria é um estudo proveitoso e recomendado para um Maçom Especulativo, e existem muitas fontes disponíveis para prosseguir neste estudo. No momento, espero ter demonstrado suficientemente que certamente existem paralelos muito reais e interessantes entre o simbolismo cabalístico e o maçônico, e estes servem como uma base sólida para uma possível explicação de certas formas e cerimônias do Conselho Críptico. Voltarei agora às minhas especulações.

O Nono Arco

A obrigação do Mestre Real não é digna de nota no contexto dos graus maçônicos; certamente não há nada de estranho ou extraordinário neles. A obrigação do Mestre Escolhido é de interesse particular nesse tipo de trabalho. Um voto severo e solene  e a mais grave das sanções maçônicas é invocada ao violar esse juramento.

Embora o ritual em curso explique bem o que está além desse limiar, e a entrada dos indignos nesse lugar especial certamente merece as mais graves consequências, como lenda histórica, esse santuário em particular é substituído pelo Cofre Secreto que já estaria aberto e seus tesouros restaurados no grau de Arco Real. Qual é então o objetivo desta parte específica da Obrigação de um Mestre Escolhido? A luz do que foi revisto aqui sobre a Tradição Secreta – que existe e que é dever do Ilustre Mestre de um Conselho recitar para os Companheiros – uma explicação possível vem prontamente à mente. Como vimos, a Tradição Secreta de 2000 anos atrás consistia em métodos de contemplação e meditação pelos quais o homem justo experimentava uma subida visionária aos céus, para obter conhecimentos sobre a Santa Tábua de Desenhos exposta pelo Grande Arquiteto do Universo. Essas ascensões algumas vezes consistiam em três vezes, geralmente sete, e ultimamente dez – na literatura medieval posterior da Cabala – estágios ou “Portões da Luz” (como um trabalho do século XIII sobre essa ascensão é intitulado). Cada estágio tinha certos guardiões ou sentinelas – anjos que permitiam a passagem, se possuíssem certas palavras ou nomes. Tudo isso deve ser surpreendentemente familiar para um Maçom do Rito de York ativo.

Pode ser necessário salientar que nove arcos ou marcações denotam dez câmaras ou níveis; o primeiro arco é a passagem da primeira câmara para a segunda, e assim por diante, até chegar ao limiar do nono arco, que é a passagem para a câmara ou cofre mais secreta e mais interna. O Nome Divino associado ao nível mais alto da Árvore da Vida não é outro senão o hebraico Eheieh, muitas vezes traduzido como “EU SOU”, e certamente familiar para o Arco Real e os Maçons Crípticos. Vale ressaltar que este termo hebraico está realmente no tempo futuro e é mais adequadamente traduzido como “EU SEREI”; é Luz Divina e Graça em potencial, esperando para serem concedidas àqueles que são dignos e têm permissão para penetrar em seus segredos; esperando ser restaurado ao seu devido e adequado lugar no culto público e comunitário de um povo santo. Seja a Palavra Perdida de um Mestre Maçom ou a Lei Original recebida por Moisés no Sinai (se houver realmente alguma diferença), é o segredo da perfeição espiritual pessoal, esperando para ser realizada e restaurada àqueles que podem levá-la adiante. o mundo e construir e reconstruir com ele.

Embora a justiça e a misericórdia humanas sejam finitas, apenas a justiça do Senhor é finita – Sua misericórdia é infinita. Concluo com alguns versículos do Salmo 118, nos quais é feita uma aparente distinção entre “portões da justiça” no plural (os oito primeiros arcos abertos a todos os Mestres Escolhidos) e “esta porta do Senhor” (o nono arco):

1. Dai graças ao SENHOR; porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre.

(…)

19. Abre-me as portas da justiça; entrarei nelas, e louvarei ao Senhor.

20. esta porta do SENHOR, pela qual os justos entrarão.

21. Eu te louvarei, porque você me ouviu e se tornou minha salvação.

22. A pedra que os construtores recusaram tornou-se a pedra principal da esquina.

23. Isto é obra do SENHOR; é maravilhoso aos nossos olhos.

Versão da NVI – Salmo 118:

1 Dêem graças ao Senhor porque ele é bom; o seu amor dura para sempre.

(…)

19 Abram as portas da justiça para mim, pois quero entrar para dar graças ao Senhor.

20 Esta é a porta do Senhor, pela qual entram os justos.

21 Dou-te graças, porque me respondeste e foste a minha salvação.

22 A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular.

23 Isso vem do Senhor, e é algo maravilhoso para nós.

Bibliografia:

Chase, Jackson H.; Textbook of Cryptic Masonry, Masonic Publishing Company, New York, 1884

Blumenthal, David R.; Understanding Jewish Mysticism – A Source Reader: The Merkabah Tradition and the Zoharic Tradition, Ktav Publishing House, Inc. New York, 1978

Friedman, Eric C.; Ad Lucem Vol. XIII (2006), pp. 29 – 44: “The Tetragrammaton Formula: The Evolution of Matter and the Soul” – year 2006 scholarly reports of The High Council, Masonic Societas Rosicruciana In Civitatibus Foederatis. Robert G. Davis, IXº, KGC, Editor. [This essay was originally online at several now-defunct websites, but can presently be downloaded at http://sites.google.com/site/flegetanisproject/home/qabalistic-writings/Evolution.pdf.]

Grand Council of Royal and Select Masters of Iowa; Official Ritual, Third Edition Revised August 1985

Grand Council of Cryptic Masons of the State of Illinois; Standardized Ritual, Update September 2001.

Kaplan, Aryeh; Meditation and Kabbalah, Samuel Weiser, York Beach, Maine, 1986

Mackey, Albert G.; Cryptic Masonry – A Manual of the Council, Maynard, Merrill, & Co. New York, 1897 [retrieved & printed from http://books.google.com; Chase’s Textbook of Cryptic Masonry is also available from this source, although I’m working from an original copy.]

“Tree of Life” Diagram by Morgan Leigh from http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Tree_of_life_wk_02.jpg

Rodrigo de Oliveira Menezes

Rodrigo de Oliveira Menezes

M.'.M.'. da Loja Amizade, Trabalho e Justiça nº 36, Or.'. de Umuarama, filiado ao Grande Oriente do Paraná, exaltado ao Sagrado Arco Real pela GLPR e filiado a mais 5 corpos Superiores distintos (SC33PR, SGCMRA, GGCCMI, SCFRMB e GCKFRMB-PR).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *